Memória de São Gregório Magno, papa e doutor da Igreja

Ofício das Leituras

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

Eterno Sol, que envolveis
a criação de esplendor,
a vós, Luz pura das mentes,
dos corações o louvor.

Pelo poder do Espírito,
lâmpadas vivas brilharam.
Da salvação os caminhos
a todo o mundo apontaram.

Por estes servos da graça
fulgiu com novo esplendor
o que a palavra proclama
e que a razão demonstrou.

Tem parte em suas coroas,
pela doutrina mais pura,
este varão que louvamos
e como estrela fulgura.

Por seu auxílio pedimos:
dai-nos, ó Deus, caminhar
na direção da verdade
e assim a vós alcançar.

Ouvi-nos, Pai piedoso,
e vós, ó Filho, também,
com o Espírito Santo,
Rei para sempre. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Repreendei-me, Senhor, mas sem ira! †

Salmo 37(38)

Súplica de um pecador em extremo perigo

Todos os conhecidos de Jesus ficaram à distância (Lc 23,49).

I

2 Repreendei-me, Senhor, mas sem ira; *
† corrigi-me, mas não com furor!

3 Vossas flechas em mim penetraram; *
vossa mão se abateu sobre mim.
4 Nada resta de são no meu corpo, *
pois com muito rigor me tratastes!

– Não há parte sadia em meus ossos, *
pois pequei contra vós, ó Senhor!
5 Meus pecados me afogam e esmagam, *
como um fardo pesado me oprimem.

Ant. Repreendei-me, Senhor, mas sem ira!

Ant. 2 Conheceis meu desejo, Senhor.

II

6 Cheiram mal e supuram minhas chagas *
por motivo de minhas loucuras.
7 Ando triste, abatido, encurvado, *
todo o dia afogado em tristeza.

8 As entranhas me ardem de febre, *
já não  parte sã no meu corpo.
9 Meu coração grita e geme de dor, *
esmagado e humilhado demais.

10 Conheceis meu desejo, Senhor, *
meus gemidos vos são manifestos;
=11 bate pido o meu coração, †
minhas forças estão me deixando, *
e sem luz os meus olhos se apagam.

=12 Companheiros e amigos se afastam, †
fogem longe das minhas feridas; *
meus parentes mantêm-se à distância.

13 Armam laços os meus inimigos, *
que procuram tirar minha vida;
– os que buscam matar-me ameaçam *
e maquinam traições todo o dia.

Ant. Conheceis meu desejo, Senhor.

Ant. 3 Confesso, Senhor, minha culpa:
salvai-me, e jamais me deixeis!

III

14 Eu me faço de surdo e não ouço, *
eu me faço de mudo e não falo;
15 semelhante a alguém que não ouve *
e não tem a resposta em sua boca.

16 Mas, em vós, ó Senhor, eu confio, *
e ouvireis meu lamento, ó meu Deus!
17 Pois rezei: “Que não zombem de mim, *
nem se riam, se os pés me vacilam!”

18 Ó Senhor, estou quase caindo, *
minha dor não me larga um momento!
19 Sim, confesso, Senhor, minha culpa: *
meu pecado me aflige e atormenta.

=20 São bem fortes os meus adversários †
que me vêm atacar sem razão; *
quantos  que sem causa me odeiam!
21 Eles pagam o bem com o mal, *
porque busco o bem, me perseguem.

22 Não deixeis vosso servo sozinho, *
ó meu Deus, ficai perto de mim!
23 Vinde logo trazer-me socorro, *
porque sois para mim Salvação!

Ant. Confesso, Senhor, minha culpa:
salvai-me, e jamais me deixeis!

V. Os meus olhos se gastaram de esperar-vos
R. E de aguardar vossa justiça e salvação.

Primeira leitura

Do Livro do Profeta Jeremias                 30,18–31,9

Promessas de restauração de Israel

30,18 Isto diz o Senhor:

Eis que eu mudarei a sorte das tendas de Jacó

e terei compaixão de suas moradias,

a cidade ressurgirá das suas ruínas

e a fortaleza terá lugar para suas fundações;

19 de lá sairão cânticos de louvor e sons festivos.

Hei de multiplicá-los, eles não diminuirão,

hei de glorificá-los, eles não serão humilhados.

20 Teus filhos serão felizes como outrora,

e sua comunidade, estável na minha presença;

e agirei contra todos os que os molestarem.

21 Para chefe será escolhido um dos seus,

e o soberano sairá do seu meio;

eu o incitarei, e ele se aproximará de mim.

Quem dará a vida

em penhor da sua aproximação de mim?

– diz o Senhor.

22 Sereis meu povo

e eu serei vosso Deus.

23 Eis o vento do Senhor,

força que explode, tempestade que tomba;

termina sobre a cabeça dos ímpios.

24 Não recuará o Senhor de sua irada indignação,

enquanto não fizer realizar

seus profundos pensamentos;

entenderás estas coisas nos últimos tempos.

31,1 Naquele tempo,

diz o Senhor,

serei Deus para todas as tribos de Israel,

e elas serão meu povo.

2 Isto diz o Senhor:

“Encontrou perdão no deserto

o povo que escapara à espada;

Israel encaminha-se para o seu descanso.”

3 O Senhor apareceu-me de longe:

“Amei-te com amor eterno

e te atraí com a misericórdia.

4 De novo te edificarei, serás reedificada,

ó jovem nação de Israel;

de novo teus tambores ornarão as praças

e sairás entre grupos de dançantes.

5 Hás de plantar vinhas

nos montes de Samaria;

os cultivadores hão de plantar

e também colher.

6 Virá o dia em que gritarão os guardas

no monte Efraim:

‘Levantai-vos, vamos a Sião,

vamos ao Senhor, nosso Deus’.

7 Isto diz o Senhor:

Exultai de alegria por Jacó,

aclamai a primeira das nações;

tocai, cantai e dizei:

‘Salva, Senhor, teu povo,

o resto de Israel’.

8 Eis que eu os trarei do país do Norte

e os reunirei desde as extremidades da terra;

entre eles há cegos e aleijados,

mulheres grávidas e parturientes:

são uma grande multidão os que retornam.

9 Eles chegarão entre lágrimas

e eu os receberei entre preces;

eu os conduzirei por torrentes d’água,

por um caminho reto onde não tropeçarão,

pois tornei-me um pai para Israel,

e Efraim é o meu primogênito.”

Responsório Jr 31,6; Is 2,5

R. O dia chegará em que os guardas clamarão:

* Levantai-vos, levantai-vos e subamos a Sião,

ao Senhor e nosso Deus!

V. Vinde, ó casa de Jacó, caminhemos sob a luz

do Senhor e nosso Deus. * Levantai-vos.

Segunda leitura

Das Homilias sobre Ezequiel, de São Gregório Magno, papa

(Lib. 1,11,4-6: CCL142,170-172)                 (Séc.VI)

Por amor de Cristo, me consagro totalmente à sua palavra

Filho do homem, eu te coloquei como sentinela da casa de Israel (Ez 3,16). É de se notar que o Senhor chama de sentinela aquele a quem envia a pregar. A sentinela, de fato, está sempre no alto para enxergar de longe quem vem. E quem quer que seja sentinela do povo deve manter-se no alto por sua vida, para ser útil por sua providência. 

Como é duro para mim isto que digo! Ao falar, firo-me a mim mesmo, pois minha língua não mantém, como seria justo, a pregação e, mesmo que consiga mantê-la, a vida não concorda com a língua.  

Eu não nego ser culpado, conheço minha inércia e negligência. Talvez haja diante do juiz bondoso um pedido de perdão no reconhecimento da culpa. Na verdade, quando no mosteiro podia não só reter a língua de palavras ociosas, mas quase continuamente manter o espírito atento à oração. Mas depois que pus aos ombros do coração o cargo pastoral, meu espírito não consegue recolher-se sempre, porque está dividido entre muitas coisas. 

Sou obrigado a decidir ora questões das Igrejas, ora dos mosteiros; com frequência ponderar a vida e as ações de outrem; ora auxiliar em certos negócios dos cidadãos, ora gemer sob as espadas dos bárbaros invasores e temer os lobos que rondam o rebanho sob minha guarda. Por vezes, devo encarregar-me da administração, para que não venha a faltar o necessário aos submetidos à disciplina da regra. Às vezes devo tolerar com igualdade de ânimo certos ladrões, ora opor-me a eles pelo desejo de conservar a caridade. Estando assim dispersa e dilacerada a mente, quando voltará a recolher-se toda na pregação, e não se afastar do ministério da proclamação da Palavra? Por obrigação do cargo, muitas vezes tenho de encontrar-me com seculares; por isso sempre relaxo a guarda da língua. Pois se constantemente me mantenho sob o rigor de minha censura, sei que sou evitado pelos mais fracos e nunca os atraio para onde desejo. Por esta razão, muitas vezes tenho de ouvi-los pacientemente em questões ociosas. Mas, sendo eu mesmo fraco, arrastado aos poucos pelas palavras vãs, começo a dizer sem dificuldade aquilo que a princípio tinha ouvido com má vontade; e ali onde me aborrecia cair, agrada-me permanecer. 

Que, pois, ou que espécie de sentinela sou eu, que não estou de pé no monte da ação, mas ainda deitado no vale da fraqueza? Poderoso é, porém, o criador e redentor do gênero humano para conceder-me, a mim, indigno, a elevação da vida e a eficácia da palavra. Por seu amor, me consagro totalmente à sua palavra.

 Responsório

R. Fez brotar das escrituras a moral e a mística;

como a água da fonte,

fez correr para os povos os rios do Evangelho.

* E estando ausente, ainda nos fala.

V. Como a águia no alto, sobre o mundo voando,

com amor sem fronteiras, ele cuida de todos:

dos pequenos e grandes. * E estando.

Oração

Ó Deus, que cuidais do vosso povo com indulgência e o governais com amor, dai, pela intercessão de São Gregório Magno, o espírito de sabedoria àqueles a quem confiastes o governo da vossa Igreja, a fim de que o progresso das ovelhas contribua para a alegria dos pastores. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.