Ofício das Leituras da Memória de São Boaventura, bispo e doutor da Igreja

0 comentário

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino


Cristo Pastor, modelo dos pastores,
comemorando a festa deste Santo,
a multidão fiel e jubilosa,
vosso louvor celebra neste canto.

O vosso Espírito ungiu o forte atleta
pelo dom íntimo duma unção de amor;
tornando-o apto para a dura luta,
do povo santo o fez fiel pastor.

Do seu rebanho foi pastor e exemplo,
ao pobre alívio e para os cegos luz,
pai carinhoso, tudo para todos,
seguindo em tudo o Bom Pastor Jesus.

Cristo, que aos santos dais nos céus o prêmio,
com vossa glória os coroando assim,
dai-nos seguir os passos deste mestre
e ter um dia um semelhante fim.

Justo louvor ao Sumo Pai cantemos,
e a vós, Jesus, Eterno Rei, também.
Honra e poder ao vosso Santo Espírito
no mundo inteiro, agora e sempre. Amém.


Ou:

Eterno Sol, que envolveis
a criação de esplendor,
a vós, Luz pura das mentes,
dos corações o louvor.

Pelo poder do Espírito,
lâmpadas vivas brilharam.
Da salvação os caminhos
a todo o mundo apontaram.

Por estes servos da graça
fulgiu com novo esplendor
o que a palavra proclama
e que a razão demonstrou.

Tem parte em suas coroas,
pela doutrina mais pura,
este varão que louvamos
e como estrela fulgura.

Por seu auxílio pedimos:
dai-nos, ó Deus, caminhar
na direção da verdade
e assim a vós alcançar.

Ouvi-nos, Pai piedoso,
e vós, ó Filho, também,
com o Espírito Santo,
Rei para sempre. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Olhai e vede, ó Senhor, a humilhação do vosso povo!

Salmo 88(89),39-53

Lamentação sobre a ruína da casa de Davi

Fez aparecer para nós uma força de salvação na casa de Davi (Lc 1,69).

IV

39 E no entanto vós, Senhor, repudiastes vosso Ungido, *
gravemente vos irastes contra ele e o rejeitastes!
40 Desprezastes a Aliança com o vosso servidor, *
profanastes sua coroa, atirando-a pelo chão!

41 Derrubastes, destruístes os seus muros totalmente, *
e as suas fortalezas reduzistes a ruínas.
42 Os que passam no caminho sem piedade o saquearam *
e tornou-se uma vergonha para os povos, seus vizinhos.

43 Aumentastes o poder da mão direita do agressor, *
e exultaram de alegria os inimigos e opressores.
44 Vós fizestes sua espada ficar cega, sem ter corte, *
não quisestes sustentá-lo quando estava no combate.

45 O seu cetro glorioso arrancastes de sua mão, *
derrubastes pelo chão o seu trono esplendoroso,
46 e de sua juventude a duração abreviastes, *
recobrindo sua pessoa de vergonha e confusão.

Ant. Olhai e vede, ó Senhor, a humilhação do vosso povo!

Ant. 2 Sou o rebento da estirpe de Davi,
sou a estrela fulgurante da manhã.

V

47 Até quando, Senhor Deus, ficareis sempre escondido?*
Arde a vossa ira como fogo eternamente?
48 Recordai-vos, ó Senhor, de como é breve a minha vida,*
e de como é perecível todo homem que criastes!
49 Quem acaso viverá sem provar jamais a morte, *
e quem pode arrebatar a sua vida dos abismos?

50 Onde es, ó Senhor Deus, vosso amor de antigamente?*
Não jurastes a Davi fidelidade para sempre?
51 Recordai-vos, ó Senhor, da humilhação dos vossos servos, *
pois carrego no meu peito os ultrajes das nações;

52 com os quais sou insultado pelos vossos inimigos, *
com os quais eles ultrajam vosso Ungido a cada passo!
53 O Senhor seja bendito desde agora e para sempre! *
Bendito seja o Senhor Deus, eternamente! Amém, amém!

Ant. Sou o rebento da estirpe de Davi,
sou a estrela fulgurante da manhã.

Ant. 3 Os nossos dias vão murchando como a erva;
vós, Senhor, sois desde sempre e para sempre.

Salmo 89(90)

O esplendor do Senhor esteja sobre nós

Para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos como um dia (2Pd 3,8).

1 Vós fostes um regio para nós, *
ó Senhor, de geração em geração.
=2 Já bem antes que as montanhas fossem feitas †
ou a terra e o mundo se formassem, *
desde sempre e para sempre vós sois Deus.

3 Vós fazeis voltar ao pó todo mortal, *
quando dizeis: “Voltai ao pó, filhos de Adão!”
4 Pois mil anos para vós são como ontem, *
qual vilia de uma noite que passou.

5 Eles passam como o sono da manhã, *
6 são iguais à erva verde pelos campos:
– De manhã ela floresce vicejante, *
mas à tarde é cortada e logo seca.

7 Por vossa ira perecemos realmente, *
vosso furor nos apavora e faz tremer;
8 pusestes nossa culpa à nossa frente, *
nossos segredos ao clarão de vossa face.

9 Em vossa ira se consomem nossos dias, *
como um sopro se acabam nossos anos.
10 Pode durar setenta anos nossa vida, *
os mais fortes talvez cheguem a oitenta;
– a maior parte é ilusão e sofrimento: *
passam depressa e também nós assim passamos.

11 Quem avalia o poder de vossa ira, *
o respeito e o temor que mereceis?
12 Ensinai-nos a contar os nossos dias, *
e dai ao nosso coração sabedoria!

13 Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? *
Tende piedade e compaixão de vossos servos!
14 Saciai-nos de manhã com vosso amor, *
e exultaremos de alegria todo o dia!

15 Alegrai-nos pelos dias que sofremos, *
pelos anos que passamos na desgraça!
16 Manifestai a vossa obra a vossos servos, *
e a seus filhos revelai a vossa glória!

17 Que a bondade do Senhor e nosso Deus *
repouse sobre nós e nos conduza!
– Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho, *
fazei dar frutos o labor de nossas mãos!

Ant. Os nossos dias vão murchando como a erva;
vós, Senhor, sois desde sempre e para sempre.

V. Em vós está a fonte da vida,

R. E em vossa luz contemplamos a luz.

Primeira leitura

Do Primeiro Livro dos Reis                 22,1-9.15-23.29.34-38

Sentença de Deus sobre o ímpio rei Acab

Naqueles dias:1Reinou paz durante três anos, não havendo guerra entre os arameus e Israel. 2Quando, porém, no terceiro ano Josafá, rei de Judá, desceu para visitar o rei de Israel, 3este disse aos oficiais: “Bem sabeis que Ramot de Galaad pertence a nós, e não fazemos nada para retomá-la das mãos do rei dos arameus”. 4Em seguida perguntou a Josafá: “Queres ir comigo à guerra contra Ramot de Galaad?” Josafá respondeu ao rei de Israel: “Eu faço o que tu fazes, meu povo faz o que faz o teu, meus cavalos acompanham os teus”.

5Josafá disse ainda ao rei de Israel: “Procura obter primeiro um oráculo do Senhor”. 6Então o rei de Israel convocou os profetas, uns quatrocentos homens, e lhes perguntou: “Posso partir para a guerra contra Ramot de Galaad, ou devo desistir?” Eles responderam: “Parte! O Senhor a entregará nas mãos do rei!” 7Josafá ainda perguntou: “Não há aqui nenhum outro profeta do Senhor que possamos consultar?” 8O rei de Israel respondeu a Josafá: “Ainda há um homem para consultar o Senhor. Mas eu não o posso aturar, porque nunca me dá oráculos favoráveis: é Miquéias, filho de Jemla”. Josafá replicou: “Não fales assim, ó rei!” 9Então o rei de Israel chamou um camareiro e lhe ordenou: “Vai buscar depressa a Miquéias, filho de Jemla”.

15Quando, pois, chegou à presença do rei, este lhe perguntou: “Miquéias, podemos partir para a guerra contra Ramot de Galaad, ou devemos desistir?” Ele lhe respondeu: “Parte e serás bem sucedido. O Senhor a entregará nas mãos de vossa Majestade”. 16Mas o rei lhe replicou: “Quantas vezes te preciso conjurar para que só me digas a pura verdade em nome do Senhor?” 17Então ele respondeu:
 

 “Eu vi todo Israel

disperso pelos montes,

como ovelhas sem pastor.

E o Senhor disse: ‘Eles não têm senhor. Volte cada um em paz para casa!’” 

18O rei de Israel disse a Josafá: “Não te disse que ele não me profetiza êxitos e sim desgraças?”

19Miquéias prosseguiu: “Pois bem, escuta a palavra do Senhor: Eu vi o Senhor assentado no trono com todo o exército do céu de pé em sua presença, à direita e à esquerda. 20Então o Senhor perguntou: ‘Há alguém que possa seduzir Acab, para que se ponha em campo e morra em Ramot de Galaad?’ Aí uns responderam duma maneira e outros de outra maneira. 21Finalmente um espírito se adiantou, pôs-se de pé na presença do Senhor e disse: ‘Eu vou seduzi-lo’.O Senhor lhe perguntou: ‘Como vais fazer isto?’ 22Ele respondeu: ‘Irei fazer-me de espírito de mentira na boca de todos os seus profetas’. O Senhor respondeu: ‘Ótimo! tu conseguirás seduzi-lo. Vai fazer isto!’ 23Como estás vendo, o Senhor mandou um espírito mentiroso na boca de todos os teus profetas que estão aqui, pois o Senhor decretou tua perdição”.

29O rei de Israel e Josafá, rei de Judá, marcharam contra Ramot de Galaad. 

34Nisto um homem disparou o arco a esmo e acertou o rei de Israel por entre as escamas da couraça. Ele ordenou ao cocheiro: “Dá meia-volta e leva-me para fora do campo de batalha, porque estou ferido”. 35Mas como neste dia a peleja se tornou muito violenta, tiveram de manter o rei em pé no carro defronte aos arameus e à tardinha ele morreu; o sangue escoria no bojo do carro. 36Quando o sol já ia se pondo, um brado ressoou pelo campo de batalha: “Volte cada um para sua terra! 

37O rei morreu!” Então foram a Samaria e lá o sepultaram. 38Quando lavaram o carro no açude de Samaria, os cães lamberam o seu sangue e as prostitutas se banharam lá, como o Senhor o tinha predito.

Responsório Jr 29,8b.9a.11a; Dt 18,8a

R. Não vos enganem os vossos profetas,
pois falsamente eles falam em meu nome,
* Eu bem sei o que penso de vós,
é isso o que diz o Senhor.
V. Farei surgir para o meu povo um profeta,
colocarei minhas palavras em seus lábios.
* Eu bem sei.

Segunda leitura

Do Opúsculo Itinerário da mente para Deus, de São Boaventura, bispo

(Cap.7,1.2.4.6:Opera omnia,5,312-313)                (Séc.XII)

A sabedoria mística revelada pelo Espírito Santo

Cristo é o caminho e a porta. Cristo é a escada e o veículo, o propiciatório colocado sobre a arca de Deus (cf. Ex 26,34) e o mistério desde sempre escondido (Ef 3,9). Quem olha para este propiciatório, como rosto totalmente voltado para ele, contemplando-o suspenso na cruz, com fé, esperança e caridade, com devoção, admiração e alegria, com veneração, louvor e júbilo, realiza com ele a páscoa, isto é, a passagem. E assim, por meio do lenho da cruz, atravessa o mar Vermelho, saindo do Egito e entrando no deserto, onde saboreia o maná escondido. Descansa também no túmulo com Cristo, parecendo exteriormente morto, mas experimentando, tanto quanto é possível à sua condição de peregrino, aquilo que foi dito pelo próprio Cristo ao ladrão que o reconhecera: Ainda hoje estarás comigo no Paraíso (Lc 23,43).

Nesta passagem, se for perfeita, é preciso deixar todas as operações intelectuais, e que o ápice de todo o afeto seja transferido e transformado em Deus. Estamos diante de uma realidade mística e profundíssima: ninguém a conhece, a não ser quem a recebe; ninguém a recebe, se não a deseja; nem a deseja, se não for inflamado, até à medula, pelo fogo do Espírito Santo, que Cristo enviou ao mundo. Por isso, o Apóstolo diz que essa sabedoria mística é revelada pelo Espírito Santo (cf. 1Cor 2,13).

Se, portanto, queres saber como isso acontece, interroga a graça, e não a ciência; o desejo, e não a inteligência; o gemido da oração, e não o estudo dos livros; o esposo, e não o professor; Deus, e não o homem; a escuridão, e não a claridade. Não interrogues a luz, mas o fogo que tudo inflama e transfere para Deus, com unções suavíssimas e afetos ardentíssimos. Esse fogo é Deus; a sua fornalha está em Jerusalém. Cristo acendeu-a no calor da sua ardentíssima paixão. Verdadeiramente, só pode suportá-la quem diz: Minha alma prefere ser sufocada, e os meus ossos a morte (cf. Jó 7,15). Quem ama esta morte pode ver a Deus porque, sem dúvida alguma, é verdade: O homem não pode ver-me e viver (Ex 33,20). Morramos, pois, e entremos na escuridão; imponhamos silêncio às preocupações, paixões e fantasias. Com Cristo crucificado, passemos deste mundo para o Pai (cf. Jo 13,1), a fim de podermos dizer com o apóstolo Filipe, quando o Pai se manifestar a nós: Isso nos basta (Jo 14,8); ouvirmos com SãoPaulo: Basta-te a minha graça (2Cor 12,9); e exultar com Davi, exclamando: Mesmo que o corpo e o coração vão se gastando, Deus é minha parte e minha herança para sempre! (Sl 72,26). Bendito seja Deus para sempre! E que todo o povo diga: Amém! Amém! (cf. Sl 105,48).

Responsório 1Jo 3,24; Eclo 1,9a.10ab

R. Quem guarda os preceitos de Deus,
em Deus permanece e Deus nele.
* Sabemos que em nós permanece,
pelo Espírito que ele nos deu.
V. Deus criou pelo Espírito Santo,
e espalhou sobre todas as coisas
a sabedoria divina. * Sabemos.

Oração

Concedei-nos, Pai todo-poderoso, que, celebrando a festa de São Boaventura, aproveitemos seus preclaros ensinamentos e imitemos sua ardente caridade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *