Memória de São Basílio Magno e São Gregório de Nazianzo, bispos e doutores da Igreja

Próprio do Tempo; Próprio dos Santos; I Semana do Saltério

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Hino 

Eterno esplendor da beleza divina,
ó Cristo, vós sois luz e vida e perdão.
As nossas doenças trazeis o remédio,
abris uma porta para a salvação.

O coro dos anjos ressoa na terra
e um mundo novo seu canto anuncia:
a glória a Deus Pai nas alturas celestes,
e ao gênero humana a paz e alegria.

Embora pequeno, deitado em presépio,
em todo Universo, ó Cristo, reinais.
Ó fruto bendito da Virgem sem mancha,
que todos vos amem num reino de paz.

Nasceis para dar-nos o céu como Pátria,
vivendo na carne da humanidade.
Renovem-se as mentes e os corações,
se unam por laços de tal caridade.

Às vozes dos anjos as nossas unimos,
num coro exultante de glória e louvor,
cantando aleluias ao Pai e ao Filho,
cantando louvores e graças ao Amor.

Salmodia

Ant. 1 Cantai, entoai salmos ao Senhor,
publicai todas as suas maravilhas!

Salmo 104(105)

O senhor é fiel às suas promessas

Os Apóstolos anunciam aos povos as maravilhas de Deus, realizadas na vinda de Cristo (Sto. Atanásio).

I

– 1 Dai graças ao Senhor, gritai seu nome, *
anunciai entre as nações seus grandes feitos!
– 2 Cantai, entoai salmos para ele, *
publicai todas as suas maravilhas!
– 3 Gloriai-vos em seu nome que é santo, *
exulte o coração que busca a Deus!

– 4 Procurai o Senhor Deus e seu poder, *
buscai constantemente a sua face!
– 5 Lembrai as maravilhas que ele fez, *
seus progios e as palavras de seus lábios!

– 6 Descendentes de Abraão, seu servidor, *
filhos de Jacó, seu escolhido,
– 7 ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, *
vigoram suas leis em toda a terra.

– 8 Ele sempre se recorda da Aliança, *
promulgada a incontáveis gerações;
– 9 da Aliança que ele fez com Abraão, *
e do seu santo juramento a Isaac.

– 10 Confirmou sua Promessa a Jacó, *
a Israel como perpétua Aliança,
– 11 quando disse: “Hei de dar-vos Canaã, *
esta terra que, por sorte, é vossa herança”.

 12 Quando ainda eram bem pouco numerosos *
e estrangeiros no país, onde acamparam,
– 13 mudavam de nação para nação, *
e de reinos para povos diferentes,

 14 não consentiu que nenhum povo os oprimisse, *
e até reis ele puniu por causa deles.
 15 Disse ele: “Não toqueis nos meus ungidos, *
e a nenhum de meus profetas maltrateis!”

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. Cantai, entoai salmos ao Senhor,
publicai todas as suas maravilhas!

Ant. 2 O Senhor não abandona o justo que é traído.

II

– 16 Mandou vir, então, a fome sobre a terra *
e os privou de todo pão que os sustentava;
– 17 um homem enviara à sua frente, *
Jo que foi vendido como escravo.

– 18 Apertaram os seus pés entre grilhões *
e amarraram seu pescoço com correntes,
– 19 a que se cumprisse o que previra, *
e a palavra do Senhor lhe deu razão.

– 20 Ordenou, então, o rei que o libertassem, *
o soberano das nações mandou soltá-lo;
– 21 fez dele o senhor de sua casa, *
e de todos os seus bens o despenseiro,
 22 para dar ordens a seus nobres à vontade *
e ensinar sabedoria aos anciãos.

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. O Senhor não abandona o justo que é traído.

Ant. 3 Deus lembrou-se de seu santo juramento
e fez sair com grande bilo o seu povo.

III

– 23 Foi então que Israel entrou no Egito *
e Ja foi habitar no país de Cam.
– 24 Deus deu um grande crescimento a seu povo *
e o fez mais forte que os próprios opressores.

 25 Ele mudou seus corações para odiá-lo, *
e trataram com má-fé seus servidores.
– 26 Então mandou Moisés, seu mensageiro, *
e igualmente Aarão, seu escolhido;
– 27 por meio deles realizou muitos prodígios *
e, na terra do Egito, maravilhas.

 28 Enviou trevas e fez tudo escurecer, *
mas eles resistiram às suas ordens.
 29 Então, em sangue transformou as suas águas *
e assim fez perecer todos os peixes.

– 30 A terra deles fervilhou de tantas rãs, *
que até nos quartos de seus reis elas saltavam.
– 31 Ele ordenou, e vieram moscas como nuvens *
e mosquitos sobre toda a região.

– 32 Granizo em vez de chuva lhes mandou, *
chamas de fogo sobre toda a sua terra.
– 33 Estragou as suas vinhas e figueiras, *
e as árvores do campo derrubou.

 34 Ele deu ordens e vieram gafanhotos, *
e também vieram grilos incontáveis;
– 35 eles comeram toda erva do país *
e devoraram o produto de seus campos.

– 36 Matou na própria terra os primogênitos, *
a fina flor de sua força varonil.
– 37 Fez sair com ouro e prata o povo eleito, *
nenhum doente se encontrava em suas tribos.

– 38 O Egito se alegrou quando partiram, *
tomado de pavor diante deles.
– 39 Uma nuvem estendeu para abrigá-los, *
deu-lhes fogo para a noite iluminar.

– 40 Pediram e mandou-lhes codornizes, *
o Senhor os saciou com pão do céu.
– 41 Fendeu a rocha e as águas irromperam *
e correram qual torrente no deserto.

– 42 Ele lembrou-se de seu santo juramento *
que fizera a Abraão, seu servidor.
– 43 Fez sair com grande júbilo o seu povo, *
e seus eleitos entre gritos de alegria.

– 44 Então lhes deu as terras das nações, *
e desfrutaram as riquezas desses povos,
– 45 para guardarem os preceitos do Senhor *
e obedecerem fielmente à sua lei.

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. Deus lembrou-se de seu santo juramento
e fez sair com grande bilo o seu povo.

V. Cantai ao Senhor Deus, bendizei seu santo nome.
R. Dia após dia anunciai a sua salvação.

Primeira leitura
Da Carta de São Paulo aos Colossenses             2,16–3,4

A vida nova em Cristo

Irmãos: 2,16 Ninguém vos censure por causa de comidas e bebidas, dias de festa, luas novas ou sábados. 17 Essas coisas são apenas sombra do que devia chegar, mas a realidade que elas anunciam é Cristo. 18 Ninguém vos seduza, argumentando com pretensa humildade e devoção aos anjos, metido em visões e vangloriando-se à medida da sua carne. 19 Tal pessoa não se mantém unida à Cabeça, que faz com que todo o corpo, alimentado e unido pelas junturas e articulações, se desenvolva com o crescimento dado por Deus.

20 Se morrestes com Cristo para os elementos deste mundo, por que vos submeteis, como se fôsseis ainda deste mundo, a tais prescrições? 21 “Não peques, não proves, não toques”, 22 tudo isso não passa de preceitos e ensinamentos de homens e refere-se a coisas que se desgastam com o uso. 23 Na verdade, essas coisas têm aparência de sabedoria, por serem uma prática religiosa, um sinal de humildade, uma ascese corporal; mas não têm valor algum, a não ser para a complacência da carne.

3,1 Se ressuscitastes com Cristo, esforçai-vos por alcançar as coisas do alto, onde está Cristo, sentado à direita de Deus, 2 aspirai às coisas celestes e não às coisas terrestres.  3 Pois vós morrestes, e a vossa vida está escondida, com Cristo, em Deus. Quando Cristo, vossa vida, aparecer em seu triunfo, então vós aparecereis também com ele, revestidos de glória.

Responsório             Cf. Cl 3,1-2; Lc 12,34

R. Se com Cristo ressurgistes, procurai o que é do alto;
onde Cristo está sentado à direita de Deus Pai;
* Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são desta terra.
V. Onde estiver o teu tesouro, ali esta teu coração.
* Pensai.

Segunda leitura

Dos Sermões de São Gregório de Nazianzo, bispo

(Oratio 43, in laudem Basilii Magni, 15,16-17.19-21: PG 36,514-523)            (Séc. IV)

Como uma só alma em dois corpos

Encontramo-nos em Atenas. Como o curso de um rio, que partindo da única fonte se divide em muitos braços, Basílio e eu nos tínhamos separado para buscar a sabedoria em diferentes regiões. Mas voltamos a nos reunir como se nos tivéssemos posto de acordo, sem dúvida porque Deus assim quis.

Nesta ocasião, eu não apenas admirava meu grande amigo Basílio vendo-lhe a seriedade de costumes e a maturidade e prudência de suas palavras, mas ainda tratava de persuadir a outros que não o conheciam tão bem a fazerem o mesmo. Logo começou a ser considerado por muitos que já conheciam sua reputação.

Que acontece então? Ele foi quase o único entre todos os que iam estudar em Atenas a ser dispensado da lei comum; e parecia ter alcançado maior estima do que comportava sua condição de novato. Este foi o prelúdio de nossa amizade, a centelha que fez surgir nossa intimidade; assim fomos tocados pelo amor mútuo.

Com o passar do tempo, confessamos um ao outro nosso desejo: a filosofia era o que almejávamos. Desde então éramos tudo um para o outro; morávamos juntos, fazíamos as refeições à mesma mesa, estávamos sempre de acordo aspirando aos mesmos ideais e cultivando cada dia mais estreita e firmemente nossa amizade.

Movia-nos igual desejo de obter o que há de mais invejável: A ciência; no entanto, não tínhamos inveja, mas valorizávamos a emulação. Ambos lutávamos, não para ver quem tirava o primeiro lugar, mas para cedê-lo ao outro. Cada um considerava como própria a glória do outro.

Parecia que tínhamos uma só alma em dois corpos. E embora não se deva dar crédito àqueles que dizem que tudo se encontra em todas as coisas, ao nosso caso podia se afirmar que de fato cada um se encontrava no outro e com o outro.

A única tarefa e objetivo de ambos era alcançar a virtude e viver para as esperanças futuras, de tal forma que, mesmo antes de partirmos desta vida, tivéssemos emigrado dela. Nesta perspectiva, organizamos toda a nossa vida e maneira de agir. Deixamo-nos conduzir pelos mandamentos divinos estimulando-nos mutuamente à prática da virtude. E, se não parecer presunção minha dizê-lo, éramos um para o outro regra e o modelo para discernir o certo e o errado.

Assim como cada pessoa tem um sobrenome recebido de seus pais ou adquirido de si próprio, isto é, por causa da atividade ou orientação de sua vida, para nós a maior atividade e o maior nome era sermos realmente cristãos e como tal reconhecidos.

Responsório             Dn 2,21-22; ICor 12,11

R. Aos sábios Deus dá sabedoria,
aos entendidos ele dá entendimento.
* É ele quem revela os mistérios mais profundos:
junto dele habita a luz.
V. Tudo isto realiza um só e mesmo Espírito,
distribuindo a cada um, conforme lhe agrada. * É ele.

Oração

Ó Deus, que iluminastes a vossa Igreja com o exemplo e a doutrina de São Basílio e São Gregório de Nazianzo, fazei-nos buscar humildemente a vossa verdade e segui-la com amor em nossa vida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. 

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.