/

1

PRIMEIRO SAMUEL

1. A INFÂNCIA DE SAMUEL

1 A peregrinação a Silo 1Houve um homem de Ramataim, um sufita, da montanhade Efraim, que se chamava Elcana, filho de Jeroam, filho de Eliú, filho de Tou, filho de Suf, um efraimita. 2Elcana possuía duas mulheres: Ana era o nome de uma, e a outra chamava-se Fenena. Fenena tinha filhos; Ana, porém, não tinha nenhum. 3Anualmente, aquele homem subia da sua cidade para adorar e oferecer sacrifícios a Iahweh dos Exércitos, em Silo. (Os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, sacerdotes de Iahweh estavam ali). 4No dia em que oferecia sacrifícios, Elcana tinha o costume de dar porções

  • sua mulher Fenena e a todos os seus filhos e filhas, 5porém a Ana, embora a amasse mais, dava apenas uma porção, pois Iahweh a tinha feito estéril. 6A sua rival também a irritava humilhando-a, porque Iahweh a tinha deixado estéril. 7E isso acontecia todos os anos, sempre que eles subiam à casa de Iahweh: ela a ofendia. — E Ana chorava e não se alimentava. 8Então Elcana, o seu marido, lhe dizia: “Ana, por que choras e não te alimentas? Por que estás infeliz? Será que eu não valho para ti mais do que dez filhos?”

A oração de Ana 9Então Ana, depois de terem comido no quarto, se levantou e seapresentou diante de Iahweh — o sacerdote Eli estava assentado em sua cadeira, no limiar da porta da casa de Iahweh. 10Na amargura de sua alma, ela orou a Iahweh e chorou muito. 11E fez um voto, dizendo: “Iahweh dos Exércitos, se quiseres dar atenção

  • humilhação da tua serva e te lembrares de mim, e não te esqueceres da tua serva e lhe deres um filho homem, então eu o consagrarei a Iahweh por todos os dias da sua vida, e a navalha não passará sobre a sua cabeça.” 12Como se demorasse na oração a Iahweh, Eli observava a sua boca. 13Ana apenas murmurava: seus lábios se moviam, mas não se podia ouvir o que ela dizia, e por isso Eli julgou que ela estivesse embriagada. 14Então lhe disse Eli: “Até quando estarás embriagada? Livra-te do teu vinho!” 15Ana, porém, lhe respondeu com estas palavras: “Não, meu senhor, eu sou uma mulher atribulada; não bebi vinho nem bebida forte: derramo a minha alma perante Iahweh. 16Não julgues a tua serva como uma vadia. É porque estou muito triste e aflita que tenho falado até agora.” 17Eli então lhe disse: “Vai em paz, e que o Deus de Israel te conceda o que lhe pediste.” 18Respondeu-lhe ela: “Ache a tua serva graça aos teus olhos.” E a mulher seguiu o seu caminho; comeu e o seu aspecto não era mais o mesmo.

Nascimento e consagração de Samuel 19Levantaram-se bem cedo e, depois de seterem prostrado diante de Iahweh, voltaram à sua casa, em Ramá. Elcana se uniu à sua mulher Ana, e Iahweh se lembrou dela. 20Ana concebeu e, no devido tempo, deu à luz um filho a quem chamou de Samuel, porque, disse ela, “eu o pedi a Iahweh.” 21Elcana, seu marido, subiu com toda a sua casa para oferecer a Iahweh o sacrifício anual e cumprir o seu voto. 22Ana, porém, não subiu, porque ela disse a seu marido: “Não antes que o menino seja desmamado! Então, eu o levarei, e será apresentado perante Iahweh e lá ficará para sempre.” 23Respondeu-lhe Elcana, seu marido: “Faze o que melhor te aprouver, e espera até que ele seja desmamado. Que somente Iahweh realize a sua palavra.” Assim, ficou e criou o menino até que o desmamou. 24Tão logo o desmamou, levou-o consigo, com um novilho de três anos,” uma medida de farinha e outra de vinho, e o conduziu à casa de Iahweh, em Silo. O menino era ainda muito pequeno. 25Eles imolaram o novilho e levaram o menino a Eli. 26Ela disse: “Perdão, meu senhor! Tão certo como tu vives, eu sou aquela mulher que aqui esteve contigo, orando a Iahweh. 27Eu orava por este menino, e Iahweh atendeu à minha súplica. 28Da minha parte eu o dedico a Iahweh por todos os dias que viver, assim o dedico a Iahweh.” E se prostraram diante de Iahweh.