Ofício das Leituras de Quarta-feira da 28ª Semana do Tempo Comum

0 comentário

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

I. Quando se diz o Ofício das Leituras durante a noite ou de madrugada:

Autor dos seres, Redentor dos tempos,
Juiz temível, Cristo, Rei dos reis,
nosso louvor, o nosso canto e prece,
clemente, acolhei.

Sobe até vós no transcorrer da noite,
como oferenda, um jovial louvor.
Por vós aceito, traga a nós conforto,
da luz, ó Autor.

A honestidade alegre os nossos dias,
não haja morte e treva em nossa vida.
Em nossos atos, sempre a vossa glória
seja refletida!

Queimai em nós o coração e os rins
com a divina chama, o vosso amor.
Velemos, tendo em mãos acesas lâmpadas,
pois vem o Senhor.

Ó Salvador, a vós louvor e glória,
e a vosso Pai, Deus vivo, Sumo Bem.
Ao Santo Espírito o céu entoe hosanas
para sempre. Amém.

II. Quando se diz o Ofício das Leituras durante o dia:

Luz verdadeira, amor, piedade,
e alegria sem medida;
da morte, ó Cristo, nos salvastes!
Por vosso sangue temos vida.

O vosso amor nos corações,
nós vos pedimos, derramai;
dai-lhes da fé a luz eterna
e em caridade os confirmai.

De nós se afaste Satanás,
por vossas forças esmagado.
E venha a nós o Santo Espírito
do vosso trono o Enviado.

Louvor a Deus, eterno Pai,
e a vós seu Filho, Sumo Bem,
reinando unidos pelo Espírito
hoje e nos séculos. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Bendize, ó minha alma, ao Senhor,
não te esqueças de nenhum de seus favores!

Salmo 102(103)

Hino à misericórdia do Senhor

Graças à misericordiosa compaixão do nosso Deus, o sol que nasce do alto nos veio visitar (cf. Lc 1,78).

I

1 Bendize, ó minha alma, ao Senhor, *
todo o meu ser, seu santo nome!
2 Bendize, ó minha alma, ao Senhor, *
não te esqueças de nenhum de seus favores!

3 Pois ele te perdoa toda culpa, *
cura toda a tua enfermidade;
4 da sepultura ele salva a tua vida *
e te cerca de carinho e compaixão;
5 de bens ele sacia tua vida, *
e te tornas sempre jovem como a águia!

6 O Senhor realiza obras de justiça *
e garante o direito aos oprimidos;
7 revelou os seus caminhos a Moisés, *
e aos filhos de Israel, seus grandes feitos.

Ant. Bendize, ó minha alma, ao Senhor,
não te esqueças de nenhum de seus favores!

Ant. 2 Como um pai se compadece de seus filhos,
o Senhor tem compaixão dos que o temem.

II

8 O Senhor é indulgente, é favovel, *
é paciente, é bondoso e compassivo.
9 Não fica sempre repetindo as suas queixas, *
nem guarda eternamente o seu rancor.
10 Não nos trata como exigem nossas faltas, *
nem nos pune em proporção às nossas culpas.

11 Quanto os céus por sobre a terra se elevam, *
tanto é grande o seu amor aos que o temem;
12 quanto dista o nascente do poente, *
tanto afasta para longe nossos crimes.
13 Como um pai se compadece de seus filhos, *
o Senhor tem compaixão dos que o temem.

14 Porque sabe de que barro somos feitos, *
e se lembra que apenas somos pó.
15 Os dias do homem se parecem com a erva, *
ela floresce como a flor dos verdes campos;
16 mas apenas sopra o vento ela se esvai, *
já nem sabemos onde era o seu lugar.

Ant. Como um pai se compadece de seus filhos,
o Senhor tem compaixão dos que o temem.

Ant. 3 Obras todas do Senhor, glorificai-o!

III

17 Mas o amor do Senhor Deus por quem o teme *
é de sempre e perdura para sempre;
– e também sua justiça se estende *
por gerações até os filhos de seus filhos,
18 aos que guardam fielmente sua Aliança *
e se lembram de cumprir os seus preceitos.

19 O Senhor pôs o seu trono lá nos céus, *
e abrange o mundo inteiro seu reinado.
=20 Bendizei ao Senhor Deus, seus anjos todos, †
valorosos que cumpris as suas ordens, *
sempre prontos para ouvir a sua voz!

21 Bendizei ao Senhor Deus, os seus poderes, *
seus ministros, que fazeis sua vontade!
=22 Bendizei-o, obras todas do Senhor †
em toda parte onde se estende o seu reinado! *
Bendize, ó minha alma, ao Senhor!

Ant. Obras todas do Senhor, glorificai-o!

V. Fazei-me conhecer vossos caminhos.
R. E então meditarei vossos progios!

Primeira leitura

Do Livro do Profeta Zacarias             3,1—4,14

Promessas feitas ao príncipe Zorobabel
e ao sumo-sacerdote Josué

3,1 “Depois, mostrou-me Josué, grão-sacerdote, em pé diante do anjo do Senhor; Satã estava à sua direita para acusá-lo. 

E o anjo do Senhor disse a Satã: ‘Que o Senhor te repreenda, Satã! O Senhor, que escolheu Jerusalém, te repreenda! Acaso não é este homem como um tição retirado do fogo?’ 3Josué tinha as roupas sujas e estava em pé diante do anjo. 4Este dirigiu-se aos que estavam à sua frente, dizendo: ‘Tirai-lhe essas roupas sujas’. A ele disse: ‘Vê como te livrei desta afronta; vou-te vestir com uma muda de roupa nova’. 5E continuou: ‘Colocai um turbante limpo sobre a sua cabeça’. Puseram um turbante limpo sobre a cabeça e fizeram-no mudar de roupa; o anjo do Senhor permanecia de pé.  

O anjo do Senhor dava testemunho, dizendo a Josué: 7‘Assim fala o Senhor dos exércitos: Se andares pelos meus caminhos e executares o meu serviço, serás também juiz em minha casa e o guarda dos meus aposentos; eu te darei acesso junto aos que aqui assistem. 

Josué, grão-sacerdote, tu e os amigos que se sentam à tua frente, e que são homens capazes de predição, escutai: Vede que eu farei vir o meu servo, um novo rebento. 9Aqui está a pedra que pus diante de Josué: há sete olhos em cima de uma única pedra; vede que eu esculpirei sobre ela, diz o Senhor dos exércitos; e num só dia hei de limpar as mazelas dessa terra. 10Naquele dia – oráculo do Senhor dos exércitos – um amigo convidará o outro para debaixo da videira e da figueira’. 

4,1 Voltou o anjo que falava comigo e fui despertado por ele, como de um sono. 2Disse-me ele: ‘O que estás vendo?’ Respondi: ‘Vejo um candelabro todo de ouro, tendo na parte superior um recipiente e sete lâmpadas de azeite com sete condutos para as lâmpadas. 3Há duas oliveiras por cima dele, uma à direita do recipiente e outra à esquerda’. 

Voltei a falar com o anjo que estava comigo, dizendo: ‘O que são estas coisas, Senhor meu?’ 5O anjo que falava comigo atendeu e disse: ‘Então não sabes o que são?’ Disse eu: ‘Não, meu Senhor’.  

Respondeu-me, dizendo: ‘Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel: Não contarás com armas nem com a força, mas com o meu espírito, diz o Senhor dos exércitos. 7Perante Zorobabel, que és tu, ó grande monte? Vais tornar-te planície. Ele porá a pedra principal em meio a gritos de alegria: Oh como é bela! 8Veio a mim a palavra do Senhor que dizia: 9As mãos de Zorobabel puseram os alicerces desta casa e suas mãos farão o acabamento, e sabereis que o Senhor dos exércitos me enviou a vós. 10Quem desprezou os dias dos pequenos inícios? Todos se alegrarão, ao verem a pedra escolhida nas mãos de Zorobabel. As sete lâmpadas são os olhos do Senhor que percorrem toda a terra’.  

11 Voltei a falar e disse-lhe: ‘O que são essas duas oliveiras à direita e à esquerda do candelabro?’ 12Insisti, pela segunda vez, dizendo: ‘O que são os dois ramos de oliveira que em dois tubos dourados deixam escorrer o óleo dourado?’ 13Ele me disse: ‘Então não sabes o que são?’ Respondi: ‘Não, meu Senhor’. 14Disse ele: ‘Estes são os dois ungidos com óleo que ladeiam o Dominador da terra’”.

Responsório Ap 11,4. cf. 3

R. São eles as duas oliveiras,
são eles os dois candelabros,
* Perante o Senhor desta terra.
V. O Senhor do universo deixará,
que suas duas testemunhas profetizem.
* Perante.

Segunda leitura

Das Respostas a Talássio, de São Máximo Confessor, abade

 (Quaest. 63: PG90, 667-670)         (Séc.VII)

A luz que ilumina todo ser humano

A lâmpada posta sobre o candelabro é a paterna e verdadeira luz que ilumina todo ser humano que vem ao mundo (cf. Jo 1,9), nosso Senhor Jesus Cristo. Por ser um de nós e ter assumido nossa carne, tornou-se e foi chamado lâmpada. Isto é, a sabedoria e a palavra do Pai por natureza, que na Igreja de Deus é pregada com fé pura e, pela vida orientada pela virtude e observância dos mandamentos, é erguida e resplandece entre as nações. Ilumina a todos que estão em casa (a saber, neste mundo), conforme a mesma Palavra de Deus em certo trecho: Ninguém acende uma lâmpada e a põe sob uma vasilha, mas sobre o candelabro. E iluminará a todos que estão em casa (Mt 5,15), dando a si mesmo claramente o nome de lâmpada, porquanto, sendo Deus por natureza, fez-se homem segundo o desígnio divino.  

Parece-me que também o grande Davi, compreendendo isto, diz ser o Senhor uma lâmpada, ao dizer: Lâmpada para meus pés, a tua lei é luz para meus caminhos (Sl 118,105). Meu Salvador e Deus é tão luminoso que dissipa as trevas da ignorância e do vício. Também por isto a Escritura o designa como lâmpada.  

Na verdade só ele, qual lâmpada, desfaz a escuridão da ignorância, repele o negrume da maldade e do vício. Por este motivo fez-se o caminho de salvação para todos. Pelo poder e a ciência conduz ao Pai aqueles que estão resolvidos a nele caminhar, como pela via da justiça, nos divinos mandamentos. Por candelabro entende-se a santa Igreja, onde a palavra de Deus refulge pela pregação diante de todos quantos habitam neste mundo como em uma casa, ilumina com o esplendor da verdade e os espíritos ficam repletos da ciência divina.  

A palavra não se sujeita a ser posta sob uma vasilha, ela que se destina a ser colocada no mais alto cume e na imensa beleza da Igreja. Enquanto a palavra se acha presa à letra da lei, como sob uma vasilha, todos se privam da luz eterna. Não seria fonte de contemplação espiritual para aqueles que procuram libertar-se da sedução enganadora dos sentidos que nos inclinam a captar somente as coisas passageiras e materiais. Mas é colocada no candelabro da Igreja, a fim de iluminar a todos pela adoração em espírito e verdade.  

Se a letra não é interpretada segundo o seu espírito, não tem senão o valor material de sua expressão, e não permite que a alma chegue a compreender o sentido do que está escrito.  

Por conseguinte, tendo acendido a lâmpada (quer dizer, o sentido que acende a luz da ciência) pelo ato da contemplação e da ação, não a ponhamos sob uma vasilha. E também não sejamos acusados de falta por comprimir na letra o indizível poder da sabedoria.Mas sim sobre o candelabro (a santa Igreja) para que,do alto vértice da verdadeira contemplação, estenda a todos o facho da divina doutrina.

Responsório Jo 12,35b.36; 9,39a

R. Caminhai, enquanto tendes a luz,
para que as trevas não vos cubram, diz Cristo.
* Crede na luz, enquanto tendes a luz,
a fim de serdes filhos da luz.
V. Para que veja todo aquele que não vê,
é para isto que eu vim a este mundo. * Crede.

Oração

Ó Deus, sempre nos preceda e acompanhe a vossa graça para que estejamos sempre atentos ao bem que devemos fazer. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *