Ofício das Leituras de Quarta-feira da 11ª Semana do Tempo Comum

0 comentário

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.


V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

I. Quando se diz o Ofício das Leituras durante a noite ou de madrugada:

Criastes céu e terra,
a vós tudo obedece;
livrai a nossa mente
do sono que entorpece.

As culpas perdoai,
Senhor, vos suplicamos;
de pé, para louvar-vos,
o dia antecipamos.

À noite as mãos e as almas
erguemos para o templo:
mandou-nos o Profeta,
deixou-nos Paulo o exemplo.

As faltas conheceis
e até as que ocultamos;
a todas perdoai,
ansiosos suplicamos.

A glória seja ao Pai,
ao Filho seu também,
ao Espírito igualmente,
agora e sempre. Amém.

II. Quando se diz o Ofício das Leituras durante o dia:

A vós, honra e glória,
Senhor do saber,
que vedes o íntimo
profundo do ser,
e em fontes de graça
nos dais de beber.

As boas ovelhas
guardando, pastor,
buscais a perdida
nos montes da dor,
unindo-as nos prados
floridos do amor.

A ira do Rei
no dia final
não junte aos cabritos
o pobre mortal.
Juntai-o às ovelhas
no prado eternal.

A vós, Redentor,
Senhor, Sumo Bem,
louvores, vitória
e glória convém,
porque reinais sempre
nos séculos. Amém.

Salmodia

Ant. 1 O amor e a verdade vão andando à vossa frente.

Salmo 88(89),2-38

As misericórdias do Senhor
com a descendência de Davi

Conforme prometera, da descendência de Davi, Deus fez surgir um Salvador, que é Jesus (At 13,22.23).

I

2 Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor, *
de geração em geração eu cantarei vossa verdade!
3 Porque dissestes: “O amor é garantido para sempre!” *
E a vossa lealdade é tão firme como os céus.

4 “Eu firmei uma Aliança com meu servo, meu eleito, *
e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor:
5 Para sempre, no teu trono, firmarei tua linhagem, *
de geração em geração garantirei o teu reinado!”

6 Anuncia o firmamento vossas grandes maravilhas, *
e o vosso amor fiel, a assembléia dos eleitos,
7 pois, quem pode, lá nas nuvens, ao Senhor se comparar*
e quem pode, entre seus anjos, ser a ele semelhante?

8 Ele é o Deus temível no conselho dos seus santos, *
ele é grande, ele é terrível para quantos o rodeiam.
9 Senhor Deus do universo, quem se igual a vós? *
Ó Senhor, sois poderoso, irradiais fidelidade!

10 Dominais sobre o orgulho do oceano furioso, *
quando as ondas se levantam, dominando as acalmais.
11 Vós feristes a Raab e o deixastes como morto, *
vosso braço poderoso dispersou os inimigos.

12 É a vós que os céus pertencem, e a terra é também vossa!*
Vós fundastes o universo e tudo aquilo que contém.
13 Vós criastes no princípio tanto o norte como o sul; *
o Tabor e o Hermon em vosso nome rejubilam.

14 Vosso braço glorioso se revela com poder! *
Poderosa é vossa mão, é sublime a vossa destra!
15 Vosso trono se baseia na justiça e no direito, *
vão andando à vossa frente o amor e a verdade.

16 Quão feliz é aquele povo que conhece a alegria; *
segui pelo caminho, sempre à luz de vossa face!
17 Exulta de alegria em vosso nome dia a dia, *
e com grande entusiasmo exalta vossa justiça.

18 Pois sois vós, ó Senhor Deus, a sua força e sua glória, *
é por vossa proteção que exaltais nossa cabeça.
19 Do Senhor é o nosso escudo, ele é nossa proteção, *
ele reina sobre nós, é o Santo de Israel!

Ant. O amor e a verdade vão andando à vossa frente.

Ant. 2 O Filho de Deus se fez homem
e nasceu da falia de Davi.

II

=20 Outrora vós falastes em visões a vossos santos: †
“Coloquei uma coroa na cabeça de um herói *
e do meio deste povo escolhi o meu Eleito.

21 Encontrei e escolhi a Davi, meu servidor, *
e o ungi, para ser rei, com meu óleo consagrado.
22 Esta sempre com ele minha mão onipotente, *
e meu braço poderoso há de ser a sua força.

23 Não se surpreendido pela força do inimigo, *
nem o filho da maldade pode prejudicá-lo.
24 Diante dele esmagarei seus inimigos e agressores, *
ferirei e abaterei todos aqueles que o odeiam.

25 Minha verdade e meu amor estarão sempre com ele, *
sua força e seu poder por meu nome crescerão.
26 Eu farei que ele estenda sua mão por sobre os mares, *
e a sua mão direita estenderei por sobre os rios.

27 Ele, então, me invocará: ‘Ó Senhor, vós sois meu Pai, *
sois meu Deus, sois meu Rochedo onde encontro a salvação!’
28 E por isso farei dele o meu filho primogênito, *
sobre os reis de toda a terra farei dele o Rei altíssimo.

29 Guardarei eternamente para ele a minha graça *
e com ele firmarei minha Aliança indissolúvel.
30 Pelos culos sem fim conservarei sua descendência, *
e o seu trono, tanto tempo quanto os céus, há de durar”.

Ant. Filho de Deus se fez homem
e nasceu da falia de Davi.

Ant. 3 Eu jurei uma só vez a Davi, meu servidor:
Eis que a tua descendência dura eternamente.

III

31 “Se seus filhos, porventura, abandonarem minha lei *
e deixarem de andar pelos caminhos da Aliança;
32 se, pecando, violarem minhas justas prescrições *
e se não obedecerem aos meus santos mandamentos:

33 eu, então, castigarei os seus crimes com a vara, *
com açoites e flagelos punirei as suas culpas.
34 Mas não hei de retirar-lhes minha graça e meu favor *
e nem hei de renegar o juramento que lhes fiz.

35 Eu jamais violarei a Aliança que firmei, *
e jamais hei de mudar o que meus bios proferiram!
36 Eu jurei uma só vez por minha própria santidade, *
e portanto, com certeza, a Davi não mentirei!

37 Eis que a sua descendência dura eternamente *
e seu trono ficará à minha frente como o sol;
38 como a lua que perdura sempre firme pelos séculos, *
e no alto firmamento é testemunha verdadeira”.

Ant. Eu jurei uma só vez a Davi, meu servidor:
Eis que a tua descendência dura eternamente.

V. Vossa palavra, ao revelar-se, me ilumina.
R. Ela  sabedoria aos pequeninos.

Primeira leitura

Do Livro dos Juízes                 6,33−7,8.16-22

Gedeão vence com um minúsculo exército

            Naqueles dias: 6,33 Entretanto, todos os madianitas, os amalecitas e os povos orientais coligaram-se e, atravessando o rio Jordão, acamparam no vale de Jezrael. 34O espírito do Senhor apoderou-se de Gedeão, e ele tocou a trombeta e convocou a casa de Abiezer para que o seguisse. 35E enviou mensageiros por toda a tribo de Manassés, que também o seguiu. Do mesmo modo enviou mensageiros às tribos de Aser, Zabulon e Neftali, que foram juntar-se a ele.

            36E Gedeão disse a Deus: “Se realmente vais salvar Israel por minha mão, como prometeste, 37vou estender este manto de lã na eira. Se o orvalho cair sobre a lã e o resto do solo ficar seco, reconhecerei nisto que salvarás Israel por minha mão, como prometeste”. 38E assim aconteceu. Levantando-se de noite, espremeu o manto e encheu uma concha de água. 39Gedeão tornou a dizer a Deus: “Não se inflame a tua cólera contra mim, se eu ainda fizer outra prova, pedindo um sinal no manto. Peço que só o manto fique seco, e toda a terra molhada de orvalho”. 40E naquela noite o Senhor fez o que Gedeão lhe tinha pedido: só o manto ficou enxuto, enquanto havia orvalho em toda a terra.

            7,1 Levantando-se bem cedo Jerobaal, isto é, Gedeão, e toda a tropa foram acampar junto à fonte de Harad. O acampamento de Madiã ficava ao norte, do lado da colina de Moré, no vale.

            2O Senhor disse a Gedeão: “Levas gente demais contigo para que eu entregue Madiã em suas mãos. Israel poderia gloriar-se às minhas custas, dizendo: ‘Foi minha mão que me salvou’. 3Portanto, dá este aviso a todo mundo: ‘Quem estiver com medo e tremendo, que se retire’” Tendo-os Gedeão submetido à prova, vinte e dois mil homens da tropa voltaram e dez mil ficaram.

            4E o Senhor tornou a falar a Gedeão: “Há ainda gente demais. Faze-os descer até à água. Lá os selecionarei para ti. Quando eu te disser ‘este vai contigo’, ele irá”. 5Gedeão fez o povo descer até à água. E o Senhor lhe disse: “Quem lamber a água como o cão faz com a língua, põe-no de um lado; e quem se ajoelhar para beber, põe-no do outro lado”. 6Os que lamberam a água, levando à boca com as mãos, foram trezentos. Todo o resto do povo ajoelhou-se para beber água. 7O Senhor disse a Gedeão: “Com os trezentos homens que lamberam a água eu vos salvarei, entregando os madianitas em tuas mãos. E todo o resto do povo, vá cada um para casa”. 8Gedeão, tomando provisões e trombetas na proporção dos homens escolhidos, ordenou que o restante dos israelitas se retirassepara as suas tendas, e reteve consigo os trezentos homens para o combate. Ora, o acampamento dos madianitas estava abaixo deles, no vale.

            16Então Gedeão dividiu os trezentos homens em três batalhões e entregou a todos trombetas e cântaros vazios, com uma tocha acesa dentro. 17E disse-lhes: “Fazei o mesmo que me virdes fazer. Vou entrar pelo lado mais avançado do acampamento, e imitai o que eu vou fazer. 18Quando eu tocar a trombeta que tenho na mão,e comigo os do meu grupo, tocai também as vossas trombetas ao redor do acampamento, e gritai todos juntos: ‘Pelo Senhor e por Gedeão!’”.

            19E Gedeão, com os cem homens que o acompanhavam, entrou pelo lado mais avançado do acampamento, no início do turno de guarda da meia-noite, no momento em que se fazia a troca das sentinelas. E começaram a tocar as trombetas e a quebrar os cântaros, que levavam na mão. 20Então os três grupos tocaram as trombetas e quebraram os cântaros. Segurando as tochas com a mão direita e as trombetas com a esquerda, tocavam e gritavam: “Pelo Senhor e por Gedeão!” 21E cada um conservou-se em seu posto ao redor do acampamento. Imediatamente, todo o acampamento dos madianitas se pôs em desordem, e, dando grandes gritos, eles fugiram, 22enquanto os trezentos homens continuavam tocando as trombetas. E o Senhor fez com que, em todo o acampamento, voltassem a espada uns contra os outros e debandassem até Bet-Seta, na direção de Sartã, até ao limite de Abel-Meula, perto de Tebat.

Responsório 1Cor 1,27b-29; Lc 1,52

R. Deus escolheu o que é fraco para o mundo,
a fim de confundir o que é forte;
escolheu o que há de vil e desprezível,
escolheu perante o mundo o que não é,
a fim de destruir aquilo que é,
* E assim, ninguém se vanglorie diante dele.
V. Derruba os poderosos de seus tronos
e eleva os humildes. * E assim.

Segunda leitura

Do Tratado sobre a Oração do Senhor, de São Cipriano, bispo e mártir

(Nn.13-15: CSEL 3,275-278)            (Séc.III)

Venha a nós o vosso reino.
Seja feita a vossa vontade

            A oração continua. Venha a nós o vosso reino. Pedimos que o reino de Deus se torne presente a nós, da mesma forma que solicitamos seja em nós santificado o seu nome. Porque, quando é que Deus não reina? Ou quando para ele começou o reino que sempre existiu e nunca deixará de ser? Pedimos a vinda de nosso reino, prometido por Deus e adquirido pelo sangue e paixão de Cristo, a fim de que nós que fomos, outrora, escravos do mundo, reinemos depois, conforme ele nos anunciou, pelo Cristo glorioso, ao dizer: Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do reino que vos está preparado desde a origem do mundo.

            Pode-se igualmente, irmãos diletíssimos, entender que o próprio Cristo é o reino de Deus, cuja vinda pedimos todos os dias. Estamos ansiosos por ver esta vinda o mais depressa possível. Sendo ele a ressurreição, pois nele ressurgimos, assim também se pode pensar que ele é o reino de Deus, pois nele reinaremos. Pedimos, é claro, o reino de Deus, o reino celeste, já que há um reino terrestre. Mas quem já renunciou ao mundo está acima desse reino terrestre e de suas honrarias.

            Acrescentamos ainda: Seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. Não para que Deus faça o que quer, mas para que possamos fazer o que Deus quer.

            Pois quem impedirá a Deus de fazer tudo quanto quiser? Mas porque o diabo se opõe a que nossa vontade e ações em tudo obedeçam a Deus, oramos e pedimos que se faça em nós a vontade de Deus. Que se faça em nós é obra da vontade de Deus, isto é, resultado de seu auxílio e proteção, porque ninguém é forte por suas próprias forças. Com efeito, é a indulgência e a misericórdia de Deus que o protegem. Finalmente, manifestando a fraqueza de homem, diz o Senhor: Pai, se possível, afaste-se de mim este cálice e, dando aos discípulos o exemplo de renunciar à própria vontade e de aceitar a de Deus, acrescentou: Contudo não o que eu quero, mas o que tu queres.

            A vida humilde, a fidelidade inabalável, a modéstia nas palavras, a justiça nas ações, a misericórdia nas obras, a disciplina nos costumes; o não fazer injúrias; o tolerar as recebidas; o manter a paz com os irmãos; o amar a Deus de todo o coração; o amá-lo por ser Pai; o temê-lo por ser Deus; o nada absolutamente antepor a Cristo,pois também ele não antepôs coisa alguma a nós; o aderir inseparavelmente à sua caridade; o estar ao pé de sua cruz com coragem e confiança, quando se tratar de luta por seu nome e sua honra, o mostrar firmeza ao confessá-lo por palavras, e, no interrogatório, o manter a confiança naquele por quem combatemos, e, na morte, o conservar a paciência que nos coroará, tudo isto é querer ser co-herdeiro de Cristo, é cumprir o preceito de Deus, é realizar a vontade do Pai.

Responsório Mt 7,21b; Mc 3,35

R. Aquele que faz a vontade
de meu Pai que está lá nos céus,
* No reino dos céus entrará.
V. Quem faz a vontade de meu pai,
é meu irmão, minha irmã e minha mãe. * No reino.

Oração

Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo, e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *