Vigílias do 3º Domingo da Páscoa

0 comentário

As Vigílias são celebradas aos Domingos, Solenidades e Festas e consistem no prolongamento do Ofício das Leituras, acrescido de três Cânticos do Antigo Testamento e do Evangelho da ressurreição. As Vigílias são a forma mais antiga de oração pública da Igreja, evocando, desde o início, a ressurreição do Senhor na grande Vigília Pascal.


V. Abri os meus bios, ó Senhor.
R. E minha boca anuncia vosso louvor.

R. O Senhor ressurgiu realmente. Aleluia!

Salmo 94

Convite ao louvor de Deus

Animai-vos uns aos outros, dia após dia, enquanto ainda se disser ‘hoje’ (Hb 3,13).

1 Vinde, exultemos de alegria no Senhor, *
aclamemos o Rochedo que nos salva!
2 Ao seu encontro caminhemos com louvores, *
e com cantos de alegria o celebremos!

R. 

3 Na verdade, o Senhor é o grande Deus, *
o grande Rei, muito maior que os deuses todos.
4 Tem nas mãos as profundezas dos abismos, *
e as alturas das montanhas lhe pertencem;
5 o mar é dele, pois foi ele quem o fez, *
e a terra firme suas mãos a modelaram.

R. 

6 Vinde adoremos e prostremo-nos por terra, *
e ajoelhemos ante o Deus que nos criou!
=7 Porque ele é o nosso Deus, nosso Pastor, †
e nós somos o seu povo e seu rebanho, *
as ovelhas que conduz com sua mão.

R. 

=8 Oxa ouvísseis hoje a sua voz: †
“Não fecheis os corações como em Meriba, *
9 como em Massa, no deserto, aquele dia,
– em que outrora vossos pais me provocaram, *
apesar de terem visto as minhas obras”.

R. 

=10Quarenta anos desgostou-me aquela raça †
e eu disse: “Eis um povo transviado, *
11 seu coração não conheceu os meus caminhos!”
– E por isso lhes jurei na minha ira: *
“Não entrarão no meu repouso prometido!”

R. 

Demos glória a Deus Pai onipotente
e a seu Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso, †
e ao Esrito que habita em nosso peito *
pelos culos dos culos. Amém.

R. 

Hino

Eis o dia de Deus verdadeiro,
no clarão de luz santa banhado.
Nele, o sangue do novo Cordeiro
apagou deste mundo o pecado.

Deu a fé novamente aos perdidos,
deu aos cegos de novo a visão.
Quem não há de perder todo o medo,
vendo o céu ser aberto ao ladrão?

Eis o fato que aos anjos assombra:
ver o Cristo na cruz como réu,
e o ladrão que com ele padece,
conquistar a coroa do céu.

Admirável, profundo mistério:
lava a carne da carne a fraqueza
e, tirando os pecados do mundo,
restitui-lhe a antiga nobreza.

O que pode existir mais sublime
que o pecado à procura da graça?
Que da morte nascer vida nova
e um amor que aos temores desfaça?

Ó Jesus, dos fiéis corações
sede eterna alegria pascal;
congregai os nascidos da graça
pelo vosso triunfo imortal.

Glória a vós que vencestes a morte
e brilhais, com o Pai, Sumo Bem,
no esplendor coruscante do Espírito
pelos séculos eternos. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Aleluia, removida foi a pedra da entrada do sepulcro. Aleluia.

Salmo 144(145)

Louvor à grandeza de Deus

Justo és tu, Senhor, aquele que é e que era, o Santo (Ap 16,5).

I

1 Ó meu Deus, quero exaltar-vos, ó meu Rei, *
e bendizer o vosso nome pelos séculos.

2 Todos os dias haverei de bendizer-vos, *
hei de louvar o vosso nome para sempre.
3 Grande é o Senhor e muito digno de louvores, *
e ninguém pode medir sua grandeza.

4 Uma idade conta à outra vossas obras *
e publica os vossos feitos poderosos;
5 proclamam todos o esplendor de vossa glória *
e divulgam vossas obras portentosas!

6 Narram todos vossas obras poderosas, *
e de vossa imensidade todos falam.
7 Eles recordam vosso amor tão grandioso *
e exaltam, ó Senhor, vossa justiça.

8 Misericórdia e piedade é o Senhor, *
ele é amor, é paciência, é compaixão.
9 O Senhor é muito bom para com todos, *
sua ternura abraça toda criatura.

Ant. Aleluia, removida foi a pedra da entrada do sepulcro. Aleluia.

Ant. 2 Aleluia, quem procuras, ó mulher? Entre os mortos o Vivente? aleluia.

II

10 Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, *
e os vossos santos com louvores vos bendigam!
11 Narrem a glória e o esplendor do vosso reino *
saibam proclamar vosso poder!

12 Para espalhar vossos prodígios entre os homens *
e o fulgor de vosso reino esplendoroso.
13 O vosso reino é um reino para sempre, *
vosso poder, de geração em geração.

Ant. Aleluia, quem procuras, ó mulher? Entre os mortos o Vivente? aleluia.

Ant. 3 Aleluia, não chores, Maria: O Senhor ressurgiu, aleluia.

III

13b O Senhor é amor fiel em sua palavra, *
é santidade em toda obra que ele faz.
14 Ele sustenta todo aquele que vacila *
e levanta todo aquele que tombou.

15 Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam *
e vós lhes dais no tempo certo o alimento;
16 vós abris a vossa mão prodigamente *
e saciais todo ser vivo com fartura.

17 É justo o Senhor em seus caminhos, *
é santo em toda obra que ele faz.
18 Ele está perto da pessoa que o invoca, *
de todo aquele que o invoca lealmente.

19 O Senhor cumpre os desejos dos que o temem, *
ele escuta os seus clamores e os salva.
20 O Senhor guarda todo aquele que o ama, *
mas dispersa e extermina os que são ímpios.

=21 Que a minha boca cante a glória do Senhor †
e que bendiga todo ser seu nome santo *
desde agora, para sempre e pelos séculos.

Ant. Aleluia, não chores, Maria: O Senhor ressurgiu, aleluia.

V. Refloresceu a minha carne e eu canto: Aleluia.
R. Eu agradeço ao Senhor de coração. Aleluia.

Primeira leitura

Do Livro do Apocalipse 6,1-17

O livro de Deus é aberto pelo Cordeiro

1Eu, João, vi o Cordeiro abrir o primeiro dos sete selos, e ouvi o primeiro dos quatro Seres vivos dizer com voz de trovão: “Vem!” 2Vi então aparecer um cavalo branco. O cavaleiro tinha um arco, e deram-lhe uma coroa. Saiu, vitorioso e para vencer ainda mais. 

3E quando o Cordeiro abriu o segundo selo, ouvi o segundo Ser vivo dizer: “Vem!” 4E apareceu um outro cavalo, vermelho, e ao seu cavaleiro foi dado poder de afastar a paz da terra, de modo que os homens se matassem uns aos outros. Foi-lhe dada também uma grande espada. 

5E quando o Cordeiro abriu o terceiro selo, ouvi o terceiro Ser vivo dizer: “Vem!” Vi então um cavalo preto, e o seu cavaleiro segurava uma balança. 6E ouvi uma voz que vinha do meio dos quatro Seres vivos: “Um quilo de trigo por um dia de trabalho! Três quilos de cevada por um dia de trabalho! Não estragues o azeite e o vinho”.

7E quando o Cordeiro abriu o quarto selo, ouvi o quarto Ser vivo dizer: “Vem!” 8Vi então um cavalo esverdeado, e o seu cavaleiro era chamado “a Morte”, e a Morada dos mortos o acompanhava. Foi-lhe dado poder sobre a quarta parte da terra, para que matasse pela espada, pela fome, pela peste e pelas feras da terra. 

9E quando o Cordeiro abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas daqueles que tinham sido imolados por causa da Palavra de Deus e do testemunho que mantinham firme. 10Gritavam com voz forte: “Senhor santo e verdadeiro, até quando tardarás em fazer justiça, vingando o nosso sangue contra os habitantes da terra? 

 11Então, cada um deles recebeu uma veste branca e foi-lhes dito que descansassem mais um pouco de tempo, até se completar o número dos seus companheiros e irmãos, que iriam ser mortos como eles.  

12E quando o Cordeiro abriu o sexto selo, eu vi acontecer um grande terremoto, e o sol ficou escuro como grosseiro tecido de luto e a lua tornou-se toda cor de sangue. 13As estrelas do céu caíram sobre a terra, como a figueira deixa cair seus frutos verdes, quando bate um vento forte, 14e o céu foi-se recolhendo como folha de papel que se enrola. Todas as montanhas e ilhas foram arrancadas de seus lugares. 15Os reis da terra, os magnatas e os chefes militares, os ricos, os poderosos e todos os escravos e livres, esconderam-se nas cavernas e nas rochas das montanhas 16e diziam aos montes e aos rochedos: “Caí em cima de nós e escondei-nos da face daquele que está no trono e da ira do Cordeiro. 17Pois chegou o grande dia de sua ira, e quem poderá ficar de pé?” 

Responsório             Cf. Ap. 6,9.10.11 

R. Ouvi, sob o altar,
a voz dos que haviam sido mortos e clamavam:
Por que não defendeis nosso sangue derramado?
Receberam a resposta do Senhor, que lhes dizia:
* Aguardai por mais um pouco até que se complete
o número de vossos companheiros e irmãos. Aleluia.
V. Foi dada a cada um uma veste branca
e receberam do Senhor esta resposta: * Aguardai.

Segunda leitura

Da Primeira Apologia a favor dos cristãos, de São Justino, mártir

(Cap.66-67: PG 6,427-431)     (Séc. II)

A celebração da Eucaristia

A ninguém é permitido participar da Eucaristia, a não ser àquele que, admitindo como verdadeiros os nossos ensinamentos e tendo sido purificado pelo batismo para a remissão dos pecados e a regeneração, leve uma vida como Cristo ensinou.  

Pois não é pão ou vinho comum o que recebemos. Com efeito, do mesmo modo como Jesus Cristo, nosso salvador, se fez homem pela Palavra de Deus e assumiu a carne e o sangue para a nossa salvação, também nos foi ensinado que o alimento sobre o qual foi pronunciada a ação de graças com as mesmas palavras de Cristo e, depois de transformado, nutre nossa carne e nosso sangue, é a própria carne e o sangue de Jesus que se encarnou. 

Os apóstolos, em suas memórias que chamamos evangelhos, nos transmitiram a recomendação que Jesus lhes fizera. Tendo ele tomado o pão e dado graças, disse: Fazei isto em memória de mim. Isto é o meu corpo (Lc 22,19; Mc 14,22); e tomando igualmente o cálice e dando graças, disse: Este é o meu sangue (Mc 14,24), e os deu somente a eles. Desde então, nunca mais deixamos de recordar estas coisas entre nós. Com o que possuímos, socorremos a todos os necessitados e estamos sempre unidos uns aos outros. E por todas as coisas com que nos alimentamos, bendizemos o Criador do universo, por seu Filho Jesus Cristo e pelo Espírito Santo. 

No chamado dia do Sol, reúnem-se em um mesmo lugar todos os que moram nas cidades ou nos campos. Lêem-se as memórias dos apóstolos ou os escritos dos profetas, na medida em que o tempo permite. 

Terminada a leitura, aquele que preside toma a palavra para aconselhar e exortar os presentes à imitação de tão sublimes ensinamentos. 

Depois, levantamo-nos todos juntos e elevamos as nossas preces; como já dissemos acima, ao acabarmos de rezar, apresentam-se pão, vinho e água. Então o que preside eleva ao céu, com todo o seu fervor, preces e ações de graças, e o povo aclama: Amém. Em seguida, faz-se entre os presentes a distribuição e a partilha dos alimentos que foram eucaristizados, que são também enviados aos ausentes por meio dos diáconos. 

 Os que possuem muitos bens dão livremente o que lhes agrada. O que se recolhe é colocado à disposição do que preside. Este socorre os órfãos, as viúvas e os que, por doença ou qualquer outro motivo se acham em dificuldade, bem como os prisioneiros e os hóspedes que chegam de viagem; numa palavra, ele assume o encargo de todos os necessitados. 

Reunimo-nos todos no dia do Sol, não só porque foi o primeiro dia em que Deus, transformando as trevas e a matéria, criou o mundo, mas também porque neste mesmo dia Jesus Cristo, nosso salvador, ressuscitou dos mortos. Crucificaram-no na véspera do dia de Saturno; e no dia seguinte a este, ou seja, no dia do Sol, aparecendo aos seus apóstolos e discípulos, ensinou-lhes tudo o que também nós vos propusemos como digno de consideração.

Responsório 

R. Pouco antes de passar deste mundo para o Pai,
* Jesus instituiu, em memória de sua morte,
o Sacramento de seu Corpo e de seu Sangue. Aleluia.
V. Deu seu Corpo em comida e seu Sangue embebida,
quando disse: Fazei isto em memória de mim. * Jesus.

Cânticos

Ant. Vinde, todos, adoremos quem da morte ressurgiu;
foi pela cruz que entrou no mundo a alegria, Aleluia!

Cântico I    Is 63,1-5

O Senhor, único vencedor dos inimigos

Eles venceram o dragão pelo sangue do Cordeiro (cf. Ap 12,11).

– 1 “Quem é este que vem de Edom, *
vem de Bosra, com vestes vermelhas,
– vem formoso, em trajes de gala, *
caminhando com grande poder?”

– “Sou eu, que proclamo a justiça, *
sou eu, poderoso em salvar!”
– 2 “Mas, por que tua veste é vermelha, *
como a daquele que pisa o lagar?”

– 3 “Eu sozinho pisei o lagar, *
e ninguém me ajudou dentre os povos.
– Com furor, eu, então, os pisei *
e a eles, com ira, esmaguei.

– Salpicou-me seu sangue as vestes, *
o meu traje está todo manchado.
– 4 Da vingança o dia eu queria, *
da redenção já chegou o meu tempo.

– 5 Eu olhei, mas ninguém para ajudar; *
admirei-me, pois não tinha apoio.
– Então, apelei ao meu braço, *
minha ira me veio ajudar.”

Cântico II Os 6,1-6

O Senhor é compassivo, quer misericórdia e não sacrifícios

Ao terceiro dia, o Cristo ressuscitou, segundo as Escrituras (1Cor 15,4).

– 1 Vinde, todos, retornemos ao Senhor, *
pois, se ele nos feriu, nos curará.
=2 Em dois dias nos dará, de novo, a vida †
e em três dias haverá de reerguer-nos *
e viveremos na presença do Senhor.

– 3 Apliquemo-nos, a fim de o conhecer, *
esforcemo-nos, a fim de o seguir!
= Tão certa como a aurora é sua vinda, †
como a chuva para nós ele virá, *
chuva tardia, que irriga toda a terra.

=4 “Que te farei, ó Efraim, e a ti, Judá? †
O vosso amor é como a nuvem da manhã, *
como orvalho que, depressa, se dissipa.
=5 Por isso, os castiguei pelos profetas †
e os matei pelas palavras de minha boca *
e meu juízo resplandece como a luz.

– 6 Misericórdia eu quero e não teus sacrifícios, *
conhecimento do Senhor, mais que holocaustos.”

Cântico III Sf 3,8-13

O resto de Israel, no fim, será salvo

Isaías clama a respeito de Israel: Ainda que o número dos israelitas fosse como a areia do mar, só um resto será salvo (Rm9,27).

=8 Esperai-me, esperai-me, palavra do Senhor, †
no dia em que eu me levantar para dar meu testemunho,*
porque é minha decisão, reunir nações e reinos,
= a fim de derramar sobre eles meu furor †
e toda a indignação da minha cólera inflamada, *
pois o fogo do meu zelo consumirá a terra inteira.

=9 Então, eu haverei de dar aos povos lábios puros, †
para todos invocarem o nome do Senhor *
e o servirem, lado a lado, com igual dedicação.
10 De além dos rios da Etiópia virão os meus adoradores,*
os meus filhos espalhados me trarão seus sacrifícios.

11 Naquele dia, não terás de envergonhar-te de tuas obras,*
dos pecados cometidos, pelos quais tu me traíste,
= porque, então, eu tirarei do teu meio os teus soberbos †
e arrogantes fanfarrões; e não mais te orgulharás *
sobre este Monte santo, que é meu, diz o Senhor.

12 Em teu meio deixarei um povo humilde e modesto, *
que porá sua esperança no nome do Senhor.

= O resto de Israel não fará mais injustiça, †
13 nem mentiras falará; e não mais se haverá *
de encontrar em sua boca uma língua enganadora.

– Pois, serão apascentados e repouso encontrarão *
e não haverá ninguém que os possa perturbar.

Ant. Vinde, todos, adoremos quem da morte ressurgiu;
foi pela cruz que entrou no mundo a alegria, Aleluia!

Leitura do Evangelho de Jesus Cristo
segundo Lucas 24,1-12

Por que estais procurando entre os mortos aquele que está vivo?

1 No primeiro dia da semana, bem de madrugada, as mulheres foram ao túmulo de Jesus, levando os perfumes que haviam preparado. 2 Elas encontraram a pedra do túmulo removida. 3 Mas, ao entrar, não encontraram o corpo do Senhor Jesus 4 e ficaram sem saber o que estava acontecendo. Nisso, dois homens com roupas brilhantes pararam perto delas. 5 Tomadas de medo, elas olhavam para o chão, mas os dois homens disseram: “Por que estais procurando entre os mortos aquele que está vivo? 6 Ele não está aqui. Ressuscitou! Lembrai-vos do que ele vos falou, quando ainda estava na Galileia: 7 ‘O Filho do Homem deve ser entregue nas mãos dos pecadores, ser crucificado e ressuscitar ao terceiro dia’.” 8 Então as mulheres se lembraram das palavras de Jesus. 9 Voltaram do túmulo e anunciaram tudo isso aos Onze e a todos os outros. 10 Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago. Também as outras mulheres que estavam com elas contaram essas coisas aos apóstolos. 11 Mas eles acharam que tudo isso era desvario, e não acreditaram. 12 Pedro, no entanto, levantou-se e correu ao túmulo. Olhou para dentro e viu apenas os lençóis. Então voltou para casa, admirado como que havia acontecido.

HINO TE DEUM (A VÓS, Ó DEUS, LOUVAMOS)

A vós, ó Deus, louvamos,
a vós, Senhor, cantamos.
A vós, Eterno Pai,
adora toda a terra.

A vós cantam os anjos,
os céus e seus poderes:
Sois Santo, Santo, Santo,
Senhor, Deus do universo!

Proclamam céus e terra
a vossa imensa glória.
A vós celebra o coro
glorioso dos Apóstolos,

Vos louva dos Profetas
a nobre multidão
e o luminoso exército
dos vossos santos Mártires.

A vós por toda a terra
proclama a Santa Igreja,
ó Pai onipotente,
de imensa majestade,

e adora juntamente
o vosso Filho único,
Deus vivo e verdadeiro,
e ao vosso Santo Espírito.

Ó Cristo, Rei da glória,
do Pai eterno Filho,
nascestes duma Virgem,
a fim de nos salvar.

Sofrendo vós a morte,
da morte triunfastes
abrindo aos que têm fé
dos céus o reino eterno.

Sentastes à direita
de Deus, do Pai na glória.
Nós cremos que de nov
vireis como juiz.

Portanto, vos pedimos:
salvai os vossos servos,
que vós, Senhor, remistes
com sangue precioso.

Fazei-nos ser contados,
Senhor, vos suplicamos,
em meio a vossos santos
na vossa eterna glória.

(A parte que se segue pode ser omitida, se for oportuno).

Salvai o vosso povo.
Senhor, abençoai-o.
Regei-nos e guardai-nos
até a vida eterna.

Senhor, em cada dia,
fiéis, vos bendizemos,
louvamos vosso nome
agora e pelos séculos.

Dignai-vos, neste dia,
guardar-nos do pecado.
Senhor, tende piedade
de nós, que a vós clamamos.

Que desça sobre nós,
Senhor, a vossa graça,
porque em vós pusemos
a nossa confiança.

Fazei que eu, para sempre,
não seja envergonhado:
Em vós, Senhor, confio,
sois vós minha esperança!

Oração

Ó Deus, que o vosso povo sempre exulte pela sua renovação espiritual, para que, tendo recuperado agora com alegria a condição de filhos de Deus, espere com plena confiança o dia da ressurreição. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Categorias
Helber Clayton é leigo católico, servidor público, escritor, casado, formado em Letras, com licenciatura em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e respectivas literaturas, Especialista em Língua Latina e Filologia Românica.
Mora em Teixeira de Freitas na Bahia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *