Terça-feira da 2ª Semana da Quaresma  II Semana do Saltério

Compartilhar:

 

Invitatório


V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

Hino  

Agora é tempo favorável,

divino dom da Providência,
para curar o mundo enfermo
com um remédio, a penitência.

 

Da salvação refulge o dia,
na luz de Cristo a fulgurar.

O coração, que o mal feriu,

a abstinência vem curar.

 

Em corpo e alma, a abstinência,

Deus, ajudai-nos a guardar.

Por tal passagem, poderemos

à páscoa eterna, enfim, chegar.

 

Todo o Universo vos adore,

Trindade Santa, Sumo Bem.

Novos por graça entoaremos

um canto novo a vós. Amém.

 

Salmodia

Ant. 1 Confia ao Senhor o teu destino;
confia nele e com certeza ele agi.

Salmo 36(37)

O destino dos maus e dos bons

Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra (Mt 5,5).

I

1 Não te irrites com as obras dos malvados *
nem invejes as pessoas desonestas;

2
eles murcham tão depressa como a grama, *
como a erva verdejante secarão.

3 Confia no Senhor e faze o bem, *
e sobre a terra habitarás em segurança.

4
Coloca no Senhor tua alegria, *
e ele da o que pedir teu coração.

5 Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; *
confia nele, e com certeza ele agirá.

6
Fará brilhar tua inocência como a luz, *
e o teu direito, como o sol do meio-dia.

7 Repousa no Senhor e espera nele! *
Não cobices a fortuna desonesta,

– nem invejes quem vai bem na sua vida *
mas oprime os pequeninos e os humildes.

8 Acalma a ira e depõe o teu furor! *
Não te irrites, pois seria um mal a mais!

9
Porque serão exterminados os perversos, *
e os que esperam no Senhor terão a terra.

10 Mais um pouco e já os ímpios não existem; *
se procuras seu lugar, não o acharás.

11
Mas os mansos herdarão a nova terra, *
e nela gozarão de imensa paz.

Ant. Confia ao Senhor o teu destino;
confia nele e com certeza ele agi.

Ant. 2 Afasta-te do mal e faze o bem,
pois a força do homem justo é o Senhor.

II

12 O pecador arma ciladas contra o justo *
e, ameaçando, range os dentes contra ele;

13
mas o Senhor zomba do ímpio e ri-se dele, *
porque sabe que o seu dia vai chegar.

14 Os ímpios já retesam os seus arcos *
e tiram sua espada da bainha,

– para abater os infelizes e os pequenos *
e matar os que estão no bom caminho;

15
mas sua espada há de ferir seus corações, *
e os seus arcos hão de ser despedaçados.

16 Os poucos bens do homem justo valem mais *
do que a fortuna fabulosa dos iníquos.

17 Pois os braços dos malvados vão quebrar-se, *
mas aos justos é o Senhor que os sustenta.

18 O Senhor cuida da vida dos honestos, *
e sua herança permanece eternamente.

19
Não serão envergonhados nos maus dias, *
mas nos tempos de penúria, saciados.

20 Mas os ímpios com certeza morrerão, *
perecerão os inimigos do Senhor;

– como as flores das campinas secarão, *
e sumirão como a fumaça pelos ares.

21 O ímpio pede emprestado e não devolve, *
mas o justo é generoso e dá esmola.

22
Os que Deus abençoar, terão a terra; *
os que amaldiçoar, se perderão.

23 É o Senhor quem firma os passos dos mortais *
e dirige o caminhar dos que lhe agradam;

24
mesmo se caem, não irão ficar prostrados, *
pois é o Senhor quem os sustenta pela mão.

=25 Já fui jovem e sou hoje um ancião, †
mas nunca vi um homem justo abandonado, *
nem seus filhos mendigando o próprio pão.

26
Pode sempre emprestar e ter piedade; *
seus descendentes hão de ser abençoados.

27 Afasta-te do mal e faze o bem, *
e terás tua morada para sempre.

28
Porque o Senhor Deus ama a justiça, *
e jamais ele abandona os seus amigos.

– Os malfeitores hão de ser exterminados, *
e a descendência dos malvados destruída;

29
mas os justos herdarão a nova terra *
e nela habitarão eternamente.

Ant. Afasta-te do mal e faze o bem,
pois a força do homem justo é o Senhor.

Ant. 3 Confia em Deus e segue sempre seus caminhos!

III

30 O justo tem nos bios o que é bio, *
sua língua tem palavras de justiça;

31
traz a Aliança do seu Deus no coração, *
e seus passos não vacilam no caminho.

32 O ímpio fica à espreita do homem justo, *
estudando de que modo o matará;

33
mas o Senhor não o entrega em suas mãos, *
nem o condena quando vai a julgamento.

34 Confia em Deus e segue sempre seus caminhos; *
ele have de te exaltar e engrandecer;

– possuirás a nova terra por herança, *
e assistirás à perdição dos malfeitores.

35 Eu vi o ímpio levantar-se com soberba, *
elevar-se como um cedro exuberante;

36
depois passei por lá e já não era, *
procurei o seu lugar e não o achei.

37 Observa bem o homem justo e o honesto: *
quem ama a paz terá bendita descendência.

38
Mas os ímpios serão todos destruídos, *
e a sua descendência exterminada.

39 A salvação dos piedosos vem de Deus; *
ele os protege nos momentos de aflição.

=40
O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, †
defende-os e protege-os contra os ímpios, *
e os guarda porque nele confiaram.

Ant. Confia em Deus e segue sempre seus caminhos!

V. Eis o tempo de conversão.

R. Eis o dia da salvação.

 

Primeira leitura

Do Livro do Êxodo             16,1-18.35

 

O maná no deserto

1Toda a comunidade dos filhos de Israel partiu de Elim e chegou ao deserto de Sin, entre Elim e o Sinai, no dia quinze do segundo mês da saída do Egito.

2A comunidade dos filhos de Israel pôs-se a murmurar contra Moisés e Aarão, no deserto, dizendo: 3“Quem dera se tivéssemos morrido pela mão do Senhor no Egito, quando nos sentávamos junto às panelas de carne e comíamos pão com fartura! Por que nos trouxestes a este deserto para matar de fome a toda esta gente?”

4O Senhor disse a Moisés: “Eu farei chover para vós o pão do céu. O povo sairá diariamente e só recolherá a porção de cada dia a fim de que eu o ponha à prova, para ver se anda ou não na minha lei. 5No sexto dia, quando prepararem o que tiverem trazido, terão o dobro do que recolherem diariamente”.

6Moisés e Aarão disseram a todos os filhos de Israel:

“Esta tarde, sabereis que foi o Senhor

que vos fez sair da terra do Egito;

7e, pela manhã, vereis a glória do Senhor.

Ele ouviu as vossas murmurações contra o Senhor; porém, quem somos nós, para que murmureis contra nós?”

8E Moisés continuou:

“O Senhor vos dará esta tarde carne para comerdes,

e pela manhã pão com fartura;

porque ouviu as murmurações que fizestes contra ele. Nós, porém, quem somos? Não é contra nós a vossa murmuração, mas contra o Senhor”.

9E Moisés disse a Aarão:“Dize a toda a comunidade dos filhos de Israel: ‘Apresentai-vos diante do Senhor, pois ele ouviu a vossa murmuração’”. 10Enquanto Aarão falava a toda a comunidade dos filhos de Israel, voltando os olhos para o deserto, eles viram aparecer na nuvem a glória do Senhor. 11O Senhor falou, então, a Moisés, dizendo: 12“Eu ouvi as murmurações dos filhos de Israel. Dize-lhes, pois: ‘Ao anoitecer, comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão. Assim sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus’”.

13Com efeito, à tarde, veio um bando de codornizes e cobriu o acampamento; e, pela manhã, formou-se uma camada de orvalho ao redor do acampamento.

14Quando se evaporou o orvalho que caíra, apareceu na superfície do deserto uma coisa miúda, em forma de grãos, fina como a geada sobre a terra. 15Vendo aquilo, os filhos de Israel disseram entre si: “Que é isto?” Porque não sabiam o que era. Moisés respondeu-lhes:“Isto é o pão que o Senhor vos deu como alimento. 16Eis a ordem que o Senhor vos deu: Que cada um recolha para comer a quantia deque necessita, quatro litros e meio por cabeça, e de acordo com o número de pessoas que moram em cada tenda”. 17Assim fizeram os filhos de Israel, recolhendo uns mais, outros menos. 18Mas, ao medir depois as quantias, não sobrava a quem tinha recolhido mais, nem faltava a quem tinha recolhido menos; cada um recolhia quanto podia comer.

35Os filhos de Israel comeram maná durante quarenta anos, até entrarem em terra habitada; alimentaram-se com esta comida até chegarem às fronteiras de Canaã.

 

Responsório             Cf. Sb 16,20; Jo 6,32b

 

R. Saciastes vosso povo com manjar digno de anjos

e lhes destes pão do céu,

* Que contém toda delícia e agrada a todo gosto.

V. Não foi Moisés quem deu outrora

aquele pão que vem do céu,

porém, meu Pai é quem vos dá o verdadeiro pão do céu.

* Que contém.

 

Segunda leitura

Dos Comentários sobre os Salmos, de Santo Agostinho, bispo

(Ps 140,4-6:CCL 40,2028-2029)            (Séc.V)

 

A paixão de todo o corpo de Cristo

Senhor, eu clamo por vós, socorrei-me sem demora (Sl 140,1). Isto todos nós podemos dizer. Não sou eu que digo, é o Cristo total que diz. Contudo, estas palavras foram ditas especialmente em nome do Corpo, porque, quando Cristo estava neste mundo, orou como homem; orou ao Pai em nome do Corpo; e enquanto orava, gotas de sangue caíram de todo o seu corpo. Assim está escrito no Evangelho: Jesus rezava com mais insistência e seu suor tornou-se como gotas de sangue (Lc 22,44). Que significa este derramamento de sangue de todo o seu corpo, senão a paixão dos mártires de toda a Igreja?

Senhor, eu clamo por vós, socorrei-me sem demora. Quando eu grito, escutai minha voz! (Sl 140,1). Julgavas ter acabado de vez o teu clamor ao dizer: eu clamo por vós. Clamaste, mas não julgues que já estejas em segurança. Se findou a tribulação, findou também o clamor; mas se a tribulação da Igreja e do Corpo de Cristo continua até o fim dos tempos, não só devemos dizer: eu clamo por vós, socorrei-me sem demora; mas: Quando eu grito, escutai minha voz!

Minha oração suba a vós como incenso, e minhas mãos, como oferta da tarde (Sl 140,2).

Todo cristão sabe que esta expressão continua a ser atribuída à própria Cabeça. Porque, na verdade, foi ao cair da tarde daquele dia, que o Senhor, voluntariamente, entregou na cruz sua vida, para retomá-la em seguida. Também aqui estávamos representados. Com efeito, o que estava suspenso na cruz foi o que ele assumiu da nossa natureza. Como seria possível que o Pai rejeitasse e abandonasse algum momento seu Filho Unigênito, sendo ambos um só Deus? Contudo, cravando nossa frágil natureza na cruz, onde o nosso homem velho, como diz o Apóstolo, foi crucificado com Cristo (Rm 6,6), clamou com a voz da nossa humanidade: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Sl 21,2).

Eis, portanto, o verdadeiro sacrifício vespertino: a paixão do Senhor, a cruz do Senhor, a oblação da vítima salvadora, o holocausto agradável a Deus. Esse sacrifício vespertino, ele o converteu, por sua ressurreição, em oferenda da manhã. Assim, a oração que se eleva, com toda pureza, de um coração fiel, é como o incenso que sobe do altar sagrado. Não há aroma mais agradável a Deus: possam todos os fiéis oferecê-lo ao Senhor.

Por isso, o nosso homem velho – são palavras do Apóstolo – foi crucificado com Cristo, para que seja destruído o corpo do pecado, de maneira a não mais servirmos ao pecado (Rm 6,6).

 

Responsório             Cf. Gl 2,19.20

 

R. Estou pregado com Cristo na cruz.

* Eu vivo, porém, já não eu,

mas Cristo é que vive em mim.

V. Vivo agora esta vida na fé no Filho de Deus, Jesus Cristo,

que me amou e, por mim, se entregou. * Eu vivo.

 

Oração
Guardai, Senhor Deus, a vossa Igreja com a vossa constante proteção, e, como a fraqueza humana desfalece sem vosso auxílio, livrai-nos constantemente do mal e conduzi-nos pelos caminhos da salvação. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.

 

 

 

 

 

Invitatório

  Ant. do Invitatório: O Senhor, o grande Deus, vinde todos, adoremos!


V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente às Laudes.

Hino

Ó Cristo, sol de justiça,
brilhai nas trevas da mente.
Com força e luz, reparai
a criação novamente.

Dai-nos, no tempo aceitável,
um coração penitente,
que se converta e acolha
o vosso amor paciente.

A penitência transforme
tudo o que em nós há de mal.
É bem maior que o pecado
o vosso dom sem igual.

Um dia vem, vosso dia,
e tudo então refloresce.
Nós, renascidos na graça,
exultaremos em prece.

A vós, Trindade clemente,
com toda a terra adoramos,
e no perdão renovados
um canto novo cantamos.

Salmodia

Ant. 1 Enviai-me, ó Senhor, vossa luz, vossa verdade!

Salmo 42(43)

Saudades do templo

Eu vim ao mundo como luz (Jo 12,46).

1 Fazei justiça, meu Deus, e defendei-me *
contra a gente impiedosa;

– do homem perverso e mentiroso *
libertai-me, ó Senhor!

2 Sois vós o meu Deus e meu refúgio: *
por que me afastais?

– Por que ando tão triste e abatido *
pela opressão do inimigo?

3 Enviai vossa luz, vossa verdade: *
elas serão o meu guia;

– que me levem ao vosso Monte santo, *
até a vossa morada!

4 Então irei aos altares do Senhor, *
Deus da minha alegria.

– Vosso louvor cantarei, ao som da harpa, *
meu Senhor e meu Deus!

5 Por que te entristeces, ó minh’alma, *
a gemer no meu peito?

– Espera em Deus! Louvarei novamente *
o meu Deus Salvador!

Ant. Enviai-me, ó Senhor, vossa luz, vossa verdade!

Ant. 2 Salvai-nos, ó Senhor, todos os dias!

Cântico Is 38,10-14.17-20

Angústia de um agonizante e alegria da cura

Eu sou aquele que vive. Estive morto... Eu tenho a chave da morte (Ap 1,18).

10 Eu dizia: “É necesrio que eu me *
no apogeu de minha vida e de meus dias;

– para a mansão triste dos mortos descerei, *
sem viver o que me resta dos meus anos”.

=11 Eu dizia: “Não verei o Senhor Deus †
sobre a terra dos viventes nunca mais; *
nunca mais verei um homem neste mundo!”

12 Minha morada foi à força arrebatada, *
desarmada como a tenda de um pastor.

– Qual tecelão, eu ia tecendo a minha vida, *
mas agora foi cortada a sua trama.

13 Vou me acabando de manhã até à tarde, *
passo a noite a gemer até a aurora.

– Como um leão que me tritura os ossos todos, *
assim eu vou me consumindo dia e noite.

14 O meu grito é semelhante ao da andorinha, *
o meu gemido se parece ao da rolinha.

– Os meus olhos já se cansam de elevar-se, *
de pedir-vos: “Socorrei-me, Senhor Deus!”

17 Mas vós livrastes minha vida do sepulcro, *
e lançastes para trás os meus pecados.

18
Pois a mansão triste dos mortos não vos louva, *
nem a morte poderá agradecer-vos;

– para quem desce à sepultura é terminada *
a esperança em vosso amor sempre fiel.

19
Só os vivos é que podem vos louvar, *
como hoje eu vos louvo agradecido.

– O pai há de contar para seus filhos *
vossa verdade e vosso amor sempre fiel.

=20
Senhor, salvai-me! Vinde logo em meu auxílio, †
e a vida inteira cantaremos nossos salmos, *
agradecendo ao Senhor em sua casa.

Ant. Salvai-nos, ó Senhor, todos os dias!

Ant. 3 Ó Senhor, convém cantar vosso louvor
com um hino em Sião!

Salmo 64(65)

Solene ação de graças

Sião significa a cidade celeste (Orígenes).

2 Ó Senhor, convém cantar vosso louvor *
com um hino em Sião!

3
E cumprir os nossos votos e promessas, *
pois ouvis a oração.

– Toda carne há de voltar para o Senhor, *
por causa dos pecados.

4
E por mais que nossas culpas nos oprimam, *
perdoais as nossas faltas.

5 É feliz quem escolheis e convidais *
para morar em vossos átrios!

– Saciamo-nos dos bens de vossa casa *
e do vosso templo santo.

6 Vossa bondade nos responde com prodígios, *
nosso Deus e Salvador!

– Sois a esperança dos confins de toda a terra *
e dos mares mais distantes.

7 As montanhas sustentais com vossa força: *
estais vestido de poder.

8
Acalmais o mar bravio e as ondas fortes *
e o tumulto das nações.

9 Os habitantes mais longínquos se admiram *
com as vossas maravilhas.

– Os extremos do nascente e do poente *
inundais de alegria.

10 Visitais a nossa terra com as chuvas, *
e transborda de fartura.

– Rios de Deus que vêm do céu derramam águas, *
e preparais o nosso trigo.

11 É assim que preparais a nossa terra: *
vós a regais e aplainais,

– os seus sulcos com a chuva amoleceis *
e abençoais as sementeiras.

12 O ano todo coroais com vossos dons, *
os vossos passos são fecundos;

– transborda a fartura onde passais, *
13
brotam pastos no deserto.

– As colinas se enfeitam de alegria, *
14 e os campos, de rebanhos;
– nossos vales se revestem de trigais: *
tudo canta de alegria!

Ant. Ó Senhor, convém cantar vosso louvor
com um hino em Sião!

Leitura breve             Jl 2,12-13

Voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; rasgai o coração, e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo.

Responsório breve

R. Curai-me, ó Deus Santo,
* Pois pequei contra vós! R. Curai-me.
V. Tende piedade de mim, renovai-me!* Pois pequei.
Glória ao Pai. R. Curai-me.

CÂNTICO EVANGÉLICO(BENEDICTUS) Lc 1,68-79

Ant. O vosso Mestre é um somente,
é o Cristo Senhor que está nos céus.

O Messias e seu Precursor

68 Bendito seja o Senhor Deus de Israel, * 
porque a seu povo visitou e libertou

69 e fez surgir um poderoso Salvador *
na casa de Davi, seu servidor

70 como falara pela boca de seus santos, * 
os profetas desde os tempos mais antigos, 

71 para salvar-nos do poder dos inimigos * 
e da mão de todos quantos nos odeiam. 

72 Assim mostrou misericórdia a nossos pais, * 
recordando a sua santa Aliança 

73 e o juramento a Abraão, o nosso pai, * 
de conceder-nos 
74 que, libertos do inimigo, 

= a ele nós sirvamos sem temor † 
75 em santidade e em justiça diante dele, * 
enquanto perdurarem nossos dias. 

=76 Serás profeta do Alssimo, ó menino, † 
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos, 

77 anunciando ao seu povo a salvação, *
que está na remissão de seus pecados; 

78 pela bondade e compaixão de nosso Deus, * 
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente, 

79 para iluminar a quantos jazem entre as trevas *
e na sombra da morte estão sentados 

– e para dirigir os nossos passos, * 
guiando-os no caminho da paz

Ant. O vosso Mestre é um somente,
é o Cristo Senhor que está nos céus.

Preces

Rendamos graças a Deus Pai, que nos deu o seu Filho Unigênito, a Palavra que se fez carne, para ser nosso alimento e nossa vida; e supliquemos:

R. Que a palavra de Cristo habite em nossos corações!

Concedei-nos escutar com mais frequência a vossa palavra, nesta quaresma,
para louvarmos a Cristo, nossa Páscoa, com maior piedade e devoção, na grande solenidade que se aproxima.
R.
Que o vosso Espírito Santo nos ensine,
e nos faça testemunhas da vossa verdade e bondade para animar os que vacilam e os que erram.
R.
Fazei-nos viver mais profundamente o mistério de Cristo,
e manifestá-lo mais claramente em nossa vida.
R.
Purificai e renovai a vossa Igreja neste tempo de graça,
para que ela proclame cada vez melhor a vossa vontade e a vossa salvação.
R.
(intenções livres)
 

Pai nosso...

Oração

Guardai, Senhor Deus, a vossa Igreja com a vossa constante proteção, e, como a fraqueza humana desfalece sem vosso auxílio, livrai-nos constantemente do mal e conduzi-nos pelos caminhos da salvação. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

O Senhor nos abençoe,
nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

 

 

Oração das Nove Horas

 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

 

Hino

Na fé em Deus, por quem vivemos,
na esperança do que cremos,
no dom da santa caridade,
de Cristo as glórias entoemos.

Ao sacrifício da Paixão
na hora terça conduzido,
Jesus levando a cruz às costas,
arranca às trevas o perdido.

Vós nos livrastes do decreto
duma total condenação;
do mundo mau livrai o povo,
fruto da vossa redenção.

A Cristo, ao Pai e ao Santo Espírito,
Trindade Santa, Eterno Bem,
nosso louvor e ação de graças
hoje e nos séculos. Amém.

Salmodia 

Ant. Chegou o tempo de penincia,
de conversão e de salvação

Salmo 118(119),49-56

VII (Zain)

Meditação sobre a Palavra de Deus na Lei

A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna (Jo 6,68).

49 Lembrai-vos da promessa ao vosso servo, *
pela qual me cumulastes de esperança!

50
O que me anima na aflição é a certeza: *
vossa palavra me dá a vida, ó Senhor.

51 Por mais que me insultem os soberbos, *
eu não me desviarei de vossa lei.

52
Recordo as leis que vós outrora proferistes, *
e esta lembrança me consola o coração.

53 Apodera-se de mim a indignação, *
vendo que os ímpios abandonam vossa lei.

54
As vossas leis são para mim como canções *
que me alegram nesta terra de exílio.

55 Até de noite eu relembro vosso nome *
e observo a vossa lei, ó meu Senhor!

56
Quanto a mim, uma só coisa me interessa: *
cumprir vossos preceitos, ó Senhor!

Salmo 52(53)

A insensatez dos ímpios

Todos pecaram e estão privados da glória de Deus (Rm 3,23).

1 Diz o insensato em seu próprio coração: *
“Não há Deus! Deus não existe!”

2
Corromperam-se em ações abomináveis, *
já não quem faça o bem!

3 O Senhor, ele se inclina lá dos céus *
sobre os filhos de Adão,

– para ver se resta um homem de bom senso *
que ainda busque a Deus.

4 Mas todos eles igualmente se perderam, *
corrompendo-se uns aos outros;

– não existe mais nenhum que faça o bem, *
não existe um sequer!

5 Se que não percebem os malvados *
quanto exploram o meu povo?

– Eles devoram o meu povo como pão, *
e não invocam o Senhor.

6 Eis que se põem a tremer de tanto medo, *
onde não o que temer;

– porque Deus fez dispersar até os ossos *
dos que te assediavam.

– Eles ficaram todos cheios de vergonha, *
porque Deus os rejeitou.

7
Que venha, venha logo de Sião *
a salvação de Israel!

– Quando o Senhor reconduzir do cativeiro *
os deportados de seu povo,

– que bilo e que festa em Jacó, *
que alegria em Israel!

Salmo 53(54),3-6.8-9

Pedido de auxílio

O profeta reza para escapar, em nome do Senhor, à maldade de seus perseguidores (Cassiodoro).

3 Por vosso nome, salvai-me, Senhor; *
e dai-me a vossa justiça!

4
Ó meu Deus, atendei minha prece *
e escutai as palavras que eu digo!

=5 Pois contra mim orgulhosos se insurgem, †
e violentos perseguem-me a vida: *
não há lugar para Deus aos seus olhos.

6
Quem me protege e me ampara é meu Deus; *
é o Senhor quem sustenta minha vida!

8 Quero ofertar-vos o meu sacrifício *
de coração e com muita alegria;

– quero louvar, ó Senhor, vosso nome, *
quero cantar vosso nome que é bom!

9
Pois me livrastes de toda a angústia, *
e humilhados vi meus inimigos!

Ant. Chegou o tempo de penincia,
de conversão e de salvação

Leitura breve             Jl 2,17
Chorem, postos entre o vestíbulo e o altar, os ministros sagrados do Senhor, e digam: “Perdoa, Senhor, a teu povo, e não deixes que esta tua herança sofra infâmia e que as nações a dominem”.

V. Criai em mim um coração que seja puro.
R. Dai-me de novo um espírito decidido!

Oração

Guardai, Senhor Deus, a vossa Igreja com a vossa constante proteção, e, como a fraqueza humana desfalece sem vosso auxílio, livrai-nos constantemente do mal e conduzi-nos pelos caminhos da salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

Oração das doze horas

 


V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

Hino

Na mesma hora em que Jesus, o Cristo,
sofreu a sede, sobre a cruz pregado,
conceda a sede de justiça e graça
a quem celebra o seu louvor sagrado.

Ao mesmo tempo ele nos seja a fome
e o Pão divino que a Si mesmo dá;
seja o pecado para nós fastio,
só no bem possa o nosso gozo estar.

A unção viva do divino Espírito
impregne a mente dos que cantam salmos;
toda frieza do seu peito afaste,
no coração ponha desejos calmos,

Ao Pai e ao Cristo suplicamos graça,
com seu Espírito, eterno Bem;
Trindade Santa, protegei o orante,
guardai o povo em caridade. Amém.

Salmodia

Ant.
Por minha vida, diz o Senhor,
não quero a morte do pecador,
mas que ele volte e tenha vida.

Salmo 118(119),49-56

VII (Zain)

Meditação sobre a Palavra de Deus na Lei

A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna (Jo 6,68).

49 Lembrai-vos da promessa ao vosso servo, *
pela qual me cumulastes de esperança!

50
O que me anima na aflição é a certeza: *
vossa palavra me dá a vida, ó Senhor.

51 Por mais que me insultem os soberbos, *
eu não me desviarei de vossa lei.

52
Recordo as leis que vós outrora proferistes, *
e esta lembrança me consola o coração.

53 Apodera-se de mim a indignação, *
vendo que os ímpios abandonam vossa lei.

54
As vossas leis são para mim como canções *
que me alegram nesta terra de exílio.

55 Até de noite eu relembro vosso nome *
e observo a vossa lei, ó meu Senhor!

56
Quanto a mim, uma só coisa me interessa: *
cumprir vossos preceitos, ó Senhor!

Salmo 52(53)

A insensatez dos ímpios

Todos pecaram e estão privados da glória de Deus (Rm 3,23).

1 Diz o insensato em seu próprio coração: *
“Não há Deus! Deus não existe!”

2
Corromperam-se em ações abomináveis, *
já não quem faça o bem!

3 O Senhor, ele se inclina lá dos céus *
sobre os filhos de Adão,

– para ver se resta um homem de bom senso *
que ainda busque a Deus.

4 Mas todos eles igualmente se perderam, *
corrompendo-se uns aos outros;

– não existe mais nenhum que faça o bem, *
não existe um sequer!

5 Se que não percebem os malvados *
quanto exploram o meu povo?

– Eles devoram o meu povo como pão, *
e não invocam o Senhor.

6 Eis que se põem a tremer de tanto medo, *
onde não o que temer;

– porque Deus fez dispersar até os ossos *
dos que te assediavam.

– Eles ficaram todos cheios de vergonha, *
porque Deus os rejeitou.

7
Que venha, venha logo de Sião *
a salvação de Israel!

– Quando o Senhor reconduzir do cativeiro *
os deportados de seu povo,

– que bilo e que festa em Jacó, *
que alegria em Israel!

Salmo 53(54),3-6.8-9

Pedido de auxílio

O profeta reza para escapar, em nome do Senhor, à maldade de seus perseguidores (Cassiodoro).

3 Por vosso nome, salvai-me, Senhor; *
e dai-me a vossa justiça!

4
Ó meu Deus, atendei minha prece *
e escutai as palavras que eu digo!

=5 Pois contra mim orgulhosos se insurgem, †
e violentos perseguem-me a vida: *
não há lugar para Deus aos seus olhos.

6
Quem me protege e me ampara é meu Deus; *
é o Senhor quem sustenta minha vida!

8 Quero ofertar-vos o meu sacrifício *
de coração e com muita alegria;

– quero louvar, ó Senhor, vosso nome, *
quero cantar vosso nome que é bom!

9
Pois me livrastes de toda a angústia, *
e humilhados vi meus inimigos!

Ant. Por minha vida, diz o Senhor,
não quero a morte do pecador,
mas que ele volte e tenha vida.

Leitura breve             Jr 3,25b

Nós ofendemos o Senhor, nosso Deus, nós e nossos pais, desde a juventude até ao dia de hoje, não escutamos a voz do Senhor, nosso Deus.

V. Desviai o vosso olhar dos meus pecados.
R. E apagai todas as minhas transgressões!

Oração

Guardai, Senhor Deus, a vossa Igreja com a vossa constante proteção, e, como a fraqueza humana desfalece sem vosso auxílio, livrai-nos constantemente do mal e conduzi-nos pelos caminhos da salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

 

Oração das Quinze Horas


 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

 

Hino

O número sagrado,
três vezes três das horas,
abrindo um novo espaço,
nos chama à prece, agora.
Ao nome de Jesus,
perdão seu povo implora.

O Cristo ouviu a prece
sincera do ladrão.
A graça foi-lhe dada,
por sua confissão.
Jesus ouvindo a súplica,
também nos dê perdão.

Agora morre a morte,
vencida pela cruz;
após as trevas densas,
serena, volta a luz;
o horror do mal se quebra,
na mentes Deus reluz.

A Cristo nós rogamos
e ao Pai, eterno Bem,
com seu Divino Espírito,
amor que os sustém,
proteja sua Igreja
agora e sempre. Amém.

Salmodia

Ant. Sejamos firmes na provação:
Sua justiça é nossa força.

Salmo 118(119),49-56

VII (Zain)

Meditação sobre a Palavra de Deus na Lei

A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna (Jo 6,68).

49 Lembrai-vos da promessa ao vosso servo, *
pela qual me cumulastes de esperança!

50
O que me anima na aflição é a certeza: *
vossa palavra me dá a vida, ó Senhor.

51 Por mais que me insultem os soberbos, *
eu não me desviarei de vossa lei.

52
Recordo as leis que vós outrora proferistes, *
e esta lembrança me consola o coração.

53 Apodera-se de mim a indignação, *
vendo que os ímpios abandonam vossa lei.

54
As vossas leis são para mim como canções *
que me alegram nesta terra de exílio.

55 Até de noite eu relembro vosso nome *
e observo a vossa lei, ó meu Senhor!

56
Quanto a mim, uma só coisa me interessa: *
cumprir vossos preceitos, ó Senhor!

Salmo 52(53)

A insensatez dos ímpios

Todos pecaram e estão privados da glória de Deus (Rm 3,23).

1 Diz o insensato em seu próprio coração: *
“Não há Deus! Deus não existe!”

2
Corromperam-se em ações abomináveis, *
já não quem faça o bem!

3 O Senhor, ele se inclina lá dos céus *
sobre os filhos de Adão,

– para ver se resta um homem de bom senso *
que ainda busque a Deus.

4 Mas todos eles igualmente se perderam, *
corrompendo-se uns aos outros;

– não existe mais nenhum que faça o bem, *
não existe um sequer!

5 Se que não percebem os malvados *
quanto exploram o meu povo?

– Eles devoram o meu povo como pão, *
e não invocam o Senhor.

6 Eis que se põem a tremer de tanto medo, *
onde não o que temer;

– porque Deus fez dispersar até os ossos *
dos que te assediavam.

– Eles ficaram todos cheios de vergonha, *
porque Deus os rejeitou.

7
Que venha, venha logo de Sião *
a salvação de Israel!

– Quando o Senhor reconduzir do cativeiro *
os deportados de seu povo,

– que bilo e que festa em Jacó, *
que alegria em Israel!

Salmo 53(54),3-6.8-9

Pedido de auxílio

O profeta reza para escapar, em nome do Senhor, à maldade de seus perseguidores (Cassiodoro).

3 Por vosso nome, salvai-me, Senhor; *
e dai-me a vossa justiça!

4
Ó meu Deus, atendei minha prece *
e escutai as palavras que eu digo!

=5 Pois contra mim orgulhosos se insurgem, †
e violentos perseguem-me a vida: *
não há lugar para Deus aos seus olhos.

6
Quem me protege e me ampara é meu Deus; *
é o Senhor quem sustenta minha vida!

8 Quero ofertar-vos o meu sacrifício *
de coração e com muita alegria;

– quero louvar, ó Senhor, vosso nome, *
quero cantar vosso nome que é bom!

9
Pois me livrastes de toda a angústia, *
e humilhados vi meus inimigos!

Ant. Sejamos firmes na provação:
Sua justiça é nossa força.

Leitura breve             Is 58,1-2a

Grita forte, sem cessar, levanta a voz como trombeta e denuncia os crimes do meu povo e os pecados da casa de Jacó. Buscam-me cada dia e desejam conhecer meus propósitos, como gente que pratica a justiça e não abandonou a lei de Deus.

V. Meu sacrifício é minha alma penitente.
R. Não desprezeis um coração arrependido!

Oração

Guardai, Senhor Deus, a vossa Igreja com a vossa constante proteção, e, como a fraqueza humana desfalece sem vosso auxílio, livrai-nos constantemente do mal e conduzi-nos pelos caminhos da salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.
 

Hino

A abstinência quaresmal
vós consagrastes, ó Jesus;
pelo jejum e pela prece,
nos conduzis da treva à luz.

Ficai presente agora à Igreja,
ficai presente à penitência,
pela qual vos suplicamos
para os pecados indulgência.

Por vossa graça, perdoai
as nossas culpas do passado;
contra as futuras protegei-nos,
manso Jesus, Pastor amado,

Para que nós, purificados
por esses ritos anuais,
nos preparemos, reverentes,
para gozar os dons pascais.

Todo o universo vos adore,
Trindade Santa, Sumo Bem.
Novos, por graça, vos cantemos
um canto novo e belo. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.

Salmo 48(49)

A ilusão das riquezas

Dificilmente um rico entrará no Reino dos Céus (Mt 19,23).

I

2 Ouvi isto, povos todos do universo, *
muita atenção, ó habitantes deste mundo;

3
poderosos e humildes, escutai-me, *
ricos e pobres, todos juntos, sede atentos!

4 Minha boca vai dizer palavras sábias, *
que meditei no coração profundamente;

5
e inclinando meus ouvidos às parábolas, *
decifrarei ao som da harpa o meu enigma:

6 Por que temer os dias maus e infelizes, *
quando a macia dos perversos me circunda?

7
Por que temer os que confiam nas riquezas *
e se gloriam na abundância de seus bens?

8 Ninguém se livra de sua morte por dinheiro *
nem a Deus pode pagar o seu resgate.

9 A isenção da própria morte não tem preço; *
não há riqueza que a possa adquirir,

10
nem dar ao homem uma vida sem limites *
e garantir-lhe uma existência imortal.

=11 Morrem os bios e os ricos igualmente; †
morrem os loucos e também os insensatos, *
e deixam tudo o que possuem aos estranhos;

=12
os seus sepulcros serão sempre as suas casas, †
suas moradas através das gerações, *
mesmo se deram o seu nome a muitas terras.

13 Não dura muito o homem rico e poderoso; *
é semelhante ao gado gordo que se abate.

Ant. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.

Ant. 2 Ajuntai vosso tesouro no céu, diz o Senhor.

II

14 Este é o fim do que espera estultamente, *
o fim daqueles que se alegram com sua sorte;

=15
são um rebanho recolhido ao cemitério, †
e a própria morte é o pastor que os apascenta; *
são empurrados e deslizam para o abismo.

– Logo seu corpo e seu semblante se desfazem, *
e entre os mortos fixarão sua morada.

16
Deus, porém, me salvará das mãos da morte *
e junto a si me tomará em suas mãos.

17 Não te inquietes, quando um homem fica rico *
e aumenta a opulência de sua casa;

18
pois ao morrer não levará nada consigo, *
nem seu presgio poderá acompanhá-lo.

19 Felicitava-se a si mesmo enquanto vivo: *
“Todos te aplaudem, tudo bem, isto que é vida!”

20
Mas vai-se ele para junto de seus pais, *
que nunca mais e nunca mais verão a luz!

21 Não dura muito o homem rico e poderoso: *
é semelhante ao gado gordo que se abate.

Ant. Ajuntai vosso tesouro no céu, diz o Senhor.

Ant. 3 Toda glória ao Cordeiro imolado!
Toda honra e poder para sempre!

Cântico Ap 4,11; 5,9.10.12

Hino dos remidos

4,11 Vós sois digno, Senhor nosso Deus, *
de receber honra, glória e poder!

(R. Poder, honra e glória ao Cordeiro de Deus!)

=5,9 Porque todas as coisas criastes, †
é por vossa vontade que existem *
e subsistem porque vós mandais.

(R.)

= Vós sois digno, Senhor nosso Deus, †
de o livro nas mãos receber *
e de abrir suas folhas lacradas!

(R.)

– Porque fostes por nós imolado; *
para Deus nos remiu vosso sangue

– dentre todas as tribos e línguas, *
dentre os povos da terra e nações.

(R.)

= 10 Pois fizestes de nós, para Deus, †
sacerdotes e povo de reis, *
e iremos reinar sobre a terra.

(R.)

= 12 O Cordeiro imolado é digno †
de receber honra, glória e poder, *
sabedoria, louvor, divindade!

(R.)

Ant. Toda glória ao Cordeiro imolado!
Toda honra e poder para sempre!

Leitura breve             Tg 2,14.17.18b

Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé, quando não a põe em prática? A fé seria então capaz de salvá-lo? A fé, se não se traduz em obras, por si só está morta. Tu, mostra-me a tua fé sem as obras, que eu te mostrarei a minha fé pelas obras!

Responsório breve

R. Iluminai-me, Senhor, conforme a vossa palavra,
* Para que eu sempre faça a vossa vontade!
R. Iluminai-me.
V. Inclinai meu coração aos vossos preceitos.* Para que eu.
Glória ao Pai. R. Iluminai-me.

CÂNTICO EVANGÉLICO (MAGNIFICAT) Lc1,46-55

Ant. Vós todos sois irmãos e um só é o vosso Pai.
A ninguém chameis de mestre,
um somente é o vosso Mestre:
Jesus Cristo, o Salvador.

A alegria da alma no Senhor

46 A minha alma engrandece ao Senhor
47 e se alegrou o meu esrito em Deus, meu Salvador
48 pois ele viu a pequenez de sua serva, * 
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. 

49 O Poderoso fez por mim maravilhas * 
e Santo é o seu nome! 
50 Seu amor, de geração em geração, * 
chega a todos que o respeitam; 

51 demonstrou o poder de seu braço, * 
dispersou os orgulhosos; 
52 derrubou os poderosos de seus tronos * 
e os humildes exaltou;

53 De bens saciou os famintos, * 
e despediu, sem nada, os ricos. 
54 Acolheu Israel, seu servidor, * 
fiel ao seu amor

55 como havia prometido aos nossos pais, * 
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre. 

= Demos glória a Deus Pai onipotente
e a seu Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso, †
e ao Esrito que habita em nosso peito, *
pelos culos dos culos. Amém.

Ant. Vós todos sois irmãos e um só é o vosso Pai.
A ninguém chameis de mestre,
um somente é o vosso Mestre:
Jesus Cristo, o Salvador.

Preces

Demos glória ao Senhor Jesus Cristo que, exaltado na cruz, atraiu para si todo o gênero humano; e lhe supliquemos com piedade:

R. Senhor, atraí tudo para vós!

Senhor, iluminai com o mistério da vossa cruz todo o gênero humano,
para que, atraídos por ela, vos reconheçamos como caminho, verdade e vida.
R.
Dai água viva a todos os que estão sedentos de vós,
para que saciem para sempre a sua sede.
R.
Iluminai os intelectuais e os artistas,
para que manifestem a todos os caminhos do vosso Reino.
R.
Movei a consciência de todos aqueles a quem o pecado ou o escândalo afastou de vós,
para que voltem à vida da graça e permaneçam no vosso amor.
R.
(intenções livres)
Admiti na glória do céu os nossos irmãos e irmãs falecidos,
para que se alegrem eternamente na companhia de Nossa Senhora e de todos os santos.
R.

Pai nosso.

Oração

Guardai, Senhor Deus, a vossa Igreja com a vossa constante proteção, e, como a fraqueza humana desfalece sem vosso auxílio, livrai-nos constantemente do mal e conduzi-nos pelos caminhos da salvação. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

O Senhor nos abençoe,
nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

 

 

V. Vinde, ó Deus, em meu auxílio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.


Depois, recomenda-se o exame de consciência (...)

Hino

Agora que o clarão da luz se apaga,
a vós nós imploramos, Criador:
com vossa paternal misericórdia,
guardai-nos sob a luz do vosso amor.

Os nossos corações sonhem convosco:
no sono, possam eles vos sentir.
Cantemos novamente a vossa glória
ao brilho da manhã que vai surgir.

Saúde concedei-nos nesta vida,
as nossas energias renovai;
da noite a pavorosa escuridão
com vossa claridade iluminai.

Ó Pai, prestai ouvido às nossas preces,
ouvi-nos por Jesus, nosso Senhor,
que reina para sempre em vossa glória,
convosco e o Espírito de Amor.

Ou:

Ó Cristo, dia e esplendor,
na treva o oculto aclarais.
Sois luz de luz, nós o cremos,
luz aos fiéis anunciais.

Guardai-nos, Deus, nesta noite,
velai do céu nosso sono;
em vós na paz descansemos
em um tranquilo abandono.

Se os olhos pesam de sono,
vele, fiel, nossa mente.
A vossa destra proteja
quem vos amou fielmente.

Defensor nosso, atendei-nos
freai os planos malvados.
No bem guiai vossos servos,
com vosso sangue comprados.

Ó Cristo, Rei piedoso,
a vós e ao Pai toda a glória,
com o Espírito Santo,
eterna honra e vitória.

Salmodia

Ant. Não escondais vossa face de mim,
porque em vós coloquei a esperança!

Salmo 142(143),1-11

Prece na aflição

Ninguém é justificado por observar a Lei de Moisés, mas por crer em Jesus Cristo (Gl 2,16).

1 Ó Senhor, escutai minha prece, *
ó meu Deus, atendei minha súplica!
– Respondei-me, ó vós, Deus fiel, *
escutai-me por vossa justiça! –

=2 Não chameis vosso servo a juízo, †
pois diante da vossa presença *
não é justo nenhum dos viventes.

3 O inimigo persegue a minha alma, *
ele esmaga no chão minha vida
– e me faz habitante das trevas, *
como aqueles que há muito morreram.
4 Já em mim o alento se extingue, *
o coração se comprime em meu peito!

=5 Eu me lembro dos dias de outrora †
e repasso as vossas ações, *
recordando os vossos prodígios.
=6 Para vós minhas mãos eu estendo; †
minha alma tem sede de vós, *
como a terra sedenta e sem água.

7 Escutai-me depressa, Senhor, *
o espírito em mim desfalece!
= Não escondais vossa face de mim! †
Se o fizerdes, já posso contar-me *
entre aqueles que descem à cova!

8 Fazei-me cedo sentir vosso amor, *
porque em vós coloquei a esperança!
– Indicai-me o caminho a seguir, *
pois a vós eu elevo a minha alma!
9 Libertai-me dos meus inimigos, *
porque sois meu refúgio, Senhor!

10 Vossa vontade ensinai-me a cumprir, *
porque sois o meu Deus e Senhor!
– Vosso Espírito bom me dirija *
e me guie por terra bem plana!

11 Por vosso nome e por vosso amor *
conservai, renovai minha vida!
– Pela vossa justiça e clemência, *
arrancai a minha alma da angústia!

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. Não escondais vossa face de mim,
porque em vós coloquei a esperança!

Leitura breve 1Pd 5,8-9a
Sede sóbrios e vigilantes. O vosso adversário, o diabo, rodeia como um leão a rugir, procurando a quem devorar. Resisti-lhe, firmes na fé.

Responsório breve
R.
Senhor, em vossas mãos
* Eu entrego o meu espírito. R.Senhor.
V. Vós sois o Deus fiel, que salvastes vosso povo.
* Eu entrego. Glória ao Pai. R.Senhor.

Cântico evangélico, ant.

Salvai-nos, Senhor, quando velamos,
guardai-nos também quando dormimos!
Nossa mente vigie com o Cristo,
nosso corpo repouse em sua paz!

Cântico de Simeão Lc 2,29-32

Cristo, luz das nações e glória de seu povo

29 Deixai, agora, vosso servo ir em paz, *
conforme prometestes, ó Senhor.

30 Pois meus olhos viram vossa salvação *
31 que preparastes ante a face das nações:

32 uma Luz que brilhará para os gentios *
e para a glória de Israel, o vosso povo.

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. Salvai-nos, Senhor, quando velamos,
guardai-nos também quando dormimos!
Nossa mente vigie com o Cristo,
nosso corpo repouse em sua paz!

Oração

Concedei, Senhor, aos nossos corpos um sono restaurador, e fazei germinar para a messe eterna as sementes do Reino, que hoje lançamos com nosso trabalho. Por Cristo, nosso Senhor.  Amém.

O Senhor todo-poderoso nos conceda uma noite tranquila
e, no fim da vida, uma morte santa.
R. Amém.

Antífona final de Nossa Senhora

Ó Mãe do Redentor, do céu ó porta,
ao povo que caiu, socorre e exorta,
pois busca levantar-se, Virgem pura,
nascendo o Criador da criatura:
tem piedade de nós e ouve, suave,
o anjo te saudando com seu Ave!

Ou:


Ave, Rainha do céu;
ave, dos anjos Senhora;
ave, raiz, ave, porta;
da luz do mundo és aurora.
Exulta, ó Virgem tão bela,
as outras seguem-te após;
nós te saudamos: adeus!
E pede a Cristo por nós!
Virgem Mãe, ó Maria!

Ou:


Salve, Rainha, Mãe de misericórdia,
vida doçura, esperança nossa, Salve!
A vós bradamos os degredados filhos de Eva,
a vós suspiramos gemendo e chorando
neste vale de lágrimas!
Eia, pois, Advogada nossa,
esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei,
e depois deste desterro mostrai-nos Jesus,
bendito fruto do vosso ventre!
Ó clemente, ó piedosa,
ó doce sempre Virgem Maria.

Ou:


À vossa proteção recorremos, santa Mãe de Deus;
não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades,
mas livrai-nos sempre de todos os perigos,
ó Virgem gloriosa e bendita.