Missa da Memória de São Roque González, Santo Afonso Rodriguez e São João del Castillo, presbíteros e mártires


Antífona de Entrada

Por amor de Cristo, o sangue dos mártires foi derramado na terra. Por isso, sua recompensa é eterna.

Oração do dia

Senhor, que a vossa palavra cresça nas terras onde os vossos mártires a semearam e seja multiplicada em frutos de justiça e de paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura

Estes dois profetas
estavam incomodando os habitantes da terra.

Leitura do Livro do Apocalipse de São João 11,4-12

Disseram a mim, João:
4 “Essas duas testemunhas são
as duas oliveiras e os dois candelabros,
que estão diante do Senhor da terra.
5 Se alguém quiser fazer-lhes mal,
um fogo sairá da boca delas 
e devorará seus inimigos.
Sim, se alguém quiser fazer-lhes mal,
é assim que vai morrer.
6 Elas têm o poder de fechar o céu,
de modo que não caia chuva alguma
enquanto durar a sua missão profética.
Elas têm também o poder
de transformar as águas em sangue.
E quantas vezes elas quiserem,
podem ferir a terra com todo tipo de praga.
7 Quando elas terminarem o seu testemunho,
a besta que sobe do Abismo
vai combater contra elas,
vai vencê-las e matá-las.
8 E os cadáveres das duas testemunhas
vão ficar expostos na praça da grande cidade,
que se chama, simbolicamente, Sodoma e Egito,
e na qual foi crucificado também o Senhor delas.
9 Gente de todos os povos,
raças, línguas e nações,
verão seus cadáveres durante três dias e meio,
e não deixarão que os corpos sejam sepultados.
10 Os habitantes da terra farão festa
pela morte das testemunhas;
felicitar-se-ão e trocarão presentes,
pois estes dois profetas
estavam incomodando os habitantes da terra”.
11 Depois dos três dias e meio,
um sopro de vida veio de Deus,
penetrou nos dois profetas
e eles ficaram de pé.
Todos aqueles que os contemplavam,
ficaram com muito medo.
12 Ouvi então uma voz forte
vinda do céu e chamando os dois:
“Subi para aqui!”
Eles subiram ao céu, na nuvem,
enquanto os inimigos ficaram olhando.
Palavra do Senhor.

Salmo responsorial
Sl 143(144), 1.2.9-10 (R. 1a)

R. Bendito seja o Senhor, meu rochedo!

1 Bendito seja o Senhor, meu rochedo, †
que adestrou minhas mãos para a luta, *
e os meus dedos treinou para a guerra! R.

2 Ele é meu amor, meu refúgio, *
libertador, fortaleza e abrigo;
É meu escudo: é nele que espero, *
ele submete as nações a meus pés. R.

9 Um canto novo, meu Deus, vou cantar-vos, *
nas dez cordas da harpa louvar-vos,
10 a vós que dais a vitória aos reis *
e salvais vosso servo Davi. R.

Aclamação ao Evangelho
Cf. 2Tm 1,10

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Jesus Cristo Salvador destruiu o mal e a morte;
    fez brilhar pelo evangelho a luz e a vida imperecíveis.

Evangelho

Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 20,27-40

Naquele tempo,
27 aproximaram-se de Jesus alguns saduceus,
que negam a ressurreição,
28 e lhe perguntaram:
“Mestre, Moisés deixou-nos escrito:
‘se alguém tiver um irmão casado
e este morrer sem filhos,
deve casar-se com a viúva
a fim de garantir a descendência para o seu irmão’.
29 Ora, havia sete irmãos.
O primeiro casou e morreu, sem deixar filhos.
30 Também o segundo
31 e o terceiro se casaram com a viúva.
E assim os sete: 
todos morreram sem deixar filhos.
32 Por fim, morreu também a mulher.
33 Na ressurreição, ela será esposa de quem?
Todos os sete estiveram casados com ela”.
34 Jesus respondeu aos saduceus:
“Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se,
35 mas os que forem julgados dignos
da ressurreição dos mortos 
e de participar da vida futura,
nem eles se casam nem elas se dão em casamento;
36 e já não poderão morrer, 
pois serão iguais aos anjos,
serão filhos de Deus, porque ressuscitaram.
37 Que os mortos ressuscitam,
Moisés também o indicou na passagem da sarça,
quando chama o Senhor o Deus de Abraão,
o Deus de Isaac e o Deus de Jacó.
38 Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos,
pois todos vivem para ele”.
39 Alguns doutores da Lei disseram a Jesus:
“Mestre, tu falaste muito bem”.
40 E ninguém mais tinha coragem
de perguntar coisa alguma a Jesus.
Palavra da Salvação.

Antífona da Comunhão

Fostes vós que permanecestes comigo nas minhas tribulações. E eu disponho do reino para vós, diz o Senhor. No meu reino comereis e bebereis à minha mesa (Lc 22,28ss).

Depois da Comunhão

Senhor, que os vossos fiéis vivam na fé e na caridade, pois repartem com os irmãos o pão da vida, e, até a vossa vinda, bebam o cálice da salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *