Ofício das Leituras da Memória de Santo Agostinho, bispo e doutor da Igreja

0 comentário

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

Eterno Sol, que envolveis
a criação de esplendor,
a vós, Luz pura das mentes,
dos corações o louvor.

Pelo poder do Espírito,
lâmpadas vivas brilharam.
Da salvação os caminhos
a todo o mundo apontaram.

Por estes servos da graça
fulgiu com novo esplendor
o que a palavra proclama
e que a razão demonstrou.

Tem parte em suas coroas,
pela doutrina mais pura,
este varão que louvamos
e como estrela fulgura.

Por seu auxílio pedimos:
dai-nos, ó Deus, caminhar
na direção da verdade
e assim a vós alcançar.

Ouvi-nos, Pai piedoso,
e vós, ó Filho, também,
com o Espírito Santo,
Rei para sempre. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Quem se tornar pequenino como uma criança,
há de ser o maior no Reino dos céus.

Salmo 130(131)

Confiança filial e repouso em Deus

Aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração (Mt 11,29)

1 Senhor, meu coração não é orgulhoso, *
nem se eleva arrogante o meu olhar;
– não ando à procura de grandezas, *
nem tenho pretensões ambiciosas!

2 Fiz calar e sossegar a minha alma; *
ela es em grande paz dentro de mim,
– como a criança bem tranqüila, amamentada *
no regaço acolhedor de sua mãe.

3 Confia no Senhor, ó Israel, *
desde agora e por toda a eternidade!

Ant. Quem se tornar pequenino como uma criança,
há de ser o maior no Reino dos céus.

Ant. 2 Na simplicidade do meu coração,
alegre, vos dei tudo aquilo que tenho.

Salmo 131(132)

As promessas do Senhor à casa de Davi

O Senhor Deus lhe dará o trono de Davi seu Pai (Lc 1,32).

I

1 Recordai-vos, ó Senhor, do rei Davi *
e de quanto vos foi ele dedicado;
2 do juramento que ao Senhor havia feito *
e de seu voto ao Poderoso de Jacó:

3 “Não entrarei na minha tenda, minha casa, *
nem subirei à minha cama em que repouso,
4 não deixarei adormecerem os meus olhos, *
nem cochilarem em descanso minhas pálpebras,
5 até que eu ache um lugar para o Senhor, *
uma casa para o Forte de Jacó!”

6 Nós soubemos que a arca estava em Éfrata *
e nos campos de Iaar a encontramos:
7 Entremos no lugar em que ele habita, *
ante o escabelo de seus pés o adoremos!

8 Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso, *
subi vós, com vossa arca poderosa!
9 Que se vistam de alegria os vossos santos, *
e os vossos sacerdotes, de justiça!
10 Por causa de Davi, o vosso servo, *
não afasteis do vosso Ungido a vossa face!

Ant. Na simplicidade do meu coração,
alegre, vos dei tudo aquilo que tenho.

Ant. 3 O Senhor fez a Davi um juramento,
e seu reino permanece para sempre.

II

11 O Senhor fez a Davi um juramento, *
uma promessa que jamais renegará:
– “Um herdeiro que é fruto do teu ventre *
colocarei sobre o trono em teu lugar!

12 Se teus filhos conservarem minha Aliança *
e os preceitos que lhes dei a conhecer,
– os filhos deles igualmente hão de sentar-se *
eternamente sobre o trono que te dei!”

13 Pois o Senhor quis para si Jerusalém *
e a desejou para que fosse sua morada:
14 “Eis o lugar do meu repouso para sempre, *
eu fico aqui: este é o lugar que preferi!”

15 “Abençoarei suas colheitas largamente, *
e os seus pobres com o pão saciarei!
16 Vestirei de salvação seus sacerdotes, *
e de alegria exultarão os seus fiéis!”

17 “De Davi farei brotar um forte Herdeiro, *
acenderei ao meu Ungido uma lâmpada.
18 Cobrirei de confusão seus inimigos, *
mas sobre ele brilhará minha coroa!”

Ant. O Senhor fez a Davi um juramento,
e seu reino permanece para sempre.

V. Vinde ver, contemplai os progios de Deus,
R. E a obra estupenda que fez no universo.

Primeira leitura

Do Livro do Profeta Jeremias                 7,1-20

Oráculo contra a falsa confiança no templo

 Palavra comunicada a Jeremias, da parte do Senhor: 2“Põe-te à porta da casa do Senhor e, lá, anuncia esta palavra, dizendo: Ouvi a palavra do Senhor, todos vós de Judá, que entrais por estas portas para adorar o Senhor. 3Isto diz o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: Melhorai vossa conduta e vossas obras, que eu vos farei habitar neste lugar. 4Não ponhais vossa confiança em palavras mentirosas, dizendo: ‘É o templo do Senhor, o templo do Senhor, o templo do Senhor!’ 5Mas, se melhorardes vossa conduta e vossas obras, se fizerdes valer a justiça, uns com os outros, 6não cometerdes fraudes contra o estrangeiro, o órfão e a viúva, nem derramardes sangue inocente neste lugar, e não andardes atrás de deuses estrangeiros, para vosso próprio mal, 7então eu vos farei habitar neste lugar, na terra que dei a vossos pais, desde sempre e para sempre.  

Eis que confiais em palavras mentirosas, que para nada servem. 9Como! Roubar, matar, cometer adultério e perjúrio, queimar incenso a Baal, e andar atrás de deuses que nem sequer conheceis; 10e depois, vindes à minha presença, nesta casa em que meu nome é invocado, e dizeis: ‘Nenhum mal nos foi infligido’, tendo embora cometido todas essas abominações. 11Acaso, esta casa, em que meu nome é invocado, tornou-se a vossos olhos uma caverna de ladrões?  

Eis que também eu vi, diz o Senhor. 12Ide ao meu posto, em Silo, onde a princípio habitou meu Nome, e vede o que aí fiz em razão da maldade do meu povo, Israel. 13E agora, que praticastes todas estas obras, diz o Senhor, falei a todos vós desde muito cedo, na hora de levantar-vos, e não ouvistes, chamei-vos e não atendestes; 14farei a esta casa, sobre a qual foi meu Nome invocado e na qual tendes confiança, farei a este lugar, que vos dei, a vós e a vossos pais, como fiz em Silo; 15eu vos expulsarei de minha presença, como expulsei todos os vossos irmãos, a inteira descendência de Efraim. 16Tu, portanto, não rezes por este povo, não dirijas preces e orações por essas pessoas; não me desobedeças, eu não te atenderei. 17Não estás vendo o que eles fazem nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém? 18Os filhos ajuntam lenha, os pais acendem o fogo, as mulheres preparam a farinha para fazer bolos destinados à rainha da noite e servirem libações aos deuses estrangeiros, provocando a minha ira. 19Mas isto provoca a minha ira – diz o Senhor – ou antes, vergonha a eles próprios? 20Isto, pois, diz o Senhor Deus: Minha ira e indignação hão de cair sobre este lugar, sobre homens e animais, sobre as árvores da região e sobre os frutos da terra. Tudo arderá para não mais se apagar.

Responsório Jr 7,11; Is 56,7c; Jo 2,16b

R. Por acaso esta casa, consagrada ao meu nome,
ter-se-ia transformado em um antro de ladrões?
* Minha casa é casa de oração
e para todos os povos o será.
V. Não façais, diz o Senhor, da casa do meu Pai
uma casa de comércio. * Minha casa.

Segunda leitura

Dos Livros das Confissões, de Santo Agostinho, bispo

(Lib. 7,10.18;10,27: CSEL 33,157-163.255)                (Séc.V)

Ó eterna verdade e verdadeira caridade e cara eternidade!

Instigado a voltar a mim mesmo, entrei em meu íntimo, sob tua guia e o consegui, porque tu te fizeste meu auxílio (cf. Sl 29,11). Entrei e com certo olhar da alma, acima do olhar comum da alma, acima de minha mente, vi a luz imutável. Não era como a luz terena e evidente para todo ser humano. Diria muito pouco se afirmasse que era apenas uma luz muito, muito mais brilhante do que a comum, ou tão intensa que penetrava todas as coisas. Não era assim, mas outra coisa, inteiramente diferente de tudo isto. Também não estava acima de minha mente como óleo sobre a água nem como o céu sobre a terra, mas mais alta, porque ela me fez, e eu, mais baixo, porque feito por ela. Quem conhece a verdade, conhece esta luz. 

Ó eterna verdade e verdadeira caridade e cara eternidade! Tu és o meu Deus, por ti suspiro dia e noite. Desde que te conheci, tu me elevaste para ver que quem eu via, era, e eu, que via, ainda não era. E reverberaste sobre a mesquinhez de minha pessoa, irradiando sobre mim com toda a força. E eu tremia de amor e de horror. Vi-me longe de ti, no país da dessemelhança, como que ouvindo tua voz lá do alto: “Eu sou o alimento dos grandes. Cresce e me comerás. Não me mudarás em ti como o alimento de teu corpo, mas tu te mudarás em mim”. 

E eu procurava o meio de obter forças, para tornar-me idôneo a te degustar e não o encontrava até que abracei o mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus (1Tm 2,5), que é Deus acima de tudo, bendito pelos séculos (Rm 9,5). Ele me chamava e dizia: Eu sou o caminho, a verdade e a vida (Jo 14,6). E o alimento que eu não era capaz de tomar se uniu à minha carne, pois o Verbo se fez carne (Jo 1,14), para dar à nossa infância o leite de tua sabedoria, pela qual tudo criaste. 

Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Eis que estavas dentro e eu, fora. E aí te procurava e lançava-me nada belo ante a beleza que tu criaste. Estavas comigo e eu não contigo. Seguravam-me longe de ti as coisas que não existiriam, se não existissem em ti. Chamaste, clamaste e rompeste minha surdez, brilhaste, resplandeceste e afugentaste minha cegueira. Exalaste perfume e respirei. Agora anelo por ti. Provei-te, e tenho fome e sede. Tocaste-me e ardi por tua paz.

Responsório

R. Ó luz e verdade do meu coração,
que as trevas em mim não gritem mais alto!
* Errei, mas voltei, lembrei-me de vós.
Eis que volto à fonte, cansado e sedento.
V. Não sou eu minha vida, pois por mim vivi mal;
mas em vós eu renasço. * Errei.


Oração

Renovai, ó Deus, na vossa Igreja aquele espírito com o qual cumulastes o bispo Santo Agostinho para que, repletos do mesmo espírito, só de vós tenhamos sede, fonte da verdadeira sabedoria, e só a vós busquemos, autor do amor eterno. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *