Terça-feira da 19ª Semana do Tempo Comum




Ofício das Leituras


V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

I. Quando se diz o Ofício das Leituras durante a noite ou de madrugada:

Da luz do Pai nascido,
vós mesmo luz e aurora,
ouvi os que suplicam,
cantando noite afora.

Varrei as nossas trevas
e as hostes do inimigo:
o sono, em seus assaltos,
não ache em nós abrigo.

Ó Cristo, perdoai-nos,
pois Deus vos proclamamos.
Propício seja o canto
que agora iniciamos.

A glória seja ao Pai,
ao Filho seu também,
ao Espírito igualmente,
agora e sempre. Amém.

II. Quando se diz o Ofício das Leituras durante o dia:

Ó Trindade Sacrossanta,
ordenais o que fizestes.
Ao trabalho dais o dia,
ao descanso a noite destes.

De manhã, à tarde e à noite,
vossa glória celebramos.
Nesta glória conservai-nos
todo o tempo que vivamos.

Ante vós ajoelhamos
em humilde adoração.
Reuni as nossas preces
à celeste louvação.

Escutai-nos, Pai piedoso,
e vós, Filho de Deus Pai,
com o Espírito Paráclito,
pelos séculos reinais.

Salmodia

Ant. 1 Eis que Deus se põe de ,
e os inimigos se dispersam! †

Salmo 67(68)

Entrada triunfal do Senhor

Tendo subido às alturas, ele capturou prisioneiros e distribuiu dons aos homens (Ef 4,8).

I

2 Eis que Deus se põe de , e os inimigos se dispersam!*
† Fogem longe de sua face os que odeiam o Senhor!
=3 Como a fumaça se dissipa, assim também os dissipais, †
como a cera se derrete, ao contato com o fogo, *
assim pereçam os iníquos ante a face do Senhor!

4 Mas os justos se alegram na presença do Senhor *
rejubilam satisfeitos e exultam de alegria!
=5 Cantai a Deus, a Deus louvai, cantai um salmo a seu nome! †
Abri caminho para Aquele que avança no deserto; *
o seu nome é Senhor: exultai diante dele!

6 Dos órfãos ele é pai, e das viúvas protetor; *
é assim o nosso Deus em sua santa habitação.
=7 É o Senhor quem dá abrigo, dá um lar aos deserdados, †
quem liberta os prisioneiros e os sacia com fartura, *
mas abandona os rebeldes num deserto sempre estéril!

8 Quando saístes com o povo, caminhando à sua frente *
e atravessando o deserto, a terra toda estremeceu;
9 orvalhou o próprio céu ante a face do Senhor, *
e o Sinai também tremeu perante o Deus de Israel.

10 Derramastes lá do alto uma chuva generosa, *
e vossa terra, vossa herança, já cansada, renovastes;
11 e ali vosso rebanho encontrou sua morada; *
com carinho preparastes essa terra para o pobre.

Ant. Eis que Deus se põe de ,
e os inimigos se dispersam!

Ant. 2 Nosso Deus é um Deus que salva,
só o Senhor livra da morte.

II

12 O Senhor anunciou a boa-nova a seus eleitos, *
e uma grande multidão de nossas jovens a proclama:
13 “Muitos reis e seus exércitos fogem um após o outro, *
e a mais bela das mulheres distribui os seus despojos.

=14 Enquanto descansais entre a cerca dos apriscos, †
as asas de uma pomba como prata resplandecem, *
e suas penas têm o brilho de um ouro esverdeado.
15 O Senhor onipotente dispersou os poderosos, *
dissipou-os como a neve que se espalha no Salmon!”

16 Montanhas de Basã tão escarpadas e altaneiras *
ó montes elevados desta serra de Basã,
=17 por que tendes tanta inveja, ó montanhas sobranceiras, †
deste Monte que o Senhor escolheu para morar? *
Sim, é nele que o Senhor habita eternamente!

18 Os carros do Senhor contam milhares de milhares; *
do Sinai veio o Senhor, para morar no santuário.
=19 Vós subistes para o alto e levastes os cativos, †
os homens prisioneiros recebestes de presente, *
até mesmo os que não querem vão morar em vossa casa.

20 Bendito seja Deus, bendito seja cada dia, *
o Deus da nossa salvação, que carrega os nossos fardos!
21 Nosso Deus é um Deus que salva, é um Deus libertador;*
o Senhor, só o Senhor, nos pode livrar da morte!
22 Ele esmaga a cabeça dos que são seus inimigos, *
e os crânios contumazes dos que vivem no pecado.

23 Diz o Senhor: “Eu vou trazê-los prisioneiros de Basã, *
até do fundo dos abismos vou tra-los prisioneiros!
24 No sangue do inimigo o teu  vai mergulhar, *
e a língua de teus cães terá também a sua parte”.

Ant. Nosso Deus é um Deus que salva,
só o Senhor livra da morte.

Ant. 3 Reinos da terra, celebrai
o nosso Deus, cantai-lhe salmos!

III

25 Contemplamos, ó Senhor, vosso cortejo que desfila, *
é a entrada do meu Deus, do meu Rei, no santuário;
26 os cantores vão à frente, vão atrás os tocadores, *
e no meio vão as jovens a tocar seus tamborins.

27 “Bendizei o nosso Deus, em festivas assembléias! *
Bendizei nosso Senhor, descendentes de Israel!”
=28 Eis o jovem Benjamim que vai à frente deles todos; †
eis os chefes de Judá com as suas comitivas, *
os principais de Zabulon e os principais de Neftali.

29 Suscitai, ó Senhor Deus, suscitai vosso poder, *
confirmai este poder que por nós manifestastes,
30 a partir de vosso templo, que es em Jerusalém, *
para vós venham os reis e vos ofertem seus presentes!

=31 Ameaçai, ó nosso Deus, a fera brava dos caniços, †
a manada de novilhos e os touros das nações! *
Que vos rendam homenagem e vos tragam ouro e prata!
= Dispersai todos os povos que na guerra se comprazem!†
32 Venham príncipes do Egito, venham dele os poderosos,*
e levante a Etiópia suas mãos para o Senhor!

=33 Reinos da terra, celebrai o nosso Deus, cantai-lhe salmos! †
34 Ele viaja no seu carro sobre os céus dos céus eternos. *
Eis que eleva e faz ouvir a sua voz, voz poderosa.

35 Dai glória a Deus e exaltai o seu poder por sobre as nuvens. *
Sobre Israel, eis sua glória e sua grande majestade!
36 Em seu templo ele é admirável e a seu povo dá poder. *
Bendito seja o Senhor Deus, agora e sempre. Amém, amém!

Ant. Reinos da terra, celebrai
o nosso Deus, cantai-lhe salmos!

V. Quero ouvir o que o Senhor irá falar.
R. É a paz que ele vai anunciar.

Primeira leitura

Leitura do Profeta Miquéias             3,1-12

Por causa dos pecados dos príncipes,
Jerusalém será destruída
“Ouvi, príncipes de Jacó
e chefes da casa de Israel:
Acaso não cabe a vós conhecer o juízo de Deus?”
Mas vós tendes ódio ao bem e amais o mal.
Arrancais com violência a pele do povo
e a carne de sobre os seus ossos.
Os que comem a carne do meu povo
e lhe arrancam o couro;
os que lhe quebram os ossos
e o cortam como carne para o assado
ou para cozer na panela,
um dia hão de invocar o Senhor,
mas ele não os atenderá;
esconderá a sua face naquele tempo,
por causa do mal que praticaram.
5 Assim fala o Senhor contra os profetas
que seduzem o meu povo:
esses, quando têm o que pegar com os dentes,
dizem palavras de paz;
mas, se não lhes dão nada para a boca,
passam a agredir as pessoas.
Por isso, não tereis visões de noite
e o escuro não vos trará adivinhações;
para esses profetas virá o pôr-do-sol,
para eles o dia escurecerá.
Os videntes se confundirão,
e se confundirão os adivinhos,
todos eles fecharão a boca,
porque não há resposta de Deus.
8 Eu, em verdade, sinto em mim
a força do espírito do Senhor,
sua justiça e poder,
para denunciar a Jacó os seus crimes
e a Israel o seu pecado.
9 Ouvi isto, chefes da casa de Jacó
e juízes da casa de Israel,
vós que abominais a justiça
e distorceis tudo que é reto,
10 que edificais Sião com sangue
e Jerusalém com iniquidade.
11 Autoridades administram por propinas,
sacerdotes ensinam por salário,
profetas vaticinam por dinheiro;
e ousam apoiar-se no Senhor, dizendo:
“Acaso não está o Senhor no meio de nós?
Nenhuma desgraça cairá sobre nós”.
12 Por isso, por causa de vós,
Sião deverá ser arada como um campo,
Jerusalém será como um montão de pedras,
e as árvores da floresta cobrirão a colina do templo.

Responsório Sl 78(79),1; Dn 3,42.29a

R. Invadiram vossa herança os infiéis,
profanaram, ó Senhor, o vosso templo,
Jerusalém foi reduzida a ruínas.
* Não nos deixeis envergonhados, Senhor Deus,
conforme vosso imenso amor agi conosco.
V. Sim, pecamos, afastando-nos de vós. * Não nos deixeis.

Segunda leitura

Do Tratado sobre a Encarnação do Senhor, de Teodoreto de Ciro, bispo
(N.28:PG 75,1467-1470)      (Séc.V)

Por suas chagas fomos curados

Nosso remédio são os tormentos de nosso Salvador. O profeta no-lo ensina: Ele tomou sobre si nossos pecados e carregou nossas dores; nós, porém, o julgávamos castigado e ferido por Deus e humilhado. Ferido por nossos pecados, esmagado por nossos crimes; o castigo que nos valeu a paz caiu sobre ele; por suas chagas fomos curados. Todos, quais ovelhas, nos desgarramos; por isso como ovelha foi conduzido ao matadouro e, como cordeiro, calou-se diante do tosquiador (Is 53,4-7).  

Igual a um pastor, vendo dispersas as ovelhas, toma em mãos uma delas e a conduz às pastagens escolhidas; as outras, arrasta-as após si por este exemplo. Assim o Deus Verbo, ao ver errante o gênero humano, assumiu a forma de servo, unindo-a a si. E, por ela, atraiu a si toda a natureza humana e conduziu à divina pastagem aqueles que eram mal apascentados e presa dos lobos.  

Foi para isso que nosso Salvador assumiu nossa natureza. Para isso o Cristo Senhor aceitou a paixão salvadora, entregou-se à morte e foi sepultado, posto no sepulcro, para nos libertar da antiga tirania e dar a promessa da incorruptibilidade àqueles que estavam sujeitos à corrupção. Reedificando o templo destruído e ressuscitando dos mortos, mostrou até aos mortos e aos que esperavam sua ressurreição o cumprimento das verdadeiras e sólidas promessas.  

Na verdade, é como se Ele dissesse: “Do mesmo modo como a vossa natureza, assumida por mim, pela inabitação e união da divindade, alcançou a ressurreição e, livre da corrupção e dos sofrimentos, passou para a incorruptibilidade e a imortalidade, assim também vós sereis livres da dura escravidão da morte e, despidas a corrupção e suas perturbações, sereis revestidos de impassibilidade.”   

Por este motivo enviou pelos apóstolos a todo o gênero humano o dom do batismo. Ide, pois, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo (Mt 28,19). O batismo é imagem e figura da morte do Senhor. “Pois se estamos completamente unidos a Cristo, como diz Paulo, pela imagem da sua morte, também o estaremos pela imagem da sua ressurreição (Rm 6,5).

Responsório Jo 10,15b.18a; Jr 12,7

R. Eu dou minha vida por minhas ovelhas.
* Ninguém pode tirá-la, mas eu mesmo a entrego.
V. Deixarei a minha casa, rejeitei a minha herança;
minha vida muito amada coloquei livremente
na mão dos inimigos. * Ninguém.

Oração

Deus eterno e todo-poderoso, a quem ousamos chamar de Pai, dai-nos cada vez mais um coração de filhos, para alcançarmos um dia a herança prometida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.