/

19

19 Apelo ao profeta Isaías 1Ao ouvir essas coisas, o rei Ezequias rasgou suas vestes,cobriu-se de pano de saco e foi ao Templo de Iahweh. 2Enviou o chefe do palácio, Eliacim, o secretário Sobna e os anciãos dos sacerdotes, cobertos de panos de saco, ao profeta Isaías, filho de Amós. 3Estes lhe disseram: “Assim fala Ezequias: Hoje é um dia de angústia, de castigo e de opróbrio. Os filhos estão para nascer e não há força para os dar à luz. 4Oxalá Iahweh, teu Deus, tenha ouvido todas as palavras do copeiro-mor, que o rei da Assíria, seu senhor, mandou para insultar o Deus vivo; oxalá Iahweh, teu Deus, dê o castigo merecido pelas palavras que ele ouviu! Faze uma prece em favor do resto que ainda subsiste.”5Os ministros do rei Ezequias foram ter com Isaías, 6e este lhes disse: “Direis a vosso senhor: Assim fala Iahweh: Não tenhas medo das palavras que ouviste, das blasfêmias que os servos do rei da Assíria lançaram contra mim.7Vou insuflar-lhe um espírito” e, ao ouvir uma certa notícia, voltará para sua terra e farei com que pereça pela espada em sua terra.”

Partida do copeiro-mor 8O copeiro-mor retirou-se e encontrou o rei da Assíriacombatendo contra Lebna. O copeiro-mor, com efeito, tinha ouvido dizer que o rei se

retirara de Laquis, 9pois tinha recebido esta notícia a respeito de Taraca, rei de Cuch:

“Ele partiu para te fazer a guerra.”

Carta de Senaquerib a Ezequias —Outra vez enviou Senaquerib mensageiros aEzequias, para lhe dizer: 10“Assim falareis a Ezequias, rei de Judá: Que teu Deus, em quem confias, não te iluda, dizendo: ‘Jerusalém não será entregue às mãos do rei da Assíria!’ 11Ouviste contar o que os reis da Assíria fizeram a todas as nações, destruindo-as completamente, e tu poderias escapar? 12Acaso seus deuses libertaram as nações que meus pais devastaram: Gozã, Harã, Resef e os edenitas que moravam em Telbasar? 13Onde estão os deuses de Emat, o rei de Arfad, o rei de Lair, de Sefarvaim, de Ana e de Ava?” 14Ezequias tomou a carta das mãos dos mensageiros e leu-a. Depois subiu ao Templo de Iahweh e desdobrou-a diante de Iahweh. 15E Ezequias orou assim na presença de Iahweh: “Iahweh, Deus de Israel, que estás sentado sobre os querubins, tu és o único Deus de todos os reinos da terra, tu fizeste o céu e a terra. 16Inclina teus ouvidos, Iahweh, e escuta, abre teus olhos, Iahweh, e vê! Escuta as palavras de Senaquerib, que mandou emissários para insultar o Deus vivo. 17É verdade, Iahweh, os reis da Assíria devastaram as nações, 18lançaram ao fogo seus deuses, pois aqueles não eram deuses, mas obras de mãos humanas, madeira e pedra; por isso puderam aniquilá-los. 19Mas agora, Iahweh, nosso Deus, livra-nos de sua mão, te suplico, e que todos os reinos da terra saibam que só tu és Deus, Iahweh!”

Intervenção de Isaías 20Então Isaías, filho de Amós, mandou dizer a Ezequias:”Assim fala Iahweh, Deus de Israel. Ouvi a súplica que me dirigiste a respeito de Senaquerib, rei da Assíria. 21Eis o oráculo que Iahweh pronunciou contra ele: Despreza-te, zomba de ti a virgem, filha de Sião. Atrás de ti meneia a cabeça a filha de Jerusalém. 22A quem insultaste, blasfemaste? Contra quem elevaste a voz e olhaste com desprezo? Contra o Santo de Israel! 23Por teus mensageiros, insultaste o Senhor. Disseste: ‘Com os meus numerosos carros galguei os cimos dos montes, os píncaros do Líbano. Cortei” os seus cedros mais altos e seus mais belos ciprestes. Atingi seu último abrigo, o bosque de seu pomar. 24Cavei e bebi as águas estrangeiras, sequei com a planta dos meus pés todos os rios do Egito!’25Estás ouvindo? Há muito tempo preparei isso, desde tempos remotos o decidi, e agora o realizo. Tua missão foi reduzir a montes de ruínas cidades fortificadas. 26Seus habitantes, já sem forças, consternados e confusos, eram como a erva do campo, como a grama verdejante, como as ervas dos telhados e das campinas, e o vento do oriente. 27Eu sei quando te levantas e quando te assentas, quando sais e quando entras. 28Porque ficaste furioso contra mim, e tua insolência chegou até meus ouvidos, passarei meu anel em tuas narinas e meu freio entre teus lábios, far-te-ei voltar pelo caminho por onde vieste. 29Isto te servirá de sinal: Neste ano comerás o grão que caiu, no ano que vem, do grão que germinar por si só, mas no terceiro ano, semeai e colhei, plantai vinhas e comei de seu fruto. 30O resto sobrevivente da casa de Judá produzirá novas raízes embaixo e novos frutos em cima. 31Pois de Jerusalém sairá um resto, e do monte Sião, sobreviventes. Eis o que fará o zelo de Iahweh dos Exércitos! 32Eis, pois, o que diz Iahweh sobre o rei da Assíria: Ele não há de entrar nesta cidade, nela não lançará flecha, não empunhará escudo contra ela, nem acumulará contra ela os terraplenos. 33Por onde veio, voltará, não entrará nesta cidade, oráculo de Iahweh. 34Protegerei esta cidade e a salvarei em atenção a mim mesmo e a meu servo Davi.”

Fracasso e morte de Senaquerib 35Naquela mesma noite, saiu o Anjo de Iahweh eexterminou no acampamento assírio cento e oitenta e cinco mil homens. De manhã, ao despertar, só havia cadáveres. 36Senaquerib, rei da Assíria, levantou o acampamento e

partiu. Voltou para Nínive e aí permaneceu. 37Certo dia, estando ele a adorar no templo de Nesroc, seu deus, seus filhos Adramelec e Sarasar mataram-no a espada e fugiram para a terra de Ararat. Asaradon, seu filho, reinou em seu lugar.