Comentário ao Salmo 15 – Santo Agostinho

0 comentário

1 1“Título: De Davi”. Fala no presente salmo nosso Rei, segundo a natureza humana. O título de rei salientou-se na inscrição, no tempo da paixão.

2 1.2Reza o salmista: “Guarda-me, Senhor, pois em ti esperei. Disse ao Senhor: És o meu Deus, não precisas de meus bens”. Não esperas tornar-te feliz com os meus bens.

3 3“Quanto aos santos que estão em sua terra”, os santos que puseram sua esperança na terra dos vivos, cidadãos da Jerusalém celeste, cuja cidadania espiritual, pela âncora da esperança firma-se naquela pátria, denominada com razão terra de Deus, embora ainda estejam corporalmente aqui, na terra. “Realizou admiravelmente neles todos os seus anelos”. Nestes santos Deus tornou admiráveis todas as minhas vontades, em proveito deles próprios, porque compreenderam quanto lhes aproveitou a humanidade que a divindade do Verbo assumiu, para que eu pudesse morrer, e a divindade unida à humanidade, para eu ressuscitar.

4 4“As fraquezas deles se multiplicaram”, não para sua ruína, mas a fim de aspirarem por um médico. “Depois, precipitaram-se”. Multiplicadas as suas enfermidades, apressaram-se em buscar a cura. “Não os congregarei em reuniões cruentas”. Suas reuniões não serão carnais, nem os congregarei, aplacado pelo sangue dos animais. “Nem recordarei seus nomes, proferindo-os com os lábios”. Transformados espiritualmente, esquecer-se-ão do que foram. Já não os chamarei de pecadores, inimigos ou homens e sim de justos, meus irmãos e filhos de Deus, por causa da paz que eu lhes dei.

5 5“O Senhor é a porção de minha herança e de meu cálice”. Comigo eles possuirão a herança, o próprio Senhor. Outros escolham, para sua fruição, porções terrenas e temporais; a porção dos santos é o Senhor, que é eterno. Bebem os outros mortíferos prazeres; a porção de meu cálice é o Senhor. Digo: “Meu”, pois a mim acrescento a Igreja; onde está a Cabeça, aí se acha também o corpo. Tendo em vista a herança, convocarei suas reuniões e inebriado pelo cálice, esquecer-me-ei de suas antigas designações. “És tu que me restituis a herança”, para que seja conhecida, também daqueles que liberto, a glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse (Jo 17,5). Não me restituis o que não perdi, mas restituis àqueles que o perderam, o conhecimento de sua glória. E como estou neles, “Tu me restituis”.

6 6“Caíram meus cordéis em parte esplêndida”. Os limites de minha propriedade, de certo modo por sorte caíram em tua glória, assim como a posse dos sacerdotes e levitas é Deus. “A minha herança, portanto, é excelente”. É ótima a minha herança, não para todos, mas para os que sabem ver. Como estou neles, é “para mim”.

7 7“Bendirei o Senhor que me deu entendimento”, possibilitando-me ver e possuir esta herança. “Além disso, até de noite meus rins me exortaram”. Além do entendimento, a parte inferior, a carne que assumi, instruiu-me até a morte, para que eu experimentasse as trevas da mortalidade, que não existem no intelecto.

8 8“Via sempre o Senhor diante de mim”. Tendo vindo ao que é transitório, não tirei os olhos do permanente, prevendo que, passadas as coisas temporais, voltaria a ele. “Porque está a minha direita, não serei abalado”. Ajuda-me a permanecer nele de modo estável.

9 9“Por isso se alegrou o meu coração e a minha língua exultou”. Por esta razão, a alegria enche meus pensamentos e a exultação transparece em minhas palavras. “Mais ainda. Minha própria carne repousará na esperança”. Além disso, minha carne não definhará até morrer, mas adormecerá com a esperança da ressurreição.

10 10“Porque não entregarás ao inferno a minha alma”. Não entregarás ao domínio do inferno a minha alma.“Nem permitirás que teu santo experimente a corrupção”. Não permitirás que se corrompa o corpo santificado, que há de santificar os outros. “Deste-me a conhecer os caminhos da vida”. Por meu intermédio manifestaste os caminhos da humildade, a fim de que voltem à vida os homens, decaídos pela soberba. Como entre eles me encontro, “deste-me a conhecer. Encher-me-ás de alegria ante a tua face”. Enchê-los-ás de alegria de tal sorte que não irão procurar outra coisa, quando te houverem visto face a face. Uma vez que eu estou neles: “encher-me-ás. Delí-cias infindas acham-se à tua destra”. Delícias encontram-se em teu favor e em tua propiciação no caminhar desta vida, que conduz ao termo, à glória de tua presença.

Extraído do Comentário aos Salmos (Enarrationes in psalmos), de Santo Agostinho, vol.1.

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *