Vigílias – 5º Domingo da Páscoa

0 comentário

As Vigílias são celebradas aos Domingos, Solenidades e Festas e consistem no prolongamento do Ofício das Leituras, acrescido de três Cânticos do Antigo Testamento e do Evangelho da ressurreição. As Vigílias são a forma mais antiga de oração pública da Igreja, evocando, desde o início, a ressurreição do Senhor na grande Vigília Pascal.


V. Abri os meus bios, ó Senhor.
R. E minha boca anuncia vosso louvor.

R. O Senhor ressurgiu realmente. Aleluia!

Salmo 94

Convite ao louvor de Deus

Animai-vos uns aos outros, dia após dia, enquanto ainda se disser ‘hoje’ (Hb 3,13).

1 Vinde, exultemos de alegria no Senhor, *
aclamemos o Rochedo que nos salva!
2 Ao seu encontro caminhemos com louvores, *
e com cantos de alegria o celebremos!

R. 

3 Na verdade, o Senhor é o grande Deus, *
o grande Rei, muito maior que os deuses todos.
4 Tem nas mãos as profundezas dos abismos, *
e as alturas das montanhas lhe pertencem;
5 o mar é dele, pois foi ele quem o fez, *
e a terra firme suas mãos a modelaram.

R. 

6 Vinde adoremos e prostremo-nos por terra, *
e ajoelhemos ante o Deus que nos criou!
=7 Porque ele é o nosso Deus, nosso Pastor, †
e nós somos o seu povo e seu rebanho, *
as ovelhas que conduz com sua mão.

R. 

=8 Oxa ouvísseis hoje a sua voz: †
“Não fecheis os corações como em Meriba, *
9 como em Massa, no deserto, aquele dia,
– em que outrora vossos pais me provocaram, *
apesar de terem visto as minhas obras”.

R. 

=10Quarenta anos desgostou-me aquela raça †
e eu disse: “Eis um povo transviado, *
11 seu coração não conheceu os meus caminhos!”
– E por isso lhes jurei na minha ira: *
“Não entrarão no meu repouso prometido!”

R. 

Demos glória a Deus Pai onipotente
e a seu Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso, †
e ao Esrito que habita em nosso peito *
pelos culos dos culos. Amém.

R. 

Hino

Eis o dia de Deus verdadeiro,
no clarão de luz santa banhado.
Nele, o sangue do novo Cordeiro
apagou deste mundo o pecado.

Deu a fé novamente aos perdidos,
deu aos cegos de novo a visão.
Quem não há de perder todo o medo,
vendo o céu ser aberto ao ladrão?

Eis o fato que aos anjos assombra:
ver o Cristo na cruz como réu,
e o ladrão que com ele padece,
conquistar a coroa do céu.

Admirável, profundo mistério:
lava a carne da carne a fraqueza
e, tirando os pecados do mundo,
restitui-lhe a antiga nobreza.

O que pode existir mais sublime
que o pecado à procura da graça?
Que da morte nascer vida nova
e um amor que aos temores desfaça?

Ó Jesus, dos fiéis corações
sede eterna alegria pascal;
congregai os nascidos da graça
pelo vosso triunfo imortal.

Glória a vós que vencestes a morte
e brilhais, com o Pai, Sumo Bem,
no esplendor coruscante do Espírito
pelos séculos eternos. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Aleluia, removida foi a pedra
da entrada do sepulcro, aleluia.

Salmo 1

Os dois caminhos do homem

Felizes aqueles que, pondo toda a sua esperança na Cruz, desceram até a água do batismo (Autor do séc. II).

1 Feliz é todo aquele que não anda *
conforme os conselhos dos perversos;
– que não entra no caminho dos malvados, *
nem junto aos zombadores vai sentar-se;
2 mas encontra seu prazer na lei de Deus *
e a medita, dia e noite, sem cessar.

3 Eis que ele é semelhante a uma árvore *
que à beira da torrente está plantada;
= ela sempre dá seus frutos a seu tempo, †
e jamais as suas folhas vão murchar. *
Eis que tudo o que ele faz vai prosperar,

=4 mas bem outra é a sorte dos perversos. †
Ao contrário, são iguais à palha seca *
espalhada e dispersada pelo vento.

5 Por isso os ímpios não resistem no juízo *
nem os perversos, na assembléia dos fiéis.
6 Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, *
mas a estrada dos malvados leva à morte.

Ant. Aleluia, removida foi a pedra
da entrada do sepulcro, aleluia.

Ant. 2 Aleluia, quem procuras, ó mulher?
Entre os mortos o Vivente? aleluia.

Salmo 2

O Messias, rei e vencedor

Uniram-se contra Jesus, teu santo servo, a quem ungiste (At 4,27).

1 Por que os povos agitados se revoltam? *
por que tramam as nações projetos vãos?
=2 Por que os reis de toda a terra se reúnem, †
e conspiram os governos todos juntos *
contra o Deus onipotente e o seu Ungido?

3 “Vamos quebrar suas correntes”, dizem eles, *
“e lançar longe de nós o seu domínio!”
4 Ri-se deles o que mora lá nos céus; *
zomba deles o Senhor onipotente.
5 Ele, então, em sua ira os ameaça, *
e em seu furor os faz tremer, quando lhes diz:

6 “Fui eu mesmo que escolhi este meu Rei, *
e em Sião, meu monte santo, o consagrei!”
=7 O decreto do Senhor promulgarei, †
foi assim que me falou o Senhor Deus: *
“Tu és meu Filho, e eu hoje te gerei!

=8 Podes pedir-me, e em resposta eu te darei †
por tua herança os povos todos e as nações, *
e há de ser a terra inteira o teu domínio.
9 Com cetro férreo haverás de dominá-los, *
e quebrá-los como um vaso de argila!”

10 E agora, poderosos, entendei; *
soberanos, aprendei esta lição:
11 Com temor servi a Deus, rendei-lhe glória *
e prestai-lhe homenagem com respeito!

12 Se o irritais, perecereis pelo caminho, *
pois depressa se acende a sua ira!
– Felizes hão de ser todos aqueles *
que põem sua esperança no Senhor!

Ant. Aleluia, quem procuras, ó mulher?
Entre os mortos o Vivente? aleluia.

Ant. 3 Aleluia, não chores, Maria:
O Senhor ressurgiu, aleluia.

Salmo 3

O Senhor é o meu protetor

Jesus adormeceu e ergueu-se do sono da morte, porque o Senhor era o seu protetor (Sto. Irineu).

2 Quão numerosos, ó Senhor, os que me atacam; *
quanta gente se levanta contra mim!
3 Muitos dizem, comentando a meu respeito: *
“Ele não acha a salvação junto de Deus!”

4 Mas sois vós o meu escudo protetor, *
a minha glória que levanta minha cabeça!
5 Quando eu chamei em alta voz pelo Senhor, *
do Monte santo ele me ouviu e respondeu.

6 Eu me deito e adormeço bem tranqüilo; *
acordo em paz, pois o Senhor é meu sustento.
7 Não terei medo de milhares que me cerquem *
e furiosos se levantem contra mim.

= Levantai-vos, ó Senhor, vinde salvar-me! †
8 Vós que feristes em seu rosto os que me atacam, *
e quebrastes aos malvados os seus dentes.
Em vós, Senhor, nós encontramos salvação; *
e repouse a vossa bênção sobre o povo!

Ant. Aleluia, não chores, Maria:
O Senhor ressurgiu, aleluia.
V. Refloresceu a minha carne e eu canto: Aleluia.
R. Eu agradeço ao Senhor de coração. Aleluia.

Primeira leitura

Do Livro do Apocalipse 18,21−19,10

Anúncio das núpcias do Cordeiro

        18,21 Um anjo poderoso levantou uma pedra do tamanho de uma grande pedra de moinho e atirou-a ao mar, dizendo: “Com esta força será lançada Babilônia, a Grande Cidade, e nunca mais será encontrada. 22E o canto de harpistas e músicos, de flautistas e tocadores de trombeta, em ti nunca mais se ouvirá; e nenhum artista de arte alguma em ti jamais se encontrará; e o canto do moinho em ti nunca mais se ouvirá; 23e a luz da lâmpada em ti nunca mais brilhará; e a voz do esposo e da esposa em ti nunca mais se ouvirá, porque os teus comerciantes eram os grandes da terra, e com magia tu enfeitiçaste todas as nações. 24E nela foi encontrado o sangue dos profetas e dos santos e de todos os que foram imolados sobre a terra”.

        19,1 Depois disso, ouvi um forte rumor, de uma grande multidão no céu, que clamava: “Aleluia!  

A salvação, a glória e o poder pertencem ao nosso Deus,

2porque seus julgamentos são verdadeiros e justos.

Sim, Deus julgou a grande prostituta que corrompeu a terra com sua prostituição, e vingou nela

o sangue dos seus servos”.

        3E repetiram: “Aleluia! A fumaça dela fica subindo para toda a eternidade!”  

        4E os vinte e quatro Anciãos e os quatro Seres vivos se prostraram diante de Deus, que está sentado no trono,e disseram: “Amém. Aleluia!”

        5Então, uma voz saiu do trono, convidando: “Louvai o nosso Deus, todos os seus servos e todos os que o temeis, pequenos e grandes”.

        6Ouvi também o rumor de uma grande multidão. Parecia o fragor de águas torrenciais e o ribombar de fortes trovões. A multidão aclamava:

“Aleluia!

O Senhor, nosso Deus, o Todo-poderoso passou a reinar.

7Fiquemos alegres e contentes, e demos glória a Deus,

porque chegou o tempo das núpcias do Cordeiro.

Sua esposa já se preparou.

        8Foi-lhe dado vestir-se com linho brilhante e puro”. O linho significa as obras justas dos santos.

        9E um anjo me disse: “Escreve: Felizes são os convidados para o banquete das núpcias do Cordeiro”. Disse ainda:“Estas são as verdadeiras palavras de Deus”. 10Eu prostrei-me diante dele para adorá-lo, mas o anjo me disse: “Não faças isso! Eu sou um servo como tu e como os irmãos que guardam o testemunho de Jesus. A Deus é que deves adorar”. O testemunho de Jesus é o espírito da profecia.

Responsório Cf. Ap 14,2; 19,6; 12,10; 19,5

R. Do céu ouvi uma voz, voz tão forte, qual trovão:
De seu reino tomou posse nosso Deus onipotente,
* Pois chegou a salvação, o poder, a realeza
e o domínio de seu Cristo. Aleluia.
V. Uma voz veio do trono: Celebrai o nosso Deus,
servidores do Senhor, e vós todos que o temeis,
vós os grandes e os pequenos! * Pois chegou.

Segunda leitura

Dos Sermões de São Máximo de Turim, bispo

(Sermo 53,1-2.4:CCL23,214-216)         (Séc.V)

Cristo é o dia

        A ressurreição de Cristo abre a mansão dos mortos, os neófitos da Igreja renovam a terra e o Espírito Santo abre as portas do céu. A mansão dos mortos aberta devolve seus habitantes, a terra renovada germina os ressuscitados, o céu reaberto recebe os que para ele sobem.

        O ladrão sobe ao paraíso, os corpos dos santos entram na cidade santa, os mortos retornam à região dos vivos. E de certo modo, pela ressurreição de Cristo, todos os elementos são elevados a uma dignidade mais alta.

        A habitação dos mortos restitui ao paraíso os que nela estavam detidos,a terra envia ao céu os que foram nela sepultados, o céu apresenta ao Senhor os que recebe em suas moradas. E por um único e mesmo ato, a paixão do Salvador retira o ser humano das profundezas, eleva-o da terra e o coloca no alto dos céus.

        A ressurreição de Cristo é vida para os mortos, perdão para os pecadores, glória para os santos. Por isso, o santo profeta convida todas as criaturas para a festa da ressurreição de Cristo, exultando e se alegrando neste dia que o Senhor fez.

        A luz de Cristo é um dia sem noite, um dia sem fim. O Apóstolo nos ensina que este dia é o próprio Cristo, quando afirma: A noite já vai adiantada, o dia vem chegando (Rm 13,12). Ele diz que a noite já vai adiantada e não que ela ainda virá, a fim de compreendermos que a chegada da luz de Cristo afasta as trevas do demônio e dissipa a escuridão do pecado; com seu esplendor eterno ela vence as sombras tenebrosas do passado e impede toda a infiltração dos estímulos pecaminosos.

        Este dia é o próprio Cristo. Sobre ele, o Pai, que é o dia sem princípio, faz resplandecer o sol da sua divindade. Ele mesmo é o dia que assim fala pela boca de Salomão: Fiz brilhar no céu uma luz que não se apaga (Eclo 24,6 Vulg.).

        Assim como a noite não pode absolutamente suceder ao dia celeste, também as trevas dos pecados não podem suceder à justiça de Cristo. O dia celeste brilha eternamente, e nenhuma obscuridade pode ofuscar o fulgor da sua luz. Do mesmo modo, a luz de Cristo resplandece e irradia a sua claridade, e sombra alguma de pecado poderá ofuscá-la, como diz o evangelista João: E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la (Jo 1,5).

        Portanto, irmãos, todos nós devemos alegrar-nos neste santo dia. Ninguém se exclua desta alegria universal, apesar da consciência de seus pecados; ninguém se afaste das orações comuns, embora sinta o peso de suas culpas. Por mais pecador que seja, ninguém deve neste dia desesperar do perdão. Temos a nosso favor um valioso testemunho: se o ladrão arrependido alcançou o paraíso, por que não alcançaria o cristão a graça de ser perdoado?

Responsório Cf. Sl 18(19),7ac

R. O esplendor e a formosura do Senhor
estão acima das alturas siderais.
* Sua beleza resplandece sobre as nuvens
e seu nome permanece para sempre. Aleluia.
V. De um extremo do céu põe-se a correr
até que possa chegar ao outro extremo. * Sua beleza.

Cânticos

Ant. Vinde, todos, adoremos quem da morte ressurgiu;
foi pela cruz que entrou no mundo a alegria, Aleluia!

Cântico I    Is 63,1-5

O Senhor, único vencedor dos inimigos

Eles venceram o dragão pelo sangue do Cordeiro (cf. Ap 12,11).

– 1 “Quem é este que vem de Edom, *
vem de Bosra, com vestes vermelhas,
– vem formoso, em trajes de gala, *
caminhando com grande poder?”

– “Sou eu, que proclamo a justiça, *
sou eu, poderoso em salvar!”
– 2 “Mas, por que tua veste é vermelha, *
como a daquele que pisa o lagar?”

– 3 “Eu sozinho pisei o lagar, *
e ninguém me ajudou dentre os povos.
– Com furor, eu, então, os pisei *
e a eles, com ira, esmaguei.

– Salpicou-me seu sangue as vestes, *
o meu traje está todo manchado.
– 4 Da vingança o dia eu queria, *
da redenção já chegou o meu tempo.

– 5 Eu olhei, mas ninguém para ajudar; *
admirei-me, pois não tinha apoio.
– Então, apelei ao meu braço, *
minha ira me veio ajudar.”

Cântico II Os 6,1-6

O Senhor é compassivo, quer misericórdia e não sacrifícios

Ao terceiro dia, o Cristo ressuscitou, segundo as Escrituras (1Cor 15,4).

– 1 Vinde, todos, retornemos ao Senhor, *
pois, se ele nos feriu, nos curará.
=2 Em dois dias nos dará, de novo, a vida †
e em três dias haverá de reerguer-nos *
e viveremos na presença do Senhor.

– 3 Apliquemo-nos, a fim de o conhecer, *
esforcemo-nos, a fim de o seguir!
= Tão certa como a aurora é sua vinda, †
como a chuva para nós ele virá, *
chuva tardia, que irriga toda a terra.

=4 “Que te farei, ó Efraim, e a ti, Judá? †
O vosso amor é como a nuvem da manhã, *
como orvalho que, depressa, se dissipa.
=5 Por isso, os castiguei pelos profetas †
e os matei pelas palavras de minha boca *
e meu juízo resplandece como a luz.

– 6 Misericórdia eu quero e não teus sacrifícios, *
conhecimento do Senhor, mais que holocaustos.”

Cântico III Sf 3,8-13

O resto de Israel, no fim, será salvo

Isaías clama a respeito de Israel: Ainda que o número dos israelitas fosse como a areia do mar, só um resto será salvo (Rm9,27).

=8 Esperai-me, esperai-me, palavra do Senhor, †
no dia em que eu me levantar para dar meu testemunho,*
porque é minha decisão, reunir nações e reinos,
= a fim de derramar sobre eles meu furor †
e toda a indignação da minha cólera inflamada, *
pois o fogo do meu zelo consumirá a terra inteira.

=9 Então, eu haverei de dar aos povos lábios puros, †
para todos invocarem o nome do Senhor *
e o servirem, lado a lado, com igual dedicação.
10 De além dos rios da Etiópia virão os meus adoradores,*
os meus filhos espalhados me trarão seus sacrifícios.

11 Naquele dia, não terás de envergonhar-te de tuas obras,*
dos pecados cometidos, pelos quais tu me traíste,
= porque, então, eu tirarei do teu meio os teus soberbos †
e arrogantes fanfarrões; e não mais te orgulharás *
sobre este Monte santo, que é meu, diz o Senhor.

12 Em teu meio deixarei um povo humilde e modesto, *
que porá sua esperança no nome do Senhor.

= O resto de Israel não fará mais injustiça, †
13 nem mentiras falará; e não mais se haverá *
de encontrar em sua boca uma língua enganadora.

– Pois, serão apascentados e repouso encontrarão *
e não haverá ninguém que os possa perturbar.

Ant. Vinde, todos, adoremos quem da morte ressurgiu;
foi pela cruz que entrou no mundo a alegria, Aleluia!

Leitura do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 24,35-53

Era preciso que o Cristo sofresse e ressurgisse dos mortos

Naquele tempo: 35 os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

36 Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!” 37 Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. 38 Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? 39 Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho.” 40 E dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. 41 Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” 42 Deram-lhe um pedaço de peixe assado. 43 Ele o tomou e comeu diante deles.

44 Depois disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos.” 45 Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, 46 e lhes disse: “Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia 47 e no seu nome, serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. 48 Vós sereis testemunhas de tudo isso. 49 Eu enviarei sobre vós aquele que meu Pai prometeu. Por isso, permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto”.

50Então Jesus levou-os para fora, até perto de Betânia. Ali ergueu as mãos e abençoou-os. 51 Enquanto os abençoava, afastou-se deles e foi levado para o céu. 52 Eles o adoraram. Em seguida voltaram para Jerusalém, com grande alegria. 53 E estavam sempre no Templo, bendizendo a Deus.

HINO TE DEUM (A VÓS, Ó DEUS, LOUVAMOS)

A vós, ó Deus, louvamos,
a vós, Senhor, cantamos.
A vós, Eterno Pai,
adora toda a terra.

A vós cantam os anjos,
os céus e seus poderes:
Sois Santo, Santo, Santo,
Senhor, Deus do universo!

Proclamam céus e terra
a vossa imensa glória.
A vós celebra o coro
glorioso dos Apóstolos,

Vos louva dos Profetas
a nobre multidão
e o luminoso exército
dos vossos santos Mártires.

A vós por toda a terra
proclama a Santa Igreja,
ó Pai onipotente,
de imensa majestade,

e adora juntamente
o vosso Filho único,
Deus vivo e verdadeiro,
e ao vosso Santo Espírito.

Ó Cristo, Rei da glória,
do Pai eterno Filho,
nascestes duma Virgem,
a fim de nos salvar.

Sofrendo vós a morte,
da morte triunfastes
abrindo aos que têm fé
dos céus o reino eterno.

Sentastes à direita
de Deus, do Pai na glória.
Nós cremos que de nov
vireis como juiz.

Portanto, vos pedimos:
salvai os vossos servos,
que vós, Senhor, remistes
com sangue precioso.

Fazei-nos ser contados,
Senhor, vos suplicamos,
em meio a vossos santos
na vossa eterna glória.

(A parte que se segue pode ser omitida, se for oportuno).

Salvai o vosso povo.
Senhor, abençoai-o.
Regei-nos e guardai-nos
até a vida eterna.

Senhor, em cada dia,
fiéis, vos bendizemos,
louvamos vosso nome
agora e pelos séculos.

Dignai-vos, neste dia,
guardar-nos do pecado.
Senhor, tende piedade
de nós, que a vós clamamos.

Que desça sobre nós,
Senhor, a vossa graça,
porque em vós pusemos
a nossa confiança.

Fazei que eu, para sempre,
não seja envergonhado:
Em vós, Senhor, confio,
sois vós minha esperança!

Oração

Ó Deus, por quem fomos remidos e adotados como filhos e filhas, velai sobre nós em vosso amor de Pai e concedei aos que creem no Cristo a liberdade verdadeira e a herança eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

Categorias
Helber Clayton é leigo católico, servidor público, escritor, casado, formado em Letras, com licenciatura em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e respectivas literaturas, Especialista em Língua Latina e Filologia Românica.
Mora em Teixeira de Freitas na Bahia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *