Lectio Divina – 26º Domingo do Tempo Comum

0 comentário

Olá queridos irmãos e irmãs, a graça e a paz do nosso Senhor Jesus Cristo esteja com todos.

Seguimos na Lectio Divina que pode nos ajudar compreender e viver intensamente a Palavra. Que ela se torne oração em nossa vida.

LECTIO

Tomaremos hoje o evangelho de São Marcos 9,38-43.45.47-48

Naquele tempo:
38João disse a Jesus:
‘Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome.
Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue’.
39Jesus disse:
‘Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome
para depois falar mal de mim.
40Quem não é contra nós é a nosso favor.
41Em verdade eu vos digo:
quem vos der a beber um copo de água,
porque sois de Cristo,
não ficará sem receber a sua recompensa.
42E, se alguém escandalizar
um destes pequeninos que creem,
melhor seria que fosse jogado no mar
com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço.
43Se tua mão te leva a pecar, corta-a!
É melhor entrar na Vida sem uma das mãos,
do que, tendo as duas, ir para o inferno,
para o fogo que nunca se apaga.
45Se teu pé te leva a pecar, corta-o!
É melhor entrar na Vida sem um dos pés,
do que, tendo os dois, ser jogado no inferno.
47Se teu olho te leva a pecar, arranca-o!
É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só,
do que, tendo os dois, ser jogado no inferno,
48‘onde o verme deles não morre,
e o fogo não se apaga”.

No Evangelho de hoje São Marcos parece não se preocupa em narrar uma história linear, mas traz diversos ensinamentos fortes de Jesus aos seus discípulos. Podemos dividi-los em pelo menos quatro lições.

Primeiro um fato curioso: alguém expulsava demônios em nome de Jesus. Possivelmente essa pessoa tinha visto Jesus ou os apóstolos em ação e os imitava expulsando demônios. Para os discípulos isso é inaceitável. E cheios de razão proibiram aquele homem e voltam, convictos que fizeram a coisa certa. João, o discípulo amado, se encarrega de relatar o fato a Jesus. A resposta de Jesus talvez tenha surpreendido e até mesmo decepcionado os discípulos. Para o Mestre não há nada de mais. Pelo contrário, adverte os discípulos para não proibir tal coisa, ensinando que todos que não são inimigos do Reino de Deus podem, de alguma forma, colaborar com ele.   

Em seguida, outro ensinamento importante: No Reino de Deus, os menores gestos também são contados e terão sua recompensa. Até um copo d´água doado por causa dele tem sua importância

O terceiro ensinamento trazido por Marcos diz respeito ao perigo do escândalo que tem a ver com mau exemplo, ser pedra de tropeço para os mais vulneráveis. Jesus utiliza de uma hipérbole para advertir sobre a gravidade desse ato.

Só lembrando. A hipérbole é uma figura de linguagem que se utiliza de exageros na expressão para dar ênfase a uma ideia. Jesus usava esse recurso com frequência para ensinar.

A hipérbole é ainda mais utilizada no último ensinamento desse trecho do Evangelho. Jesus fala em cortar uma das mãos, um dos pés ou arrancar um dos olhos, caso algum destes levem ao pecado. Melhor ir para o céu faltando um dos membros do se condenar tendo todos. Com isso enfatiza a característica espiritual do seu Reino. A primazia do espírito sobre a carne. O perigo do pecado, que é um mal espiritual, mais do que qualquer outro perigo do corpo.

MEDITATIO

Diante de tudo isso podemos nos perguntar:

O que podemos pensar, hoje, sobre o ensinamento de Jesus que diz que “aquele que não é contra nós é a nosso favor”? Aprendemos a tolerar aqueles que agem em nome de Jesus, mesmo que não os consideremos como dos nossos?

Qual a nossa contribuição para o Reino de Deus? Temos buscado participar dele desde as mínimas coisas até as grandes?

Temos o cuidado para não ser pedra de tropeço para nenhum dos nos nosso irmãos? Temos dado testemunho de cristãos autênticos?

O que temos, que faz parte de nós, que nos afasta da graça? Temos força para arrancar e jogar fora? Necessitamos de força de Deus para isso? Temos buscado na oração as forças para evitarmos o mal que nos leva ao inferno? Jesus usa a hipérbole para falar de membros importantes do nosso corpo que temos de arrancar se estiverem nos levando a pecar. Quais coisas importantes precisamos arrancar das nossas vidas para crescermos na santidade?

Sobre crescer na santidade, ensina-nos São Policarpo, neste trecho de uma de suas cartas que está no Ofício das Leituras de hoje:

De rins cingidos (1Pd 1,13), servi a Deus no temor (Sl 2,11) e na verdade, abandonando toda palavra vã e erro vulgar. Tendo fé naquele que ressuscitou dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo (1Pd 1,21) e lhe deu a glória e o trono à sua direita. É ele a quem todas as coisas celestes e terrestres se submetem, todo espírito serve e que virá como juiz dos vivos e dos mortos. Deus reclamará seu sangue daqueles que não creem nele. 

Em verdade, quem o ressuscitou dos mortos também nos ressuscitará, se fizermos sua vontade, andarmos segundo seus preceitos e amarmos aquilo que ele amou. Se evitarmos toda injustiça, fraude, avareza, difamação, falso testemunho; se não pagarmos o mal com o mal nem a maldição com a maldição (1Pd 3,9) nem o golpe com outro nem o ódio com o ódio. Bem lembrados dos ensinamentos do Senhor: Não julgueis e não sereis julgados; perdoai e sereis perdoados; tende misericórdia para alcançardes a misericórdia; com a mesma medida com que medirdes sereis medidos (cf. Mt 7,1; Lc 6,36-38); e: Bem-aventurados os pobres e os que sofrem perseguição porque deles é o reino de Deus (cf. Mt 5,3.10). [Extraído da Liturgia das Horas, Vol. IV]

Categorias
Helber Clayton é leigo católico, servidor público, escritor, casado, formado em Letras, com licenciatura em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e respectivas literaturas, Especialista em Língua Latina e Filologia Românica.
Mora em Teixeira de Freitas na Bahia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *