/

20

20 A ordem da justiça não tem exceção 1Sofar de Naamat tomou a palavra e disse:2É por isso que meus pensamentos me levam a replicar, pois se agitam dentro de mim. 3Escutei uma censura injuriosa, e agora meu espírito me convida a responder. 4Não sabes que é assim desde sempre, desde que o homem foi posto na terra, 5que o júbilo dos ímpios é efêmero e a alegria do malvado só dura um instante? 6Mesmo que seu porte se elevasse até o céu e tocasse as nuvens com a fronte, 7pereceria para sempre como fantasma, e aqueles que o viam dirão: “Onde está?” 8Voará como um sonho

inatingível, dissipar-se-á como visão noturna. 9Os olhos que o viam não mais o verão, nem mais o reconhecerá sua morada. 10Seus filhos terão que indenizar os pobres, e suas crianças, que restituir suas riquezas. 11 Seus ossos, ainda cheios de vigor juvenil, deitar-se-ão com ele no pó. 12Se a maldade tinha um sabor doce em sua boca e ele a escondia debaixo da língua 13e a guardava, sem soltá-la, retendo-a no seu paladar, 14este manjar se corromperá em seu ventre, nas suas entranhas será veneno de víboras. 15Vomitará as riquezas que engoliu, Deus as faz expelir de seu ventre. 16Sugará veneno de serpentes e matá-lo-ão as presas da áspide. 17Não mais verá os mananciais de óleo, nem os rios de leite e mel. 18Perderá seu aspecto alegre ao restituir os seus ganhos, e o ar satisfeito de quando os negócios prosperavam: 19porque destruiu as cabanas dos pobres e se apropriou de casas que não tinha construído. 20Porque seu apetite mostrou-se insaciável, os seus tesouros não o salvarão. 21Nada escapou à sua voracidade, por isso não durará sua prosperidade. 22Em plena abundância sofrerá o golpe da penúria, com toda a sua força a miséria cairá sobre ele. 23Deus derrama sobre ele o ardor de sua ira, lança-lhe na carne uma chuva de flechas. 24Se escapar das armas de ferro, atravessá-lo-á o arco de bronze; 25uma flecha sai de suas costas, e um dardo chamejante, do seu fígado. Terrores avançarão sobre ele, 26todas as trevas escondidas lá estão para apanhá-lo. Devorá-lo-á um fogo não aceso por homem, consumindo o que resta de sua tenda. 27O céu revelará sua iniqüidade, a terra se insurgirá contra ele. 28O lucro de sua casa se escorre, como torrentes no dia da ira. 29Esta é a sorte que Deus reservou ao ímpio, a herança que destinou ao amaldiçoado.