/

11

11 Primeira entrevista de Judite e Holofernes 1Disse-lhe Holofernes: “Confia,mulher, não temas em teu coração! Jamais maltratei homem algum que escolheu servir a Nabucodonosor, rei de toda a terra. 2Agora mesmo, se teu povo, que habita a montanha, não me menosprezasse, eu não levantaria a lança contra ele. Eles mesmos é que fizeram isso. 3Agora dize-me por que fugiste deles e vieste até nós… Em todo caso, vens para tua salvação! Confia! Viverás esta noite e as seguintes também. 4Não haverá quem te maltrate; pelo contrário, tratar-te-ão bem, como aos servos do meu senhor, o rei Nabucodonosor.” 5Disse-lhe então Judite: “Acolhe favoravelmente as palavras de tua escrava e possa a tua serva falar na tua presença. Nesta noite não falarei mentira alguma ao meu senhor. 6Se seguires os conselhos de tua serva, Deus levará a bom termo tua empresa e o meu senhor não fracassará em seus planos. 7Viva Nabucodonosor, rei de toda a terra, que te enviou para corrigir todo ser vivente, e viva seu poder! Pois, graças a ti, não são apenas os homens que o servem, mas, por causa de tua força, também as feras do campo, os rebanhos e os pássaros do céu viverão para Nabucodonosor e para toda a sua casa! 8Com efeito, ouvimos falar de tua sabedoria e da sagacidade de teu espírito. Foi anunciado em toda a terra que, em todo o reino, só tu és bom, poderoso por tua ciência e admirável pelas campanhas militares. 9E agora, conhecemos o discurso que fez Aquior no teu Conselho. Os homens de Betúlia o pouparam, e ele contou-lhes tudo o que disse diante de ti. 10Por isso, senhor poderoso, não desprezes a palavra dele, mas deposita-a em teu coração, pois é verdadeira. Certamente nossa raça não será castigada e a espada não prevalecerá contra ela, a não ser que peque contra o seu Deus. 11E agora, para que o meu senhor não se torne rejeitado e fracassado, a morte virá sobre as suas cabeças. O pecado se apoderou deles, pecado com o qual irritam o seu Deus, sempre que fazem uma desordem. 12Quando lhes faltaram víveres e escasseou a água, resolveram lançar mão de seu rebanho e decidiram consumir tudo o que, por suas leis, Deus havia determinado que não comessem. 13Até mesmo as primícias do trigo, os dízimos do vinho e do azeite — coisas consagradas e por eles reservadas aos sacerdotes que, em Jerusalém, estão diante da face do nosso Deus — resolveram consumi-los, o que nem com a mão alguém do povo pode tocar.14Enviaram a Jerusalém, onde os habitantes fizeram o mesmo, algumas pessoas encarregadas de lhes trazerem a permissão do Conselho. 15Assim era: tão logo recebam a permissão e a executem, serão entregues a ti, naquele mesmo dia. 16Logo que eu, tua serva, compreendi tudo isso, fugi da presença deles. Deus enviou-me para realizar contigo coisas com as quais toda a terra se assombrará, quando as ouvir. 17Porque tua serva é piedosa e serve, noite e dia, ao Deus do céu. Agora permanecerei junto de ti, meu senhor. Eu, tua serva, sairei toda noite, à escarpa. Rezarei a Deus e ele me dirá quando consumaram o seu pecado. 18Vindo, eu to anunciarei; sairás, então, com todo o teu exército, e não haverá entre eles quem te resista. 19Conduzir-te- ei através de toda a Judéia até chegar diante de Jerusalém. Colocarei teu trono no meio dela. Então, conduzirás a todos, como ovelhas que não têm pastor, e não haverá nem mesmo um só cão para rosnar diante de ti. Essas coisas me foram ditas previamente, foram-me anunciadas e eu fui enviada para revelá-las a ti.” 20Suas palavras agradaram a Holofernes e a todos os seus ajudantes de campo. Admiraram sua sabedoria e disseram: 21“De um extremo a outro da terra não existe mulher semelhante em beleza e em inteligência no falar!” 22E Holofernes lhe disse: “Deus fez bem ao enviar-te na frente do povo. Em nossas mãos estará o poder, e entre
aqueles que desprezaram o meu senhor, o extermínio. 23E tu, que és bela de aspecto e hábil em tuas palavras, se fizeres conforme disseste, o teu Deus será o meu Deus e tu te sentarás no palácio de Nabucodonosor e serás célebre em toda a terra.”