Sexta-feira da Primeira Semana do Tempo Comum

Próprio do Tempo; I Semana do Saltério

Ofício das Leituras

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.
Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

Hino

I. Quando se diz o Ofício das Leituras durante a noite ou de madrugada:

Reinais no mundo inteiro,
Jesus, ó sol divino;
deixamos nossos leitos,
cantando este hino.

Da noite na quietude,
do sono levantamos:
mostrando as nossas chagas,
remédio suplicamos.

Oh! quanto mal fizemos,
por Lúcifer levados:
que a glória da manhã
apague esses pecados!

E assim o vosso povo,
por vós iluminado,
jamais venha a tombar
nos laços do Malvado.

A glória seja ao Pai,
ao Filho seu também;
ao Espírito igualmente,
agora e sempre. Amém.

II. Quando se diz o Ofício das Leituras durante o dia:

Cristo, em nossos corações
infundi a caridade.
Nossos olhos chorem lágrimas
de ternura e piedade.

Para vós, Jesus piedoso,
nossa ardente prece erguemos.
Perdoai-nos, compassivo,
todo o mal que cometemos.

Pelo vosso santo corpo,
pela cruz, vosso sinal,
vosso povo, em toda parte,
defendei de todo o mal.

A vós, Cristo, Rei clemente,
e a Deus Pai, eterno Bem,
com o vosso Santo Espírito
honra e glória sempre. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Levantai-vos, ó Senhor, vinde logo em meu socorro!

Salmo 34(35),1-2.3c.9-19.22-23.27.28

O Senhor salva nas perseguições

Reuniram-se… e resolveram prender Jesus por um ardil para o matar (Mt 26,3.4).

I

1 Acusai os que me acusam, ó Senhor, *
combatei os que combatem contra mim!
=2 Empunhai o vosso escudo e armadura; †
levantai-vos, vinde logo em meu socorro *
3c e dizei-me: “Sou a tua salvação!”

9 Então minh’alma no Senhor se alegrará *
e exulta de alegria em seu auxílio.
10 Direi ao meu Senhor com todo o ser: *
“Senhor, quem pode a vós se assemelhar,
– pois livrais o infeliz do prepotente *
e libertais o miserável do opressor?”

11 Surgiram testemunhas mentirosas, *
acusando-me de coisas que não sei.
12 Pagaram com o mal o bem que fiz, *
e a minh’alma está agora desolada!

Ant. Levantai-vos, ó Senhor, vinde logo em meu socorro!

Ant. 2 Defendei minha causa, Senhor poderoso!

II

=13 Quando eram eles que sofriam na doença, †
eu me humilhava com cilício e com jejum *
e revolvia minhas preces no meu peito;
14 eu sofria e caminhava angustiado *
como alguém que chora a morte de sua mãe.

=15 Mas apenas tropecei, eles se riram; †
como feras se juntaram contra mim *
e me morderam, sem que eu saiba seus motivos;
16 eles me tentam com blasfêmias e sarcasmos *
e se voltam contra mim rangendo os dentes.

Ant. Defendei minha causa, Senhor poderoso!

Ant. 3 Minha língua anuncia vossa justiça eternamente.

III

=17 Até quando, ó Senhor, podeis ver isso? †
Libertai a minha alma destas feras *
e salvai a minha vida dos leões!
18 Então, em meio à multidão, vos louvarei *
e na grande assembléia darei graças.

19 Que não possam nunca mais rir-se de mim *
meus inimigos mentirosos e injustos!
– Nem acenem os seus olhos com maldade *
aqueles que me odeiam sem motivo!

22 Vós bem vistes, ó Senhor, não vos caleis! *
Não fiqueis longe de mim, ó meu Senhor!
23 Levantai-vos, acordai, fazei justiça! *
Minha causa defendei, Senhor, meu Deus!

27 Rejubile de alegria todo aquele *
que se faz o defensor da minha causa
– e possa dizer sempre: “Deus é grande, *
ele deseja todo o bem para o seu servo!”
28 Minha língua anunciará vossa justiça *
e cantarei vosso louvor eternamente!

Ant. Minha língua anuncia vossa justiça eternamente.

V. Meu filho, observa as minhas palavras.
R. Conserva a doutrina e haverás de viver.

Primeira leitura

Do Livro do Eclesiástico             43,14-37

O louvor divino na criação

14Por sua ordem, [o Altíssimo] faz cair a neve
e lança os relâmpagos de seu julgamento.
15Por causa disso é que se abrem seus tesouros
e as nuvens esvoaçam como pássaros.
16Em sua grandeza condensa as nuvens
e as pedras de granizo se fragmentam.
A voz do seu trovão aterroriza a terra
17e ante a sua visão as montanhas se abalam.
Por sua vontade sopra o vento do sul,
18assim como o furacão do norte e os ciclones.
19Espalha a neve como pássaros que descem,
e ela cai como gafanhotos que pousam.
20A beleza de sua alvura arrebata o olhar,
e o coração se sente extasiado ao vê-la cair.
21Despeja sobre a terra a geada, como sal,
e ela enrijece como pontas de espinhos.
22O vento frio do norte põe-se a soprar,
fazendo condensar-se o gelo sobre a água;
e sobre toda a massa líquida se estende,
como de uma couraça revestindo a água.
23Esse vento devora as montanhas e abrasa o deserto,
e consome o verdor das plantas como fogo.
24A névoa úmida é pronto remédio para tudo isso;
e o orvalho, que chega após o verão, traz alegria.
25O Senhor, com seu desígnio, aplacou o oceano
e nele plantou as ilhas.
26Os que navegam sobre o mar descrevem seus perigos,
e ficamos admirados com o que ouvimos a respeito:
27há nele coisas estranhas e maravilhosas,
animais de toda espécie e monstros marinhos.
28Para o Senhor, porém, seu mensageiro chega à meta
e por sua palavra tudo se coaduna.
29Poderíamos dizer muitas coisas e não chegaríamos ao fim:
Eis o resumo das palavras: “Ele é tudo”.
30Onde acharíamos força para glorificá-lo?
Ele é o Grande, acima de todas as suas obras.
31O Senhor é terrível e soberanamente grande,
e admirável é seu poder.
32Glorificando o Senhor, exaltai-o quanto puderdes,
pois estará sempre ainda mais acima,
porque é admirável a sua grandeza(33)
34Para exaltá-lo redobrai as forças,
e não vos canseis, pois não chegareis ao fim.
35Quem o viu para podê-lo descrever?
Quem o louvará assim como ele é?
36Há muitos mistérios maiores ainda,
porque vemos poucas dentre as suas obras.
37O Senhor fez todas as coisas.
Ele dá a sabedoria àqueles que vivem com piedade.

Responsório             Cf. Eclo 43,29.30

R. Para darmos glória a Deus, nós diremos muitas coisas
e nos faltam as palavras;
* O resumo das palavras se encontra nesta frase:
Ele está em todo ser.
V. Que podemos nós dizer para darmos glória a Deus?
pois é ele o Onipotente muito acima de suas obras.
* O resumo.

Segunda leitura

Do Discurso contra os gentios, de Santo Atanásio, bispo.

(Nn.42-43: PG25,83-87)      (Séc.IV)

Todas as coisas compõem pelo Verbo uma divina harmonia

Nada há absolutamente de quanto existe que não tenha sido feito nele e por ele. O Teólogo no-lo ensina pelas palavras: No princípio era o Verbo e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada se fez (Jo 1,1).

O musicista, com uma harpa bem afinada, combina artisticamente os sons graves com os agudos e os médios, de modo a produzir uma só harmonia. Assim também, a Sabedoria de Deus, empunhando todo o universo como uma harpa, conjuga as coisas aéreas com as terrenas e as celestes com as aéreas, ligando o todo com suas partes. Assim, dirigindo tudo por um aceno de sua vontade, produz um só universo, um universo com sua ordem cheia de beleza e de harmonia. Entretanto ele mesmo, Verbo de Deus, permanece sempre imóvel junto do Pai, enquanto tudo se move dentro da força da respectiva natureza, segundo o agrado do Pai. Por seu dom, tudo vive e se mantém conforme sua natureza, compondo assim, por ele, uma admirável harmonia, verdadeiramente divina. Só por comparação podemos entender uma realidade tão imensa! Por exemplo: num coro numeroso, com muitos homens, mulheres, crianças, velhos e adolescentes, sob a direção de um só, todos cantam conforme sua capacidade e estado, homem como homem, criança como criança, velho como velho, jovem como jovem.No entanto, todos formam uma só harmonia. Outro exemplo: como nossa alma, ao mesmo tempo, move nossos sentidos segundo suas propriedades. Na presença de alguma coisa, todos eles se movimentam: os olhos veem, os ouvidos escutam, as mãos tocam, o olfato percebe, o paladar prova e mesmo os outros membros muitas vezes agem, por exemplo, os pés caminham. Assim acontece nas coisas naturais. Estas são imagens, embora fraquíssimas, que nos ajudam a perceber as realidades mais altas.

Na verdade, num instante, um só aceno do Verbo de Deus rege todas as coisas ao mesmo tempo, de forma que cada ser realiza o que lhe é próprio e todos em conjunto perfazem uma só harmonia.

Responsório Tb 12,6b

R. Bendizei o Deus do céu e proclamai,
na presença de todos os viventes,
os bens que ele nos tem concedido.
* Cantai e bendizei seu santo nome!
V. A ação de Deus manifestai devidamente
e nunca vos canseis de dar-lhe graças. * Cantai.

Oração

Ó Deus, atendei como pai às preces do vosso povo; dai-nos a compreensão dos nossos deveres e a força de cumpri-los. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.