Sexta-feira da 15ª Semana do Tempo Comum III Semana do Saltério

Compartilhar:

 

Invitatório

 Ant. do Invitatório: Demos graças ao Senhor, porque eterno é seu amor!


V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

Hino

I. Quando se diz o Ofício das Leituras durante a noite ou de madrugada:

Reinais no mundo inteiro,
Jesus, ó sol divino;
deixamos nossos leitos,
cantando este hino.

Da noite na quietude,
do sono levantamos:
mostrando as nossas chagas,
remédio suplicamos.

Oh! quanto mal fizemos,
por Lúcifer levados:
que a glória da manhã
apague esses pecados!

E assim o vosso povo,
por vós iluminado,
jamais venha a tombar
nos laços do Malvado.

A glória seja ao Pai,
ao Filho seu também;
ao Espírito igualmente,
agora e sempre. Amém.

II. Quando se diz o Ofício das Leituras durante o dia:

Cristo, em nossos corações
infundi a caridade.
Nossos olhos chorem lágrimas
de ternura e piedade.

Para vós, Jesus piedoso,
nossa ardente prece erguemos.
Perdoai-nos, compassivo,
todo o mal que cometemos.

Pelo vosso santo corpo,
pela cruz, vosso sinal,
vosso povo, em toda parte,
defendei de todo o mal.

A vós, Cristo, Rei clemente,
e a Deus Pai, eterno Bem,
com o vosso Santo Espírito
honra e glória sempre. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Estou cansado de gritar e de esperar pelo meu Deus.

Salmo 68(69), 2-22.30-37

O zelo pela vossa casa me devora

Deram vinho misturado com fel para Jesus beber (Mt 27,34).

I

2 Salvai-me, ó meu Deus, porque as águas *
a o meu pescoço já chegaram!

3 Na lama do abismo eu me afundo *
e não encontro um apoio para os pés.

– Nestas águas muito fundas vim cair, *
e as ondas já começam a cobrir-me!

4 À força de gritar, estou cansado; *
minha garganta já ficou enrouquecida.

– Os meus olhos já perderam sua luz, *
de tanto esperar pelo meu Deus!

5 Mais numerosos que os cabelos da cabeça, *
são aqueles que me odeiam sem motivo;

– meus inimigos são mais fortes do que eu; *
contra mim eles se voltam com mentiras!

– Por acaso poderei restituir *
alguma coisa que de outros não roubei?

6
Ó Senhor, vós conheceis minhas loucuras, *
e minha falta não se esconde a vossos olhos.

7 Por minha causa não deixeis desiludidos *
os que esperam sempre em vós, Deus do universo!

– Que eu não seja a decepção e a vergonha *
dos que vos buscam, Senhor Deus de Israel!

8 Por vossa causa é que sofri tantos insultos, *
e o meu rosto se cobriu de confusão;

9
eu me tornei como um estranho a meus irmãos, *
como estrangeiro para os filhos de minha mãe.

10 Pois meu zelo e meu amor por vossa casa *
me devoram como fogo abrasador;

– e os insultos de infiéis que vos ultrajam *
recaíram todos eles sobre mim!

11 Se aflijo a minha alma com jejuns, *
fazem disso uma razão para insultar-me;

12 se me visto com sinais de penitência, *
eles fazem zombaria e me escarnecem!

13
Falam de mim os que se assentam junto às portas, *
sou motivo de canções, até de bêbados!

Ant. Estou cansado de gritar e de esperar pelo meu Deus.

Ant. 2 Deram-me fel como se fosse um alimento,
em minha sede ofereceram-me vinagre.

II

14 Por isso elevo para vós minha oração, *
neste tempo favorável, Senhor Deus!

– Respondei-me pelo vosso imenso amor, *
pela vossa salvação que nunca falha!

=15 Retirai-me deste lodo, pois me afundo! †
Libertai-me, ó Senhor, dos que me odeiam, *
e salvai-me destas águas tão profundas!

=16
Que as águas turbulentas não me arrastem, †
não me devorem violentos turbilhões, *
nem a cova feche a boca sobre mim!

17 Senhor, ouvi-me, pois suave é vossa graça, *
ponde os olhos sobre mim com grande amor!

18 Não oculteis a vossa face ao vosso servo! *
Como eu sofro! Respondei-me bem depressa!

19
Aproximai-vos de minh’alma e libertai-me, *
apesar da multidão dos inimigos!

=20 Vós conheceis minha vergonha e meu opróbrio, †
minhas inrias, minha grande humilhação; *
os que me afligem estão todos ante vós!

21
O insulto me partiu o coração; *
não suportei, desfaleci de tanta dor!

= Eu esperei que alguém de mim tivesse pena, †
mas foi em vão, pois a ninguém pude encontrar; *
procurei quem me aliviasse e não achei!

22
Deram-me fel como se fosse um alimento, *
em minha sede ofereceram-me vinagre!

Ant. Deram-me fel como se fosse um alimento,
em minha sede ofereceram-me vinagre.

Ant. 3 Procurai o Senhor continuamente,
e o vosso coração revive.

III

30 Pobre de mim, sou infeliz e sofredor! *
Que vosso aulio me levante, Senhor Deus!

31 Cantando eu louvarei o vosso nome *
e agradecido exultarei de alegria!

32
Isto se mais agradável ao Senhor, *
que o sacricio de novilhos e de touros.

=33 Humildes, vede isto e alegrai-vos: †
o vosso coração reviverá, *
se procurardes o Senhor continuamente!

34 Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres, *
e não despreza o clamor de seus cativos.

35
Que céus e terra glorifiquem o Senhor *
com o mar e todo ser que neles vive!

=36 Sim, Deus vi e salvará Jerusalém, †
reconstruindo as cidades de Judá, *
onde os pobres morarão, sendo seus donos.

=37
A descendência de seus servos há de herdá-las, †
e os que amam o santo nome do Senhor *
dentro delas fixarão sua morada!

Ant. Procurai o Senhor continuamente,
e o vosso coração revive.

 

V. O Senhor há de ensinar-nos seus caminhos.

R. E trilharemos, todos nós, suas veredas.

Primeira leitura

Do Segundo Livro das Crônicas                 20,1-9.13-24

 

Admirável auxílio de Deus prestado ao fiel rei Josafá

Naqueles dias: 1Os moabitas e os amonitas, e com eles alguns meunitas, coligaram-se para fazer guerra contra Josafá. 2Vieram alguns mensageiros e informaram Josafá, dizendo: “Uma enorme multidão, vinda do outro lado do mar Morto, avança contra ti. Eles já estão acampados em Asason-Tamar, ou seja, em Engadi”. 

3Josafá ficou cheio de medo e se dispôs a invocar o Senhor, e promulgar um jejum para todo o Judá. 4A população de Judá reuniu-se para invocar o Senhor, e toda a gente acorria das cidades do interior de Judá para implorar o auxílio do Senhor. 

5Josafá apresentou-se à assembleia de Judá e de Jerusalém, no templo do Senhor, defronte ao átrio novo, 6e disse: “Senhor, Deus de nossos pais, tu és Deus no céu e governas todos os reinos dos povos. A ti pertencem força e poder e ninguém te pode resistir. 7Acaso não foste tu, o nosso Deus, que expulsaste do teu povo Israel, os habitantes desta terra e a deste, para sempre, aos descendentes de Abraão,teu amigo? 8Nesta terra se estabeleceram e nela construíram para ti um santuário em honra do teu nome, dizendo: 9‘Se vier sobre nós uma desgraça, como a guerra, flagelo de vingança, peste ou fome nós nos apresentaremos diante de ti neste templo, pois o teu nome é invocado nele, e chamaremos por ti do fundo da nossa angústia e tu nos ouvirás e nos salvarás’”. 13Toda a população de Judá estava de pé, diante do Senhor, com suas mulheres e filhos, inclusive os pequeninos. 

14Então, no meio da assembleia, o espírito do Senhor desceu sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Banaías, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita da família de Asaf. 15E ele disse: “Prestai atenção, homens de Judá e de Jerusalém, e também tu, ó rei Josafá! Eis o que vos diz o Senhor: Não vos assusteis, nem tenhais medo dessa imensa multidão, pois a luta não é vossa, mas de Deus. 16Descei amanhã contra eles, porque subirão pela encosta chamada Sis, e os encontrareis na extremidade da torrente que corre em frente do deserto de Jeruel. 17Não tereis necessidade de combater. Mas ficai quietos e firmes, contemplando a salvação que o Senhor vos concederá, ó Judá e Jerusalém! Não vos assusteis nem tenhais medo. Saí, amanhã, ao encontro deles e o Senhor estará convosco”. 18Josafá prostrou-se com o rosto por terra, e todo o Judá e os habitantes de Jerusalém caíram diante do Senhor e o adoraram. 19Os levitas da linhagem dos coatitas e dos coreítas começaram então a louvar o Senhor, Deus de Israel, em alta voz. 

20No dia seguinte, de manhã, puseram-se a caminho para o deserto de Técua. Quando saíram, Josafá, de pé, no meio deles, disse: “Escutai-me, homens de Judá e vós, que habitais em Jerusalém! Confiai no Senhor vosso Deus e estareis seguros; crede em seus profetas e tudo vos correrá bem”. 21Em seguida, depois de se ter entendido com o povo, ele designou os cantores que, revestidos de ornamentos sagrados, haveriam de marchar à frente do exército, cantando: “Louvai o Senhor, pois a sua misericórdia é eterna!” 

22Logo que começaram a entoar este cântico de louvor, o Senhor fez cair numa emboscada os amonitas, os moabitas e os habitantes da montanha de Seir que marchavam contra Judá. E, assim, eles foram destruídos. 23Então os amonitas e os moabitas atiraram-se sobre os povos das montanhas de Seir para os destruir e exterminar. E, feito isso, puseram-se a matar-se uns aos outros. 

24Quando os homens de Judá chegaram à altura donde se vê o deserto, olharam para a multidão e não viram senão cadáveres estendidos por terra. Não tinha podido escapar ninguém. 

 

Responsório Ef 6,12a.14a; 2Cor 20,17a

 

R. Nossa luta não é contra a carne e o sangue,

mas contra os principados e contra as potestades,

contra os espíritos do mal.

* Ficai, portanto, alertas e cingi os vossos rins.

V. Sede firmes na esperança e vereis vir até vós

o auxílio do Senhor. * Ficai.

 

Segunda leitura

Do Tratado sobre os Mistérios, de Santo Ambrósio, bispo

(Nn.43.47-49:SCh25 bis,178-180.182)                (Séc.IV)

 

Sobre a Eucaristia, aos neófitos

O povo purificado, enriquecido com estas vestes, adianta-se para o altar de Cristo, dizendo: E entrarei até o altar de Deus, do Deus que alegra a minha juventude. Despidas as vestimentas do antigo erro, renovada a juventude como a da águia, apressa-se em ir participar do celeste banquete. Chega, e, ao ver a ornamentação do santo altar, exclama: O Senhor é meu pastor, nada me falta; levou-me a boas pastagens. Conduziu-me às águas da quietude. E mais adiante: Mesmo que caminhe em meio às sombras da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo. Teu cajado e teu bastão são meus arrimos. Preparaste diante de mim uma mesa contra aqueles que me perseguem. Ungiste com óleo minha cabeça e como é luminoso teu cálice embriagador! 

Coisa admirável o ter Deus feito chover o maná para sustentar com o alimento celeste os patriarcas. Por isso se disse: O homem comeu o pão dos anjos. No entanto, aqueles que comeram deste pão, todos eles morreram no deserto; o alimento, porém, que tu recebes, pão vivo que desceu do céu, comunica a substância da vida eterna e quem quer que dele comer não morrerá eternamente, pois é o corpo de Cristo. 

Considera agora qual deles é de maior valor: o pão dos anjos ou a carne de Cristo, que é o corpo da vida. Aquele maná vem do céu; este está acima do céu. Aquele, do céu; este, do Senhor dos céus. Aquele é corruptível, se guardado para o dia seguinte; este é totalmente imune de corrupção e quem o tomar piedosamente não poderá experimentar a corrupção. Para aqueles brotou a água da pedra; para ti, o sangue de Cristo. Àqueles, por um momento, a água saciou; a ti o sangue do Senhor refresca para sempre. O povo antigo bebe e tem sede; tu, ao beberes, não podes mais sentir sede, pois, de fato, aquilo era sombra, enquanto isto é realidade. 

Se já admiras a sombra, qual não será tua admiração da realidade? Escuta como é sombra o acontecido aos patriarcas: Bebiam da pedra que os seguia; a pedra era Cristo. Mas Deus não se agradou de muitos deles, pois caíram mortos no deserto. Estas coisas foram feitas em figura para nós. Conheces agora o que tem maior valor: a luz supera a sombra; a realidade, a figura; o corpo do Criador vale mais do que o maná do céu.

 

Responsório 1Cor 10,1b-2.11a.3-4a

 

R. Nossos pais estiveram sob a nuvem

e todos passaram pelo mar;

foram todos batizados em Moisés,

no mar e na nuvem batizados.

* Tudo isso aconteceu a nossos pais,

para servir como um exemplo para nós.

V. Comeram todos do alimento espiritual,

beberam todos da bebida espiritual. * Tudo isso.

 

Oração

Ó Deus, que mostrais a luz da verdade aos que erram para retomarem o bom caminho, dai a todos os que professam a fé rejeitar o que não convém ao cristão, e abraçar tudo o que é digno desse nome. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.

 

 

 

 

 

Invitatório

  Ant. do Invitatório: Demos graças ao Senhor, porque eterno é seu amor!


V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente às Laudes.

Hino

Sois do céu a glória eterna,
esperança dos mortais,
sois da casta Virgem prole,
Unigênito do Pai.

Dai àqueles que despertam
seja a mente vigilante.
Em louvor e ação de graças,
nossa voz seja vibrante.

Nasce o astro luminoso,
nova luz ele anuncia.
Foge a noite, foi a treva,
vossa luz nos alumia.

Nossa mente torne clara,
faça a noite cintilar,
purifique nosso íntimo
até a vida terminar.

Cresça a nossa fé primeira
dentro em nosso interior;
a esperança acompanhe,
e maior seja o amor.

A vós, Cristo, rei piedoso,
e a vós, Pai, glória também
com o Espírito Paráclito
pelos séculos. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Foi contra vós, só contra vós que eu pequei.
Ó meu Deus, misericórdia e compaixão!

Salmo 50(51)

Tende piedade, ó meu Deus!

Renovai o vosso espírito e a vossa mentalidade. Revesti o homem novo (Ef 4,23-24).

3 Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! *
Na imensidão de vosso amor, purificai-me!

4
Lavai-me todo inteiro do pecado, *
e apagai completamente a minha culpa!

5 Eu reconheço toda a minha iniqüidade, *
o meu pecado está sempre à minha frente.

6
Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, *
e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

– Mostrais assim quanto sois justo na sentença, *
e quanto é reto o julgamento que fazeis.

7
Vede, Senhor, que eu nasci na iniqüidade *
e pecador já minha mãe me concebeu.

8 Mas vós amais os corações que são sinceros, *
na intimidade me ensinais sabedoria.

9
Aspergi-me e serei puro do pecado, *
e mais branco do que a neve ficarei.

10 Fazei-me ouvir cantos de festa e de alegria, *
e exultarão estes meus ossos que esmagastes.

11
Desviai o vosso olhar dos meus pecados *
e apagai todas as minhas transgressões!

12 Criai em mim um coração que seja puro, *
dai-me de novo um espírito decidido.

13
Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, *
nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

14 Dai-me de novo a alegria de ser salvo *
e confirmai-me com espírito generoso!

15
Ensinarei vosso caminho aos pecadores, *
e para vós se voltarão os transviados.

16 Da morte como pena, libertai-me, *
e minha língua exaltará vossa justiça!

17
Abri meus bios, ó Senhor, para cantar, *
e minha boca anunciará vosso louvor!

18 Pois não são de vosso agrado os sacrifícios, *
e, se oferto um holocausto, o rejeitais.

19
Meu sacricio é minha alma penitente, *
não desprezeis um coração arrependido!

20 Sede benigno com Sião, por vossa graça, *
reconstruí Jerusalém e os seus muros!

21
E aceitareis o verdadeiro sacrifício, *
os holocaustos e oblações em vosso altar!

Ant. Foi contra vós, só contra vós que eu pequei.
Ó meu Deus, misericórdia e compaixão!

Ant. 2 Conhecemos nossas culpas, pois pecamos contra vós.

Cântico Jr 14,17-21

Lamentação em tempo de fome e de guerra

O Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho! (Mc 1,15).

17 Os meus olhos, noite e dia, *
chorem grimas sem fim;

= pois sofreu um golpe horrível, †
foi ferida gravemente *
a virgem filha do meu povo!

18 Se eu saio para os campos, *
eis os mortos à espada;

– se eu entro na cidade, *
eis as timas da fome!

= Até o profeta e o sacerdote †
perambulam pela terra *
sem saber o que se passa.

19
Rejeitastes, por acaso, *
a Ju inteiramente?

– Por acaso a vossa alma *
desgostou-se de Sião?

– Por que feristes vosso povo *
de um mal que não tem cura?

– Espevamos a paz, *
e não chegou nada de bom;

– e o tempo de reerguer-nos, *
mas só vemos o terror!

=20 Conhecemos nossas culpas †
e as de nossos ancestrais, *
pois pecamos contra vós!

– Por amor de vosso nome, *
ó Senhor, não nos deixeis!

21 Não deixeis que se profane *
vosso trono glorioso!

– Recordai-vos, ó Senhor! *
Não rompais vossa Aliança!

Ant. Conhecemos nossas culpas, pois pecamos contra vós.

Ant. 3 O Senhor, somente ele é nosso Deus,
e nós somos o seu povo e seu rebanho.

Salmo 99(100)

A alegria dos que entram no templo

O Senhor ordena aos que foram salvos que cantem o hino de vitória (Sto. Atanásio).

=2 Aclamai o Senhor, ó terra inteira, †
servi ao Senhor com alegria, *
ide a ele cantando jubilosos!

=3 Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, †
Ele mesmo nos fez, e somos seus, *
nós somos seu povo e seu rebanho.

=4 Entrai por suas portas dando graças, †
e em seus átrios com hinos de louvor; *
dai-lhe graças, seu nome bendizei!

=5 Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, †
sua bondade perdura para sempre, *
seu amor é fiel eternamente!

Ant. O Senhor, somente ele é nosso Deus,
e nós somos o seu povo e seu rebanho.

Leitura breve 2Cor 12,9b-10

De bom grado, eu me gloriarei das minhas fraquezas, para que a força de Cristo habite em mim. Eis por que eu me comprazo nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições e nas angústias sofridas por amor a Cristo. Pois, quando eu me sinto fraco, é então que sou forte.

Responsório breve

R. Fazei-me cedo sentir,
* Ó Senhor, vosso amor! R.
Fazei-me.

V. Indicai-me o caminho, que eu devo seguir.
* Ó Senhor. Glória ao Pai. R.
Fazei-me.

Cântico evangélico, ant.

O Senhor visitou o seu povo e o libertou.

O Messias e seu Precursor

68 Bendito seja o Senhor Deus de Israel, * 
porque a seu povo visitou e libertou

69 e fez surgir um poderoso Salvador *
na casa de Davi, seu servidor

70 como falara pela boca de seus santos, * 
os profetas desde os tempos mais antigos, 

71 para salvar-nos do poder dos inimigos * 
e da mão de todos quantos nos odeiam. 

72 Assim mostrou misericórdia a nossos pais, * 
recordando a sua santa Aliança 

73 e o juramento a Abraão, o nosso pai, * 
de conceder-nos 
74 que, libertos do inimigo, 

= a ele nós sirvamos sem temor † 
75 em santidade e em justiça diante dele, * 
enquanto perdurarem nossos dias. 

=76 Serás profeta do Alssimo, ó menino, † 
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos, 

77 anunciando ao seu povo a salvação, *
que está na remissão de seus pecados; 

78 pela bondade e compaixão de nosso Deus, * 
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente, 

79 para iluminar a quantos jazem entre as trevas *
e na sombra da morte estão sentados 

– e para dirigir os nossos passos, * 
guiando-os no caminho da paz

ant. O Senhor visitou o seu povo e o libertou.

Preces

Levantemos o nosso olhar para Cristo que nasceu, morreu e ressuscitou pelo seu povo; e peçamos com fé:

R. Salvai, Senhor, os que remistes com o vosso sangue!

Nós vos bendizemos, Jesus, Salvador da humanidade, que não hesitastes em sofrer por nós a paixão e a cruz,
e nos remistes com o vosso sangue precioso.

R.

Vós, que prometestes dar aos vossos fiéis a água que jorra para a vida eterna,
derramai o vosso Espírito sobre todos os homens e mulheres.

R.

Vós, que enviastes vossos discípulos para pregar o evangelho a todas as nações,
ajudai-nos a proclamar pela terra inteira a vitória da vossa cruz.

R.

Aos doentes e infelizes que associastes aos sofrimentos da vossa paixão,
concedei-lhes força e paciência.

R.

Pai nosso...

Oração

Pai todo-poderoso, derramai vossa graça em nossos corações para que, caminhando à luz dos vossos preceitos, sigamos sempre a vós, como Pastor e Guia. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

O Senhor nos abençoe,
nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

 

 

Oração das Nove Horas

 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

 

Hino

Vinde, Espírito de Deus,
com o Filho e com o Pai,
inundai a nossa mente,
nossa vida iluminai.

Boca, olhos, mãos, sentidos,
tudo possa irradiar
o amor que em nós pusestes
para aos outros inflamar.

A Deus Pai e ao seu Filho
por vós dai-nos conhecer.
Que de ambos procedeis
dai-nos sempre firmes crer.

Ou:

Mantendo a ordem certa,
do coração fiel,
na hora terça oremos
aos Três, fulgor do céu.

Queremos ser os templos
do Espírito Santo, outrora
descido sobre os Doze
em chamas, nesta hora.

Fiel aos seus desígnios,
do Reino o Autor divino
a tudo ornou de graça
segundo o seu destino.

Louvor e glória ao Pai,
ao Filho, Sumo Bem,
e ao seu divino Espírito,
agora e sempre. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Nós o vimos desprezado e sem beleza,
homem das dores, habituado ao sofrimento.

Salmo 21(22)

Aflição do justo e sua libertação

Jesus deu um forte grito:  Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Mt 27,46).

I

2 Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes? *
E ficais longe de meu grito e minha prece?

3
Ó meu Deus, clamo de dia e não me ouvis, *
clamo de noite e para mim não há resposta!

4 Vós, no entanto, sois o santo em vosso Templo, *
que habitais entre os louvores de Israel.

5 Foi em vós que esperaram nossos pais; *
esperaram e vós mesmo os libertastes.

6
Seu clamor subiu a vós e foram salvos; *
em vós confiaram e não foram enganados.

7 Quanto a mim, eu sou um verme e não um homem; *
sou o opróbrio e o desprezo das nações.

8 Riem de mim todos aqueles que me vêem, *
torcem os bios e sacodem a cabeça:

9
“Ao Senhor se confiou, ele o liberte *
e agora o salve, se é verdade que ele o ama!”

10 Desde a minha concepção me conduzistes, *
e no seio maternal me agasalhastes.

11 Desde quando vim à luz vos fui entregue; *
desde o ventre de minha mãe sois o meu Deus!

12
Não fiqueis longe de mim, porque padeço; *
ficai perto, pois não há quem me socorra!

Ant. Nós o vimos desprezado e sem beleza,
homem das dores, habituado ao sofrimento.

Ant. 2 Eles repartem entre si as minhas vestes,
e sorteiam entre si a minha nica.

II

13 Por touros numerosos fui cercado, *
e as feras de Basã me rodearam;

14
escancararam contra mim as suas bocas, *
como leões devoradores a rugir.

15 Eu me sinto como a água derramada, *
e meus ossos estão todos deslocados;

– como a cera se tornou meu coração, *
e dentro do meu peito se derrete.

=16 Minha garganta está igual ao barro seco, †
minha língua está colada ao céu da boca, *
e por vós fui conduzido ao pó da morte!

17
Cães numerosos me rodeiam furiosos, *
e por um bando de malvados fui cercado.

– Transpassaram minhas mãos e os meus pés *
18 e eu posso contar todos os meus ossos.
= Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam! †
19
Eles repartem entre si as minhas vestes *
e sorteiam entre si a minha túnica.

20 Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, *
ó minha força, vinde logo em meu socorro!

21
Da espada libertai a minha alma, *
e das garras desses cães, a minha vida!

22 Arrancai-me da goela do leão, *
e a mim tão pobre, desses touros que me atacam!

23
Anunciarei o vosso nome a meus irmãos *
e no meio da assembléia hei de louvar-vos!

Ant. Eles repartem entre si as minhas vestes,
e sorteiam entre si a minha nica.

Ant. 3 Que se prostrem e adorem o Senhor,
todos os povos e as falias das nações!

III

=24 Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores; †
glorificai-o, descendentes de Jacó, *
e respeitai-o toda a raça de Israel!

25 Porque Deus não desprezou nem rejeitou *
a miria do que sofre sem amparo;

– não desviou do humilhado a sua face, *
mas o ouviu quando gritava por socorro.

26 Sois meu louvor em meio à grande assembléia; *
cumpro meus votos ante aqueles que vos temem!

=27
Vossos pobres vão comer e saciar-se, †
e os que procuram o Senhor o louvarão; *
“Seus corações tenham a vida para sempre!”

28 Lembrem-se disso os confins de toda a terra, *
para que voltem ao Senhor e se convertam,

– e se prostrem, adorando, diante dele, *
todos os povos e as famílias das nações.

29 Pois ao Senhor é que pertence a realeza; *
ele domina sobre todas as nações.

30 Somente a ele adorarão os poderosos, *
e os que voltam para o pó o louvarão.

– Para ele há de viver a minha alma, *
31
toda a minha descendência há de servi-lo;

– às futuras gerações anunciará *
32 o poder e a justiça do Senhor;
– ao povo novo que há de vir, ela dirá: *
“Eis a obra que o Senhor realizou!”

Ant. Que se prostrem e adorem o Senhor,
todos os povos e as falias das nações!

Leitura breve Rm 1,16b-17

O Evangelho é uma força salvadora de Deus para todo aquele que crê. Nele, com efeito, a justiça de Deus se revela da fé para a fé, como está escrito: O justo viverá pela fé.

V. O nosso coração se alegra em Deus.

R. Seu santo nome é nossa única esperança.

Oração

Senhor Jesus Cristo, que nesta hora fostes levado ao suplício da cruz para salvar o mundo, perdoai-nos as faltas passadas e preservai-nos de culpas futuras. Vós, que viveis e reinais para sempre.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

Oração das doze horas

 


V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino

Ó Deus, verdade e força
que o mundo governais,
da aurora ao meio-dia,
a terra iluminais.

De nós se afaste a ira,
discórdia e divisão.
Ao corpo dai saúde,
e paz ao coração.

Ouvi-nos, Pai bondoso,
por Cristo Salvador,
que vive com o Espírito
convosco pelo Amor.

Ou:

O louvor de Deus cantemos
com fervor no coração,
pois agora a hora sexta
nos convida à oração.

Nesta hora foi-nos dada
gloriosa salvação
pela morte do Cordeiro,
que na cruz trouxe o perdão.

Ante o brilho de tal luz
se faz sombra o meio-dia.
Tanta graça e tanto brilho
vinde haurir, com alegria.

Seja dada a glória ao Pai
e ao Unigênito também,
com o Espírito Paráclito,
pelos séculos. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Nós o vimos desprezado e sem beleza,
homem das dores, habituado ao sofrimento.

Salmo 21(22)

Aflição do justo e sua libertação

Jesus deu um forte grito:  Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Mt 27,46).

I

2 Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes? *
E ficais longe de meu grito e minha prece?

3
Ó meu Deus, clamo de dia e não me ouvis, *
clamo de noite e para mim não há resposta!

4 Vós, no entanto, sois o santo em vosso Templo, *
que habitais entre os louvores de Israel.

5 Foi em vós que esperaram nossos pais; *
esperaram e vós mesmo os libertastes.

6
Seu clamor subiu a vós e foram salvos; *
em vós confiaram e não foram enganados.

7 Quanto a mim, eu sou um verme e não um homem; *
sou o opróbrio e o desprezo das nações.

8 Riem de mim todos aqueles que me vêem, *
torcem os bios e sacodem a cabeça:

9
“Ao Senhor se confiou, ele o liberte *
e agora o salve, se é verdade que ele o ama!”

10 Desde a minha concepção me conduzistes, *
e no seio maternal me agasalhastes.

11 Desde quando vim à luz vos fui entregue; *
desde o ventre de minha mãe sois o meu Deus!

12
Não fiqueis longe de mim, porque padeço; *
ficai perto, pois não há quem me socorra!

Ant. Nós o vimos desprezado e sem beleza,
homem das dores, habituado ao sofrimento.

Ant. 2 Eles repartem entre si as minhas vestes,
e sorteiam entre si a minha nica.

II

13 Por touros numerosos fui cercado, *
e as feras de Basã me rodearam;

14
escancararam contra mim as suas bocas, *
como leões devoradores a rugir.

15 Eu me sinto como a água derramada, *
e meus ossos estão todos deslocados;

– como a cera se tornou meu coração, *
e dentro do meu peito se derrete.

=16 Minha garganta está igual ao barro seco, †
minha língua está colada ao céu da boca, *
e por vós fui conduzido ao pó da morte!

17
Cães numerosos me rodeiam furiosos, *
e por um bando de malvados fui cercado.

– Transpassaram minhas mãos e os meus pés *
18 e eu posso contar todos os meus ossos.
= Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam! †
19
Eles repartem entre si as minhas vestes *
e sorteiam entre si a minha túnica.

20 Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, *
ó minha força, vinde logo em meu socorro!

21
Da espada libertai a minha alma, *
e das garras desses cães, a minha vida!

22 Arrancai-me da goela do leão, *
e a mim tão pobre, desses touros que me atacam!

23
Anunciarei o vosso nome a meus irmãos *
e no meio da assembléia hei de louvar-vos!

Ant. Eles repartem entre si as minhas vestes,
e sorteiam entre si a minha nica.

Ant. 3 Que se prostrem e adorem o Senhor,
todos os povos e as falias das nações!

III

=24 Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores; †
glorificai-o, descendentes de Jacó, *
e respeitai-o toda a raça de Israel!

25 Porque Deus não desprezou nem rejeitou *
a miria do que sofre sem amparo;

– não desviou do humilhado a sua face, *
mas o ouviu quando gritava por socorro.

26 Sois meu louvor em meio à grande assembléia; *
cumpro meus votos ante aqueles que vos temem!

=27
Vossos pobres vão comer e saciar-se, †
e os que procuram o Senhor o louvarão; *
“Seus corações tenham a vida para sempre!”

28 Lembrem-se disso os confins de toda a terra, *
para que voltem ao Senhor e se convertam,

– e se prostrem, adorando, diante dele, *
todos os povos e as famílias das nações.

29 Pois ao Senhor é que pertence a realeza; *
ele domina sobre todas as nações.

30 Somente a ele adorarão os poderosos, *
e os que voltam para o pó o louvarão.

– Para ele há de viver a minha alma, *
31
toda a minha descendência há de servi-lo;

– às futuras gerações anunciará *
32 o poder e a justiça do Senhor;
– ao povo novo que há de vir, ela dirá: *
“Eis a obra que o Senhor realizou!”

Ant. Que se prostrem e adorem o Senhor,
todos os povos e as falias das nações!

Leitura breve Rm 3,21-22a

Agora, sem depender do regime da Lei, a justiça de Deus se manifestou, atestada pela Lei e pelos Profetas; justiça de Deus essa, que se realiza mediante a fé em Jesus Cristo, para todos os que têm a fé.

V. Os preceitos do Senhor são precisos, alegria ao coração.

R. O mandamento do Senhor é brilhante,
para os olhos uma luz.

Oração

Senhor Jesus Cristo, que, nesta hora, com o mundo envolto em trevas, fostes elevado na cruz, como vítima inocente para a salvação de todos, concedei-nos sempre vossa luz, que nos guie para a vida eterna. Vós, que viveis e reinais para sempre.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

 

Oração das Quinze Horas


 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

 

Hino

Vós que sois o Imutável,
Deus fiel, Senhor da História,
nasce e morre a luz do dia,
revelando a vossa glória.

Seja a tarde luminosa
numa vida permanente.
E da santa morte o prêmio
nos dê glória eternamente.

Escutai-nos, ó Pai Santo,
pelo Cristo, nosso irmão,
que convosco e o Espírito
vive em plena comunhão.

Ou:

Cumprindo o ciclo tríplice das horas,
louvemos ao Senhor de coração,
cantando em nossos salmos a grandeza
de Deus, que é Uno e Trino em perfeição.

A exemplo de São Pedro, nosso mestre,
guardando do Deus vivo e verdadeiro,
em almas redimidas, o mistério,
sinal de salvação ao mundo inteiro,

também salmodiamos no espírito,
unidos aos apóstolos do Senhor,
e assim serão firmados nossos passos
na força de Jesus, o Salvador.

Louvor ao Pai, autor de toda a vida,
e ao Filho, Verbo Eterno, Sumo Bem,
unidos pelo amor do Santo Espírito,
Deus vivo pelos séculos. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Nós o vimos desprezado e sem beleza,
homem das dores, habituado ao sofrimento.

Salmo 21(22)

Aflição do justo e sua libertação

Jesus deu um forte grito:  Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Mt 27,46).

I

2 Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes? *
E ficais longe de meu grito e minha prece?

3
Ó meu Deus, clamo de dia e não me ouvis, *
clamo de noite e para mim não há resposta!

4 Vós, no entanto, sois o santo em vosso Templo, *
que habitais entre os louvores de Israel.

5 Foi em vós que esperaram nossos pais; *
esperaram e vós mesmo os libertastes.

6
Seu clamor subiu a vós e foram salvos; *
em vós confiaram e não foram enganados.

7 Quanto a mim, eu sou um verme e não um homem; *
sou o opróbrio e o desprezo das nações.

8 Riem de mim todos aqueles que me vêem, *
torcem os bios e sacodem a cabeça:

9
“Ao Senhor se confiou, ele o liberte *
e agora o salve, se é verdade que ele o ama!”

10 Desde a minha concepção me conduzistes, *
e no seio maternal me agasalhastes.

11 Desde quando vim à luz vos fui entregue; *
desde o ventre de minha mãe sois o meu Deus!

12
Não fiqueis longe de mim, porque padeço; *
ficai perto, pois não há quem me socorra!

Ant. Nós o vimos desprezado e sem beleza,
homem das dores, habituado ao sofrimento.

Ant. 2 Eles repartem entre si as minhas vestes,
e sorteiam entre si a minha nica.

II

13 Por touros numerosos fui cercado, *
e as feras de Basã me rodearam;

14
escancararam contra mim as suas bocas, *
como leões devoradores a rugir.

15 Eu me sinto como a água derramada, *
e meus ossos estão todos deslocados;

– como a cera se tornou meu coração, *
e dentro do meu peito se derrete.

=16 Minha garganta está igual ao barro seco, †
minha língua está colada ao céu da boca, *
e por vós fui conduzido ao pó da morte!

17
Cães numerosos me rodeiam furiosos, *
e por um bando de malvados fui cercado.

– Transpassaram minhas mãos e os meus pés *
18 e eu posso contar todos os meus ossos.
= Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam! †
19
Eles repartem entre si as minhas vestes *
e sorteiam entre si a minha túnica.

20 Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, *
ó minha força, vinde logo em meu socorro!

21
Da espada libertai a minha alma, *
e das garras desses cães, a minha vida!

22 Arrancai-me da goela do leão, *
e a mim tão pobre, desses touros que me atacam!

23
Anunciarei o vosso nome a meus irmãos *
e no meio da assembléia hei de louvar-vos!

Ant. Eles repartem entre si as minhas vestes,
e sorteiam entre si a minha nica.

Ant. 3 Que se prostrem e adorem o Senhor,
todos os povos e as falias das nações!

III

=24 Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores; †
glorificai-o, descendentes de Jacó, *
e respeitai-o toda a raça de Israel!

25 Porque Deus não desprezou nem rejeitou *
a miria do que sofre sem amparo;

– não desviou do humilhado a sua face, *
mas o ouviu quando gritava por socorro.

26 Sois meu louvor em meio à grande assembléia; *
cumpro meus votos ante aqueles que vos temem!

=27
Vossos pobres vão comer e saciar-se, †
e os que procuram o Senhor o louvarão; *
“Seus corações tenham a vida para sempre!”

28 Lembrem-se disso os confins de toda a terra, *
para que voltem ao Senhor e se convertam,

– e se prostrem, adorando, diante dele, *
todos os povos e as famílias das nações.

29 Pois ao Senhor é que pertence a realeza; *
ele domina sobre todas as nações.

30 Somente a ele adorarão os poderosos, *
e os que voltam para o pó o louvarão.

– Para ele há de viver a minha alma, *
31
toda a minha descendência há de servi-lo;

– às futuras gerações anunciará *
32 o poder e a justiça do Senhor;
– ao povo novo que há de vir, ela dirá: *
“Eis a obra que o Senhor realizou!”

Ant. Que se prostrem e adorem o Senhor,
todos os povos e as falias das nações!

Leitura breve Ef 2,8-9

É pela graça que sois salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus! Não vem das obras, para que ninguém se orgulhe.

V. Que na terra se conheça o seu caminho.

R. E a sua salvação por entre os povos.

Oração

Senhor Jesus Cristo, que fizestes o ladrão arrependido passar da cruz ao vosso Reino, aceitai a humilde confissão de nossas culpas e fazei que, no instante da morte, entremos com alegria no paraíso. Vós, que viveis e reinais para sempre.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

 

Hino

Deus, escultor do homem,
que a tudo, só, criastes,
e que do pó da terra
os animais formastes.

Sob o comando do homem
a todos colocastes,
para que a vós servissem
servindo a quem criastes.

Afastai, pois, os homens,
de uma fatal cilada;
que o Criador não perca
a criatura amada.

Dai-nos no céu o prêmio,
dando na terra a graça,
e assim chegar possamos
à paz que nunca passa.

A vós, Deus uno e trino,
em nosso amor cantamos;
nas criaturas todas
somente a vós buscamos.

Salmodia

Ant. 1 O Senhor, nosso Deus, é tão grande,
e maior do que todos os deuses.

Salmo 134(135)

Louvor ao Senhor por suas maravilhas

Povo que ele conquistou, proclamai as obras admiráveis daquele que vos chamou das trevas para a sua luz maravilhosa (cf. 1Pd 2,9).

I

1 Louvai o Senhor, bendizei-o; *
louvai o Senhor, servos seus,

2
que celebrais o louvor em seu templo *
e habitais junto aos átrios de Deus!

3 Louvai o Senhor, porque é bom; *
cantai ao seu nome suave!

4
Escolheu para si a Jacó, *
preferiu Israel por herança.

5 Eu bem sei que o Senhor é tão grande, *
que é maior do que todos os deuses.

=6
Ele faz tudo quanto lhe agrada, †
nas alturas dos céus e na terra, *
no oceano e nos fundos abismos.

=7 Traz as nuvens do extremo da terra, †
transforma os raios em chuva, *
das cavernas libera os ventos.

8 No Egito feriu primogênitos, *
desde homens até animais.

9 Fez milagres, prodígios, portentos, *
perante Faraó e seus servos.

10
Abateu numerosas nações *
e matou muitos reis poderosos:

=11 A Seon que foi rei amorreu, †
e a Og que foi rei de Basã, *
como a todos os reis cananeus.

12
Ele deu sua terra em herança, *
em herança a seu povo, Israel.

Ant. O Senhor, nosso Deus, é tão grande,
e maior do que todos os deuses.

Ant. 2 Israel, bendizei o Senhor,
cantai ao seu nome suave!

II

13 Ó Senhor, vosso nome é eterno; *
para sempre é a vossa lembrança!

14
O Senhor faz justiça a seu povo *
e é bondoso com aqueles que o servem.

15 São os deuses pagãos ouro e prata, *
todos eles são obras humanas.

16
Têm boca e não podem falar, *
têm olhos e não podem ver;

17 tendo ouvidos, não podem ouvir, *
nem existe respiro em sua boca.

18
Como eles serão seus autores, *
que os fabricam e neles confiam!

19 Israel, bendizei o Senhor; *
sacerdotes, louvai o Senhor;

20 levitas, cantai ao Senhor; *
fiéis, bendizei o Senhor!

21
Bendito o Senhor de Sião, *
que habita em Jerusalém!

Ant. Israel, bendizei o Senhor,
cantai ao seu nome suave!

Ant. 3 Os povos virão adorar-vos, Senhor.

Cântico Ap 15,3-4

Hino de adoração

3 Como são grandes e admiveis vossas obras, *
ó Senhor e nosso Deus onipotente!

– Vossos caminhos são verdade, são justiça, *
ó Rei dos povos todos do universo!

(R. São grandes vossas obras, ó Senhor!)

=4 Quem, Senhor, não haveria de temer-vos, †
e quem não honraria o vosso nome? *
Pois somente vós, Senhor, é que sois santo!

(R.)

= As nações todas hão de vir perante vós, †
e prostradas haverão de adorar-vos, *
pois vossas justas decisões são manifestas!

(R.)

Ant. Os povos virão adorar-vos, Senhor.

Leitura breve Tg 1,2-4

Meus irmãos, quando deveis passar por diversas provações, considerai isso motivo de grande alegria, por saberdes que a comprovação da fé produz em vós a perseverança. Mas é preciso que a perseverança gere uma obra de perfeição, para que vos torneis perfeitos e íntegros, sem falta ou deficiência alguma.

Responsório breve

R. Jesus Cristo nos amou.
* E em seu sangue nos lavou. R.
Jesus Cristo.

V. Fez-nos reis e sacerdotes para Deus, o nosso Pai.
* E em seu sangue. Glória ao Pai. R.
Jesus Cristo.

Cântico evangélico, ant.

O Senhor nos acolheu a nós, seus servidores,
fiel ao seu amor.  

A alegria da alma no Senhor

46 A minha alma engrandece ao Senhor
47 e se alegrou o meu esrito em Deus, meu Salvador
48 pois ele viu a pequenez de sua serva, * 
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. 

49 O Poderoso fez por mim maravilhas * 
e Santo é o seu nome! 
50 Seu amor, de geração em geração, * 
chega a todos que o respeitam; 

51 demonstrou o poder de seu braço, * 
dispersou os orgulhosos; 
52 derrubou os poderosos de seus tronos * 
e os humildes exaltou;

53 De bens saciou os famintos, * 
e despediu, sem nada, os ricos. 
54 Acolheu Israel, seu servidor, * 
fiel ao seu amor

55 como havia prometido aos nossos pais, * 
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre. 

= Demos glória a Deus Pai onipotente
e a seu Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso, †
e ao Esrito que habita em nosso peito, *
pelos culos dos culos. Amém.

ant. O Senhor nos acolheu a nós, seus servidores,
fiel ao seu amor.

Preces

Invoquemos o Senhor Jesus, a quem o Pai entregou à morte pelos nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação; e digamos humildemente:

R. Senhor, tende piedade do vosso povo!

Ouvi, Senhor, as nossas súplicas e perdoai os pecados dos que se reconhecem culpados perante vós,
e, em vossa bondade, dai-nos a reconciliação e a paz.

R.

Vós, que dissestes por meio do apóstolo Paulo: “Onde o pecado foi grande, muito maior foi a graça”,
perdoai generosamente os nossos numerosos pecados.

R.

Muito pecamos, Senhor, mas confiamos na vossa infinita misericórdia;
convertei-nos inteiramente ao vosso amor.

R.

Salvai, Senhor, o vosso povo de seus pecados,
e sede bondoso para conosco.

R.

(intenções livres)

Vós, que abristes as portas do paraíso para o ladrão arrependido que vos reconheceu como Salvador,
não as fecheis para os nossos irmãos e irmãs que morreram.

R.

Pai nosso...

Oração

Deus, nosso Pai, que destes Jesus Cristo, vosso Filho, como preço de nossa salvação, concedei-nos viver de tal modo, que, participando de sua paixão, compartilhemos de sua ressurreição. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

O Senhor nos abençoe,
nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

 

 

V. Vinde, ó Deus, em meu auxílio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém. Aleluia.


Depois, recomenda-se o exame de consciência (...)

Hino

Agora que o clarão da luz se apaga,
a vós nós imploramos, Criador:
com vossa paternal misericórdia,
guardai-nos sob a luz do vosso amor.

Os nossos corações sonhem convosco:
no sono, possam eles vos sentir.
Cantemos novamente a vossa glória
ao brilho da manhã que vai surgir.

Saúde concedei-nos nesta vida,
as nossas energias renovai;
da noite a pavorosa escuridão
com vossa claridade iluminai.

Ó Pai, prestai ouvido às nossas preces,
ouvi-nos por Jesus, nosso Senhor,
que reina para sempre em vossa glória,
convosco e o Espírito de Amor.

Ou:

Ó Cristo, dia e esplendor,
na treva o oculto aclarais.
Sois luz de luz, nós o cremos,
luz aos fiéis anunciais.

Guardai-nos, Deus, nesta noite,
velai do céu nosso sono;
em vós na paz descansemos
em um tranquilo abandono.

Se os olhos pesam de sono,
vele, fiel, nossa mente.
A vossa destra proteja
quem vos amou fielmente.

Defensor nosso, atendei-nos
freai os planos malvados.
No bem guiai vossos servos,
com vosso sangue comprados.

Ó Cristo, Rei piedoso,
a vós e ao Pai toda a glória,
com o Espírito Santo,
eterna honra e vitória.

Salmodia

Ant. De dia e de noite eu clamo por vós.

Salmo 87(88)

Prece de um homem gravemente enfermo

Mas esta é a hora, a hora do poder das trevas (Lc 22,53).

2 A vós clamo, Senhor, sem cessar, todo o dia, *
e de noite se eleva até vós meu gemido.
3 Chegue a minha oração até a vossa presença, *
inclinai vosso ouvido a meu triste clamor!

4 Saturada de males se encontra a minh’alma, *
minha vida chegou junto às portas da morte.
5 Sou contado entre aqueles que descem à cova, *
toda gente me vê como um caso perdido!

6 O meu leito já tenho no reino dos mortos, *
como um homem caído que jaz no sepulcro,
– de quem mesmo o Senhor se esqueceu para sempre *
e excluiu por completo da sua atenção.

7 Ó Senhor, me pusestes na cova mais funda, *
nos locais tenebrosos da sombra da morte.
8 Sobre mim cai o peso do vosso furor, *
vossas ondas enormes me cobrem, me afogam.

9 Afastastes de mim meus parentes e amigos, *
para eles tornei-me objeto de horror.
– Eu estou aqui preso e não posso sair, *
10 e meus olhos se gastam de tanta aflição. 

– Clamo a vós, ó Senhor, sem cessar, todo o dia, *
minhas mãos para vós se levantam em prece.
11 Para os mortos, acaso, faríeis milagres? *
poderiam as sombras erguer-se e louvar-vos?

12 No sepulcro haverá quem vos cante o amor *
e proclame entre os mortos a vossa verdade?
13 Vossas obras serão conhecidas nas trevas, *
vossa graça, no reino onde tudo se esquece?

14 Quanto a mim, ó Senhor, clamo a vós na aflição, *
minha prece se eleva até vós desde a aurora.
15 Por que vós, ó Senhor, rejeitais a minh’alma? *
E por que escondeis vossa face de mim?

16 Moribundo e infeliz desde o tempo da infância, *
esgotei-me ao sofrer sob o vosso terror.
17 Vossa ira violenta caiu sobre mim *
e o vosso pavor reduziu-me a um nada!

18 Todo dia me cercam quais ondas revoltas, *
todos juntos me assaltam, me prendem, me apertam.
19 Afastastes de mim os parentes e amigos, *
e por meus familiares só tenho as trevas!

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. De dia e de noite eu clamo por vós.

Leitura breve         Cf. Jr 14,9

Tu, Senhor, estás no meio de nós, e teu nome foi invocado sobre nós; não nos abandones, Senhor nosso Deus.

Responsório breve
R.
Senhor, em vossas mãos
* Eu entrego o meu espírito. R.Senhor.
V. Vós sois o Deus fiel, que salvastes vosso povo.
* Eu entrego. Glória ao Pai. R.Senhor.

Cântico evangélico, ant.

Salvai-nos, Senhor, quando velamos,
guardai-nos também quando dormimos!
Nossa mente vigie com o Cristo,
nosso corpo repouse em sua paz!

Cântico de Simeão Lc 2,29-32

Cristo, luz das nações e glória de seu povo

29 Deixai, agora, vosso servo ir em paz, *
conforme prometestes, ó Senhor.

30 Pois meus olhos viram vossa salvação *
31 que preparastes ante a face das nações:

32 uma Luz que brilhará para os gentios *
e para a glória de Israel, o vosso povo.

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. Salvai-nos, Senhor, quando velamos,
guardai-nos também quando dormimos!
Nossa mente vigie com o Cristo,
nosso corpo repouse em sua paz!

Oração

Concedei-nos, Senhor, de tal modo unir-nos ao vosso Filho morto e sepultado, que mereçamos ressurgir com ele para uma vida nova. Por Cristo, nosso Senhor.

O Senhor todo-poderoso nos conceda uma noite tranquila
e, no fim da vida, uma morte santa.
R. Amém.

Antífona final de Nossa Senhora

Ó Mãe do Redentor, do céu ó porta,
ao povo que caiu, socorre e exorta,
pois busca levantar-se, Virgem pura,
nascendo o Criador da criatura:
tem piedade de nós e ouve, suave,
o anjo te saudando com seu Ave!

Ou:


Ave, Rainha do céu;
ave, dos anjos Senhora;
ave, raiz, ave, porta;
da luz do mundo és aurora.
Exulta, ó Virgem tão bela,
as outras seguem-te após;
nós te saudamos: adeus!
E pede a Cristo por nós!
Virgem Mãe, ó Maria!

Ou:


Salve, Rainha, Mãe de misericórdia,
vida doçura, esperança nossa, Salve!
A vós bradamos os degredados filhos de Eva,
a vós suspiramos gemendo e chorando
neste vale de lágrimas!
Eia, pois, Advogada nossa,
esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei,
e depois deste desterro mostrai-nos Jesus,
bendito fruto do vosso ventre!
Ó clemente, ó piedosa,
ó doce sempre Virgem Maria.

Ou:


À vossa proteção recorremos, santa Mãe de Deus;
não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades,
mas livrai-nos sempre de todos os perigos,
ó Virgem gloriosa e bendita.