Memória de São João da Cruz, presbítero e doutor da Igreja

Ofício das Leituras

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

Eterno Sol, que envolveis
a criação de esplendor,
a vós, Luz pura das mentes,
dos corações o louvor.

Pelo poder do Espírito,
lâmpadas vivas brilharam.
Da salvação os caminhos
a todo o mundo apontaram.

Por estes servos da graça
fulgiu com novo esplendor
o que a palavra proclama
e que a razão demonstrou.

Tem parte em suas coroas,
pela doutrina mais pura,
este varão que louvamos
e como estrela fulgura.

Por seu auxílio pedimos:
dai-nos, ó Deus, caminhar
na direção da verdade
e assim a vós alcançar.

Ouvi-nos, Pai piedoso,
e vós, ó Filho, também,
com o Espírito Santo,
Rei para sempre. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Eis que Deus se põe de ,
e os inimigos se dispersam! †

Salmo 67(68)

Entrada triunfal do Senhor

Tendo subido às alturas, ele capturou prisioneiros e distribuiu dons aos homens (Ef 4,8).

I

2 Eis que Deus se põe de , e os inimigos se dispersam!*
† Fogem longe de sua face os que odeiam o Senhor!
=3 Como a fumaça se dissipa, assim também os dissipais, †
como a cera se derrete, ao contato com o fogo, *
assim pereçam os iníquos ante a face do Senhor!

4 Mas os justos se alegram na presença do Senhor *
rejubilam satisfeitos e exultam de alegria!
=5 Cantai a Deus, a Deus louvai, cantai um salmo a seu nome! †
Abri caminho para Aquele que avança no deserto; *
o seu nome é Senhor: exultai diante dele!

6 Dos órfãos ele é pai, e das viúvas protetor; *
é assim o nosso Deus em sua santa habitação.
=7 É o Senhor quem dá abrigo, dá um lar aos deserdados, †
quem liberta os prisioneiros e os sacia com fartura, *
mas abandona os rebeldes num deserto sempre estéril!

8 Quando saístes com o povo, caminhando à sua frente *
e atravessando o deserto, a terra toda estremeceu;
9 orvalhou o próprio céu ante a face do Senhor, *
e o Sinai também tremeu perante o Deus de Israel.

10 Derramastes lá do alto uma chuva generosa, *
e vossa terra, vossa herança, já cansada, renovastes;
11 e ali vosso rebanho encontrou sua morada; *
com carinho preparastes essa terra para o pobre.

Ant. Eis que Deus se põe de ,
e os inimigos se dispersam!

Ant. 2 Nosso Deus é um Deus que salva,
só o Senhor livra da morte.

II

12 O Senhor anunciou a boa-nova a seus eleitos, *
e uma grande multidão de nossas jovens a proclama:
13 “Muitos reis e seus exércitos fogem um após o outro, *
e a mais bela das mulheres distribui os seus despojos.

=14 Enquanto descansais entre a cerca dos apriscos, †
as asas de uma pomba como prata resplandecem, *
e suas penas têm o brilho de um ouro esverdeado.
15 O Senhor onipotente dispersou os poderosos, *
dissipou-os como a neve que se espalha no Salmon!”

16 Montanhas de Basã tão escarpadas e altaneiras *
ó montes elevados desta serra de Basã,
=17 por que tendes tanta inveja, ó montanhas sobranceiras, †
deste Monte que o Senhor escolheu para morar? *
Sim, é nele que o Senhor habita eternamente!

18 Os carros do Senhor contam milhares de milhares; *
do Sinai veio o Senhor, para morar no santuário.
=19 Vós subistes para o alto e levastes os cativos, †
os homens prisioneiros recebestes de presente, *
até mesmo os que não querem vão morar em vossa casa.

20 Bendito seja Deus, bendito seja cada dia, *
o Deus da nossa salvação, que carrega os nossos fardos!
21 Nosso Deus é um Deus que salva, é um Deus libertador;*
o Senhor, só o Senhor, nos pode livrar da morte!
22 Ele esmaga a cabeça dos que são seus inimigos, *
e os crânios contumazes dos que vivem no pecado.

23 Diz o Senhor: “Eu vou trazê-los prisioneiros de Basã, *
até do fundo dos abismos vou tra-los prisioneiros!
24 No sangue do inimigo o teu  vai mergulhar, *
e a língua de teus cães terá também a sua parte”.

Ant. Nosso Deus é um Deus que salva,
só o Senhor livra da morte.

Ant. 3 Reinos da terra, celebrai
o nosso Deus, cantai-lhe salmos!

III

25 Contemplamos, ó Senhor, vosso cortejo que desfila, *
é a entrada do meu Deus, do meu Rei, no santuário;
26 os cantores vão à frente, vão atrás os tocadores, *
e no meio vão as jovens a tocar seus tamborins.

27 “Bendizei o nosso Deus, em festivas assembléias! *
Bendizei nosso Senhor, descendentes de Israel!”
=28 Eis o jovem Benjamim que vai à frente deles todos; †
eis os chefes de Judá com as suas comitivas, *
os principais de Zabulon e os principais de Neftali.

29 Suscitai, ó Senhor Deus, suscitai vosso poder, *
confirmai este poder que por nós manifestastes,
30 a partir de vosso templo, que es em Jerusalém, *
para vós venham os reis e vos ofertem seus presentes!

=31 Ameaçai, ó nosso Deus, a fera brava dos caniços, †
a manada de novilhos e os touros das nações! *
Que vos rendam homenagem e vos tragam ouro e prata!
= Dispersai todos os povos que na guerra se comprazem!†
32 Venham príncipes do Egito, venham dele os poderosos,*
e levante a Etiópia suas mãos para o Senhor!

=33 Reinos da terra, celebrai o nosso Deus, cantai-lhe salmos! †
34 Ele viaja no seu carro sobre os céus dos céus eternos. *
Eis que eleva e faz ouvir a sua voz, voz poderosa.

35 Dai glória a Deus e exaltai o seu poder por sobre as nuvens. *
Sobre Israel, eis sua glória e sua grande majestade!
36 Em seu templo ele é admirável e a seu povo dá poder. *
Bendito seja o Senhor Deus, agora e sempre. Amém, amém!

Ant. Reinos da terra, celebrai
o nosso Deus, cantai-lhe salmos!

V. No deserto ressoa uma voz:
Preparai o caminho do Senhor.

R. Aplainai as estradas de Deus.

Primeira leitura

Do Livro do Profeta Isaías             30,27-33; 31,4-9

Jerusalém é salva dos assírios

27 Eis que de longe se anuncia o nome do Senhor,
ele vem ardendo em ira,
sua explosão é grande;
seus lábios encheram-se de indignação
e sua língua é um fogo devorador.
28
 O seu espírito é uma torrente transbordante
que chega até ao pescoço,
vem para fazer passar as nações por um crivo fatal,
e pôr um falso freio na boca dos povos.
29
 Entoareis um cântico,
como em noite de festa santificada,
e a alegria do coração
é como a daquele que, ao som da flauta,
marcha para o monte do Senhor,
para a Pedra de Israel.
30
 O Senhor fará ouvir força de sua voz
e mostrará o seu braço terrível na ameaça da ira
e na chama do fogo devorador,
na tempestade, na chuva e no granizo.
31 
O assírio, batido à vara,
estremecerá à voz do Senhor.
32
 Toda pancada do bastão golpeador,
que o Senhor fará acertar em cima dele,
se dará ao som de tamborins e cítaras;
a todos derrotará em combates encarniçados.
33 
Desde tempos está preparado o forno,
fundo e espaçoso,
com muito fogo e lenha em sua pira;
o sopro do Senhor, como torrente de enxofre,
virá acendê-lo.
31,4
 Isto me diz o Senhor:
“Como ruge o leão e o filhote sobre a presa,
quando atacado por um magote de pastores,
sem se intimidar pela gritaria e pela multidão,
assim também virá o Senhor dos exércitos
para combater pelo monte Sião e por sua colina.
Como as aves voando,
assim o Senhor dos exércitos
dará a Jerusalém
sua proteção e libertação, seu perdão e salvação”.
Filhos de Israel,
voltai para ele, de quem tanto vos afastastes.
Pois, naquele dia, cada qual lançará fora
seus ídolos de prata e seus ídolos de ouro,
feitos para o pecado pelas nossas mãos;
8
 a Assíria será abatida
por uma espada, que não é de homem,
– uma espada não-humana a exterminará;
ela se esquivará aos seus golpes,
mas pagará tributo
com a vida dos jovens guerreiros.
Seu centro de forças tremerá de pavor,
os próprios príncipes abandonarão sua bandeira
– disse o Senhor, cujo fogo queima em Sião
e cuja fornalha, em Jerusalém.

 Responsório Is 31,4.5; 30,29

R. Sobre o monte de Sião desce o Deus do universo;
* Como as aves que protegem e defendem seus filhotes,
o Senhor protege e salva Jerusalém.
V. Com alegre coração vosso canto elevareis
como em noite de festejos. * Como as aves.

Segunda leitura

Do Cântico espiritual, de São João da Cruz, presbítero

(Red. B, str. 36-37, Edit. E. Pacho, S. Juan de la Cruz, Obras completas, Burgos, 1982, p. 1124-1135)    (Sec. XVI)

Conhecimento do mistério escondido em Cristo Jesus

Embora os santos doutores tenham explicado muitos mistérios e maravilhas, e pessoas  devotadas a esse estado de vida os conheçam, contudo, a maior parte desses mistérios  está por ser enunciada, ou melhor, resta para ser entendida.

Por isso é preciso cavar fundo em Cristo, que se assemelha a uma mina riquíssima, contendo em si os maiores tesouros; nela por mais que alguém cave em profundidade, nunca encontra fim ou termo. Ao contrário, em toda cavidade aqui e ali novos veios de novas riquezas.

Por este motivo o apóstolo Paulo falou acerca de Cristo: Nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência de Deus (Cl 2, 3). A alma não pode ter acesso a estes tesouros, nem consegue alcançá-los se não houver antes atravessado e entrado na espessura dos trabalhos, sofrendo interna e externamente e sem ter primeiro recebido de Deus muitos benefícios intelectuais e sensíveis e sem prévio e contínuo exercício espiritual.

Tudo isto é, sem dúvida, insignificante; são meras disposições para as sublimes profundidades do conhecimento dos mistérios de Cristo, a mais alta sabedoria a que se pode chegar nesta vida.

Quem dera reconhecessem os homens ser totalmente impossível chegar à espessura das riquezas e da sabedoria de Deus! Importa antes entrar na espessura das labutas, suportar muitos sofrimentos, a ponto de renunciar à consolação e ao desejo dela. Com quanta razão a alma, sedenta da divina sabedoria, escolhe antes em verdade entrar na espessura da cruz.

Por isso, São Paulo exortava os efésios a não desanimarem nas tribulações, a serem fortíssimos, enraizados e fundados na caridade, para que pudessem compreender, com todos os santos, qual a largura, o comprimento, a altura, a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que ultrapassa todo conhecimento, a fim de serem cumulados até receber toda a plenitude de Deus (Ef 3, 17-19).

Já que a porta por onde se pode entrar até esta preciosa sabedoria é a cruz, e é porta estreita, muitos são os que cobiçam as delícias que por ela se alcançam; pouquíssimos os que desejam por ela entrar.

Responsório 1Cor 2,9-10

R. Os olhos não viram, os ouvidos não ouviram
e nem suspeitou a mente humana,
* O que Deus preparou para aqueles que o amam.
V. Deus, porém, revelou-nos pelo Espírito Santo.
* O que Deus.

Oração

Ó Deus, que inspiraste ao presbítero São João da Cruz extraordinário amor pelo Cristo e total desapego de si mesmo, fazei que, imitando sempre o seu exemplo, cheguemos à contemplação da vossa glória. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.