Ofício das Leituras de Sábado da 30ª Semana do Tempo Comum

0 comentário

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

I. Quando se diz o Ofício das Leituras durante a noite ou de madrugada:

Luz eterna, luz potente,
dia cheio de esplendor,
vencedor da noite escura
e da luz restaurador,
luz que, as trevas destruindo,
enche as mentes de fulgor.

Ao nascerdes, nos chamais,
e acordamos pressurosos;
sem vós, somos miseráveis,
mas convosco, venturosos
e, por vós da morte livres,
nos tornamos luminosos.

Sobre a morte e sobre a noite
por vós somos vencedores.
Dai-nos, Rei, a vossa luz,
luz de esplêndidos fulgores.
Desta luz nem mesmo a noite
escurece os esplendores.

Honra seja ao Pai, a vós
e ao Espírito também,
Una e Trina Divindade,
paz e vida, luz e bem,
nome doce mais que todos,
Deus agora e sempre. Amém.

II. Quando se diz o Ofício das Leituras durante o dia:

Deus que não tendes princípio,
Deus procedente do Pai,
Deus, que dos dois sois o Amor,
vinde até nós, nos salvai!

Vós sois o nosso desejo,
sede amor e alegria;
vai para vós nosso anseio,
a vossa luz nos recria.

Com o Nascido da Virgem,
ó Pai, de todos Senhor,
regei dos seres o íntimo
por vosso Espírito de amor.

Lembrai-vos, Santa Trindade,
do amor com que nos amastes:
Criando o homem primeiro,
de novo em sangue o criastes.

O que o Deus uno criou,
Cristo na cruz redimiu.
Tendo por nós padecido,
guarde os que em sangue remiu.

A vós, ó Santa Trindade,
paz e alegria convêm,
poder, império e beleza,
honra e louvores. Amém.

Salmodia

Ant. 1 O Senhor, somente ele é que fez grandes maravilhas:
porque eterno é seu amor.

Salmo 135(136)

Hino pascal pelas maravilhas
do Deus criador e libertador

Anunciar as maravilhas de Deus é louvá-lo (Cassiodoro).

I

1 Demos graças ao Senhor, porque ele é bom: *
Porque eterno é seu amor!
2 Demos graças ao Senhor, Deus dos deuses: *
Porque eterno é seu amor!
3 Demos graças ao Senhor dos senhores: *
Porque eterno é seu amor!

4 Somente ele é que fez grandes maravilhas: *
Porque eterno é seu amor!
5 Ele criou o firmamento com saber: *
Porque eterno é seu amor!
6 Estendeu a terra firme sobre as águas: *
Porque eterno é seu amor!

7 Ele criou os luminares mais brilhantes: *
Porque eterno é seu amor!
8 Criou o sol para o dia presidir: *
Porque eterno é seu amor!
9 Criou a lua e as estrelas para a noite: *
Porque eterno é seu amor!

Ant. O Senhor, somente ele é que fez grandes maravilhas:
porque eterno é seu amor.

Ant. 2 Tirou do meio deles Israel
com mão forte e com braço estendido.

II

10 Ele feriu os primonitos do Egito *
Porque eterno é seu amor!
11 E tirou do meio deles Israel: *
Porque eterno é seu amor!
12 Com mão forte e com braço estendido: *
Porque eterno é seu amor!

13 Ele cortou o mar Vermelho em duas partes: *
Porque eterno é o seu amor!
14 Fez passar no meio dele Israel: *
Porque eterno é o seu amor!
15 E afogou o Faraó com suas tropas: *
Porque eterno é seu amor!

Ant. Tirou do meio deles Israel
com mão forte e com braço estendido.

Ant. 3 Demos graças ao Senhor, o Deus dos céus,
pois ele nos salvou dos inimigos.

III

16 Ele guiou pelo deserto o seu povo: *
Porque eterno é seu amor!
17 E feriu por causa dele grandes reis: *
Porque eterno é seu amor!
18 Reis poderosos fez morrer por causa dele: *
Porque eterno é seu amor!

19 A Seon que fora rei dos amorreus: *
Porque eterno é seu amor!
20 E a Og, o soberano de Basã: *
Porque eterno é seu amor!

21 Repartiu a terra deles como herança: *
Porque eterno é seu amor!
22 Como herança a Israel, seu servidor: *
Porque eterno é seu amor!
23 De nós, seu povo, humilhado, recordou-se: *
Porque eterno é seu amor!

24 De nossos inimigos libertou-nos: *
Porque eterno é seu amor!
25 A todo ser vivente ele alimenta: *
Porque eterno é seu amor!
26 Demos graças ao Senhor, o Deus dos céus: *
Porque eterno é seu amor!

Ant. Demos graças ao Senhor, o Deus dos céus,
pois ele nos salvou dos inimigos.

V. Mostrai-nos, ó Senhor, vossos caminhos.

R. E fazei conhecer a vossa estrada!

Primeira leitura

Do Livro da Sabedoria 11,20b―12,2.11b-19

A misericórdia e a paciência de Deus

1,20b Tudo dispuseste com medida, número e peso.

21 Teu grande poder está sempre ao teu serviço,

e quem pode resistir à força de teu braço?

22 O mundo inteiro, diante de ti,

é como um grão de areia na balança,

uma gota de orvalho da manhã que cai sobre a terra.

23 Entretanto, de todos tens compaixão,

porque tudo podes.

Fechas os olhos aos pecados dos homens,

para que se arrependam.

24 Sim, amas tudo o que existe,

e não desprezas nada do que fizeste;

porque, se odiasses alguma coisa,

não a terias criado.

25 Da mesma forma,

como poderia alguma coisa existir,

se não a tivesses querido?

Ou como poderia ser mantida,

se por ti não fosse chamada?

26 A todos, porém, tu tratas com bondade,

porque tudo é teu, Senhor, amigo da vida,

12,1 O teu espírito incorruptível está em todas as coisas!

2 É por isso que corriges com carinho os que caem

e os repreendes, lembrando-lhes seus pecados,

para que se afastem do mal

e creiam em ti, Senhor.

11b Se tu lhes perdoaste as faltas,

não foi porque tiveste medo de alguém,

12 pois quem pode dizer-te: ‘Que fizeste?’

Ou quem ousaria opor-se à tua sentença?

Quem te acusaria por destruíres as nações que fizeste?

Quem viria apresentar-se contra ti

para defender homens injustos?

13 Não há, além de ti, outro Deus

que cuide de todas as coisas

e a quem devas mostrar

que teu julgamento não foi injusto.

14 Não há rei nem soberano que possa desafiar-te

por causa daqueles a quem castigaste.

15 Porque tu és justo, tudo governas com justiça;

e consideras incompatível com o teu poder

condenar a quem não merece castigo.

16 A tua força é princípio da tua justiça,

e o teu domínio sobre todos

te faz para com todos indulgente.

17 Mostras a tua força

a quem não crê na perfeição do teu poder;

e nos que te conhecem,

castigas o seu atrevimento.

18 No entanto, dominando tua própria força,

julgas com clemência

e nos governas com grande consideração:

pois quando quiseres, está ao teu alcance

fazer uso do teu poder.

19 Assim procedendo, ensinaste ao teu povo

que o justo deve ser humano;

e a teus filhos deste a confortadora esperança

de que concedes o perdão aos pecadores.

Responsório Cf. Sb 11,23.24.28; Eclo 36,1

R. Vós, Senhor, tendes pena de todos os seres
e nada odiais do que vós fizestes,
os olhos fechando aos pecados dos homens,
e assim os poupais, quando voltam a vós,
* Porque sois nosso Deus, sois o nosso Senhor.
V. Compadecei-vos de nós, ó Deus do universo,
e mostrai-nos a luz do vosso perdão. * Porque sois.

Segunda leitura

Do Diálogo sobre a Providência divina, de Santa Catarina de Sena, virgem

(Cap. 134, ed. latina, Ingolstadii 1583, ffº 215v-216)        (Séc.XIV)

Como é bom e suave teu espírito, Senhor, em todas as coisas!

Com a indizível benignidade de sua clemência, o Pai eterno dirigiu o olhar para esta alma, e começou a falar:

“Caríssima filha, determinei com firmeza usar de misericórdia para com o mundo e quero providenciar acerca de todas as situações dos homens. Mas o homem ignorante julga levar à morte aquilo que lhe concedo para a vida, e assim se torna muito cruel, para si próprio; no entanto, dele eu cuido sempre. Por isso quero que saibas: tudo quanto dou ao homem provém da suprema providência.

E o motivo está em que, tendo criado com providência, olhei em mim mesmo e fiquei cativo da beleza de minha criatura. Porque foi de meu agrado criá-la com grande providência à minha imagem e semelhança. Mais ainda, dei-lhe a memória para guardar meus benefícios em seu favor, por querer que participasse de meu poder de Pai eterno.

Dei-lhe, além disto, a inteligência para conhecer e compreender na sabedoria de meu Filho a minha vontade, porque sou com ardente caridade paterna o máximo doador de todas as graças. Concedi-lhe também a vontade de amar, participando da clemência do Espírito Santo, para poder amar aquilo que a inteligência vise e conhecesse.

Isto fez minha doce providência. Ser o único capaz de entender e de encontrar seu gozo em mim com alegria imensa na minha eterna visão. E como de outras vezes te falei, pela desobediência de vosso primeiro pai Adão, o céu estava fechado. Desta desobediência decorreram depois todos os males no mundo inteiro.

Para fazer desaparecer do homem a morte de sua desobediência, em minha clemência providenciei, entregando-vos meu Filho unigênito com grande sabedoria, para que assim reparasse vosso dano. Impus-lhe uma grande obediência, a fim de que o gênero humano se livrasse do veneno que se difundira no mundo pela desobediência de vosso primeiro pai. Assim, como que cativo de amor e com verdadeira obediência, correu com toda a rapidez, correu à ignominiosa morte sacratíssima, deu-vos a vida, não pelo vigor de sua humanidade, mas da divindade”.

Responsório Sl 16(17),8.7

R. Protegei-me qual dos olhos a pupila,
* E guardai-me à proteção de vossas asas.
V. Mostrai-me vosso amor maravilhoso,
vós que salvais os que em vós se refugiam.
* E guardai-me.

Oração

Deus eterno e todo-poderoso, aumentai em nós a fé, a esperança e a caridade e dai-nos amar o que ordenais para conseguirmos o que prometeis. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *