V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

 

Hino

O Verbo eterno do Pai,

da luz do Pai emanado,

nascendo eleva a história,

caída pelo pecado.

 

Nos corações, vosso amor

queime, qual fogo candente.

Ao escutar vosso anúncio,

fuja a mentira da mente.

 

As profundezas dos seres,

Juiz, vireis penetrar

e, castigando o culpado,

o Reino ao justo entregar.

 

Enfim, liberto das culpas,

fruto de nossas malícias,

no céu possamos gozar

vossas eternas delícias.

 

Ó Cristo, Rei piedoso,

a vós e ao Pai toda a glória,

com o Espírito Santo,

eterna honra e vitória.

 

Salmodia

 

Ant. 1 Eis que o Rei glorioso virá.
com poder vem salvar as nações. Aleluia.

 

Salmo 103(104)

Hino a Deus Criador

Se alguém está em Cristo, é uma criatura nova. O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo (2Cor 5,17).

I

1 Bendize, ó minha alma, ao Senhor! *
Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande!

2
De majestade e esplendor vos revestis *
e de luz vos envolveis como num manto.

3 Estendeis qual uma tenda o firmamento, *
construís vosso palácio sobre as águas;

– das nuvens vós fazeis o vosso carro, *
do vento caminhais por sobre as asas;

4
dos ventos fazeis vossos mensageiros, *
do fogo e chama fazeis vossos servidores.

5 A terra vós firmastes em suas bases, *
ficará firme pelos séculos sem fim;

6
os mares a cobriam como um manto, *
e as águas envolviam as montanhas.

7 Ante a vossa ameaça elas fugiram, *
e tremeram ao ouvir vosso trovão;

8 saltaram montes e desceram pelos vales *
ao lugar que destinastes para elas;

9
elas não passam dos limites que fixastes, *
e não voltam a cobrir de novo a terra.

10 Fazeis brotar em meio aos vales as nascentes *
que passam serpeando entre as montanhas;

11 dão de beber aos animais todos do campo, *
e os da selva nelas matam sua sede;

12
às suas margens vêm morar os passarinhos, *
entre os ramos eles erguem o seu canto.

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

Ant. Eis que o Rei glorioso virá.
com poder vem salvar as nações. Aleluia.

 

Ant. 2 Exulta de alegria, ó Sião,

Jerusalém tem confiança e não receies,
está perto o teu Rei e Salvador.

 

II

13 De vossa casa as montanhas irrigais, *
com vossos frutos saciais a terra inteira;

14
fazeis crescer os verdes pastos para o gado *
e as plantas que são úteis para o homem;

15 para da terra extrair o seu sustento *
e o vinho que alegra o coração,

– o óleo que ilumina a sua face *
e o pão que revigora suas forças.

16 As árvores do Senhor são bem viçosas *
e os cedros que no Líbano plantou;

17 as aves ali fazem os seus ninhos *
e a cegonha faz a casa em suas copas;

18
os altos montes são refúgio dos cabritos, *
os rochedos são abrigo das marmotas.

19 Para o tempo assinalar destes a lua, *
e o sol conhece a hora de se pôr;

20 estendeis a escuridão e vem a noite, *
logo as feras andam soltas na floresta;

21
eis que rugem os leões, buscando a presa, *
e de Deus eles reclamam seu sustento.

22 Quando o sol vai despontando, se retiram, *
e de novo vão deitar-se em suas tocas.

23
Então o homem sai para o trabalho, *
para a labuta que se estende até à tarde.

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

Ant. Exulta de alegria, ó Sião,
Jerusalém tem confiança e não receies,
está perto o teu Rei e Salvador.
 

Ant. 3 Purificado seja o nosso coração,
para irmos ao encontro do Senhor,
o grande Rei, porque Ele vem sem mais tardar.

 

III
 

=24 Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras, †
e que sabedoria em todas elas! *
Encheu-se a terra com as vossas criaturas!

=25 Eis o mar tão espaçoso e tão imenso, †
no qual se movem seres incontáveis, *
gigantescos animais e pequeninos;

=26
nele os navios vão seguindo as suas rotas, †
e o monstro do oceano que criastes *
nele vive e dentro dele se diverte.

27 Todos eles, ó Senhor, de vós esperam *
que a seu tempo vós lhes deis o alimento;

28
vós lhes dais o que comer e eles recolhem, *
vós abris a vossa mão e eles se fartam.

=29 Se escondeis a vossa face, se apavoram, †
se tirais o seu respiro, eles perecem *
e voltam para o pó de onde vieram;

30
enviais o vosso espírito e renascem *
e da terra toda a face renovais.

31 Que a glória do Senhor perdure sempre, *
e alegre-se o Senhor em suas obras!

32
Ele olha para a terra, ela estremece; *
quando toca as montanhas, lançam fogo.

33 Vou cantar ao Senhor Deus por toda a vida, *
salmodiar para o meu Deus enquanto existo.

34
Hoje seja-lhe agradável o meu canto, *
pois o Senhor é a minha grande alegria!

=35 Desapareçam desta terra os pecadores, †
e pereçam os perversos para sempre! *
Bendize, ó minha alma, ao Senhor!

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *

Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Purificado seja o nosso coração,
para irmos ao encontro do Senhor,
o grande Rei, porque Ele vem sem mais tardar.

 

V. Levantai vossa cabeça e olhai,
R.
Pois a vossa redenção se aproxima.

Primeira leitura

Do Livro do Profeta Isaías 22,8-23

Censura a Jerusalém e ao prefeito Sobna

8 Foi retirada a cobertura de Judá,
e olhaste, nesse dia, o arsenal da casa do Bosque;

9 todos vós podíeis ver quão numerosas
eram as brechas da casa de Davi;
e recolhestes as águas da piscina baixa.

10 Contastes as casas de Jerusalém
e demolistes casas
para construir uma muralha;
11 abristes um lago entre dois muros
para as águas da piscina velha,
mas não vos lembrastes daquele que tudo fez
nem vos apercebestes da ação daquele que operou de longe.

12 Então, o Senhor Deus dos exércitos, naquele dia,
veio convidar-vos a todos para chorar e gemer,
para rapar a cabeça e vestir saco;
13 eis o que se vê: alvoroço e alegria,
matam bois e degolam carneiros,
comem carne e bebem vinho:
“Vamos comer e beber,
pois amanhã estaremos mortos”.

14 Aí, me revelou o Senhor dos exércitos
dentro dos meus ouvidos:
“Ficai certos de que não vos será perdoado este pecado
até morrerdes!Ó diz o Senhor Deus dos exércitos.

15 E isto diz ainda o Senhor Deus dos exércitos:
“Vai ter com este procurador, Sobna,
que é prefeito do palácio:
16 Que força tens aqui? Ou com que estás contando
para mandares lavrar aqui o teu monumento fúnebre?

– fazendo cavar em lugar alto o sepulcro,
ele fazia talhar na pedra uma morada para si. –

17 Pois olha, homem, o Senhor,
pegando-te, com força, te lançará para longe.

18 Ele te transformará numa massa redonda
e te lançará como bola
num terreno largo e espaçoso:
aí ficarás morto,
junto com os carros da tua fama,
– vergonha que és da casa de teu amo.

19 Eu te vou destituir do posto que ocupas
e demitir-te do teu cargo.

20 Acontecerá que nesse dia
chamarei meu servo Eliacim, filho de Helcias,
21 e o vestirei com a tua túnica
e colocarei nele a tua faixa,
porei em suas mãos a tua autoridade;
ele será um pai para os habitantes de Jerusalém
e para a casa de Judá.

22 Eu o farei portar aos ombros
a chave da casa de Davi;
ele abrirá, e ninguém poderá fechar;
ele fechará e ninguém poderá abrir.

23 Hei de fixá-lo como estaca em lugar seguro
e aí ele terá o trono de glória na casa de seu pai!”

 

Responsório Ap 3,7.8

R. O Santo, o Verdadeiro,
Aquele que possui a chave de Davi,
nos fala e nos adverte:

* Uma porta eu abri, diante de teus olhos,
que ninguém pode fechar.

V. Guardaste minha palavra, não negaste o meu nome.

* Uma porta.

 

Segunda leitura

Dos Comentários sobre o Profeta Isaías, de Eusébio de Cesaréia, bispo

(Cap. 40: PG 24, 366-367) (Séc. IV)

 

Uma voz clama no deserto

Uma voz clama no deserto:Preparai o caminho do Senhor, aplainai a estrada de nosso Deus (Is 40,3). O profeta afirma claramente que não será em Jerusalém, mas no deserto que se realizará esta profecia, isto é, a manifestação da glória do Senhor e o anúncio da salvação de Deus para toda a humanidade.

Na verdade, tudo isto se realizou literalmente na história, quando João Batista anunciou no deserto do Jordão a vinda salvífica de Deus e ali se revelou a salvação de Deus. De fato, Cristo manifestou-se a todos em sua glória quando, depois de seu batismo, os céus se abriram e o Espírito Santo, descendo em forma de pomba, pousou sobre ele; e a voz do Pai se fez ouvir, dando testemunho do Filho: Este é o meu Filho amado, escutai-o (Mt 17,5).

Estas coisas foram ditas porque Deus deveria vir ao deserto, desde sempre fechado e inacessível. Com efeito, todas as nações pagãs estavam privadas do conhecimento de Deus, e os homens justos e os profetas de Deus nunca haviam penetrado nelas.

Por este motivo, a voz ordena que se prepare um caminho para a Palavra de Deus e se aplainem os terrenos escarpados e ásperos, a fim de que o nosso Deus possa entrar quando vier. Preparai o caminho do Senhor (Mc 1,3): é esta a pregação evangélica que traz um novo consolo e deseja ardentemente que o anúncio da salvação de Deus chegue a todos os homens.

Sobe a um alto monte, tu, que trazes a boa-nova a Sião. Levanta com força a voz, tu, que trazes a boa-nova a Jerusalém (Is 40,9). Depois que se mencionou a voz que clama no deserto, convêm perfeitamente estas palavras, que se referem aos evangelistas e anunciam a vinda de Deus entre os homens. De fato, a alusão aos evangelistas devia logicamente seguir a profecia sobre João Batista.

Que Sião é esta, senão a que antes se chamava Jerusalém? Era realmente um monte, como declara esta palavra da Escritura: O monte Sião que escolhestes para morada (Sl 73,2). E o Apóstolo: Vós vos aproximastes do monte de Sião (Hb 12,22). Não será uma alusão ao grupo dos apóstolos, escolhido entre o antigo povo da circuncisão?

Tal é, pois, Sião ou Jerusalém, que recebeu a salvação de Deus, e que foi edificada sobre o monte de Deus, isto é, sobre o Verbo, seu Filho único. A ela, que subiu ao alto monte, é que Deus ordena anunciar a palavra da salvação. Mas quem anuncia a boa-nova, senão o coro dos evangelistas? E o que significa anunciar a boa-nova? É proclamar a todos os homens, e em primeiro lugar às cidades de Judá, a vinda de Cristo à terra.

 

Responsório Cf. Mt 11,11.9

R. O Precursor de Jesus Cristo já chegou,
e o próprio Cristo declarou, falando dele:

* Entre todos que nasceram de mulher,
não surgiu ninguém maior que João Batista.

V. É um profeta e é mais que um profeta;
o Salvador assim falou a seu respeito:

* Entre todos.

 

Cânticos

 

Ant. Alegra-te e louva, ó Filha de Sião

Eis que venho a ti, para morar em tua casa,

É o que diz o Senhor!

 

Cântico I                        Is 40,10-17 

O Bom Pastor é o Deus Altíssimo e Sapientíssimo

Eis que venho em breve, trazendo comigo a minha recompensa (Ap 22,12). 


10 Olhai e vede: o nosso Deus vem com poder, * 
dominará todas as coisas com seu braço. 
– Eis que o preço da vitória vem com ele, * 
e o precedem os troféus que conquistou. 

11 Como o pastor, ele apascenta o seu rebanho.* 
Ele toma os cordeirinhos em seus braços, 
– leva ao colo as ovelhas que amamentam, * 
e reúne as dispersas com sua mão.  


12 Quem, no côncavo da mão, mediu o mar? * 
Quem mediu o firmamento com seu palmo? 
= Quem mediu com o alqueire o pó da terra? † 
Quem pesou, pondo ao gancho, as montanhas, * 
e as colinas, colocando-as na balança? 


13 Quem instruíra o espírito do Senhor? * 
Que conselheiro o teria orientado? 
14 Com quem aprendeu ele a bem julgar, * 
e os caminhos da justiça a discernir? 
– Quem as veredas da prudência lhe ensinou * 
ou os caminhos da ciência lhe mostrou? 


15 Eis as nações: qual gota d'água na vasilha, * 
um grão de areia na balança diante dele; 
– e as ilhas pesam menos do que o pó * 
perante ele, o Senhor onipotente. 


16 Não bastaria toda a lenha que há no Líbano * 
para queimar seus animais em holocausto. 
17 As nações todas são um nada diante dele, * 
a seus olhos elas são quais se não fossem. 

 

Cântico II                      Is 42,10-16 

Hino ao Deus vencedor e salvador

Cantavam um cântico novo diante do trono (Ap 14,3).

10 Cantai ao Senhor Deus um canto novo, * 
louvor a ele dos confins de toda a terra! 

– Louve ao Senhor o oceano e o que há nele, * 
louvem as ilhas com os homens que as habitam! 
11 Ergam um canto os desertos e as cidades, * 
e as tendas de Cedar louvem a Deus! 

– Habitantes dos rochedos, aclamai; * 
dos altos montes sobem gritos de alegria! 
12 Todos eles deem glórias ao Senhor, * 
e nas ilhas se proclame o seu louvor! 

13 Eis o Senhor como um herói que vai chegando, * 
como guerreiro com vontade de lutar; 
– solta seu grito de batalha aterrador * 
como um valente que enfrenta os inimigos.  

14 'Por muito tempo me calei, guardei silêncio, * 
fiquei calado e, paciente, me contive; 
– mas grito agora qual mulher que está em parto, * 
ofegante e sem alento em meio às dores. 

15 As montanhas e as colinas destruirei, * 
farei secar toda a verdura que as reveste; 
– mudarei em terra seca os rios todos, * 
farei secar todos os lagos e açudes. 

16 Conduzirei, então, os cegos pela mão * 
e os levarei por um caminho nunca visto; 
– hei de guiá-los por atalhos e veredas * 
até então desconhecidos para eles. 

– Diante deles mudarei em luz as trevas, * 
farei planos os caminhos tortuosos. 
– Tudo isso hei de fazer em seu favor, * 
e jamais eu haverei de abandoná-los!' 

 

Cântico III                     Is 49,7-13 

O Senhor redime o povo por meio do seu servo

Deus enviou seu Filho único ao mundo, para que tenhamos vida por meio dele (I Jo 4,9).

7 Assim fala o Senhor, o Redentor, * 
o santo de Israel,
– ao desprezado, ao rejeitado entre os povos, * 
ao escravo dos tiranos:

 
“Os reis, ao ver-te, haverão de levantar-se * 

e os príncipes, adorar-te,
– pelo Santo de Israel que te escolheu, * 
pelo Senhor, que é fiel”.

 
8 Todos eles deem glórias ao Senhor, * 
“Eu te ouvi no tempo certo, 
 no dia da salvação te ajudei, * 
eu te formei, a fim de seres

 
– mediador da Aliança com o povo * 

e restaurares o país;

 repartires as heranças devastadas * 

e dizeres aos vencidos:

 
9 “Saí!” e aos que jazem entre as trevas: * 
 “Vinde à luz! Aparecei!
– Encontrarão seu alimento no caminho, * 
nas colinas pastos verdes. 

10 Fome e sede nunca mais padecerão, * 
nem o sol os queimará. 
– Pois, quem tem misericórdia, os guiará * 
e às fontes levará. 

11 Converterei todos os monte em estradas, * 
nivelarei os seus caminhos. 
12 Uns vêm de longe, vêm do Norte e do Poente * 
e outros do Oriente.”

 

13 Cantai, ó céus, exulta, ó terra, de alegria * 
rompei em cantos, ó montanhas!

– Pois, o Senhor se compadece do seu povo * 
e tem pena dos aflitos! 

 

Ant. Alegra-te e louva, ó Filha de Sião

Eis que venho a ti, para morar em tua casa,

É o que diz o Senhor!

 

Leitura do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas

24,1-12

Por que estais procurando entre os mortos aquele que está vivo?

13Naquele mesmo dia, o primeiro da semana,
dois dos discípulos de Jesus
iam para um povoado, chamado Emaús,
distante onze quilômetros de Jerusalém.
14Conversavam sobre todas as coisas que tinham
 
acontecido.
15Enquanto conversavam e discutiam,
o próprio Jesus se aproximou
e começou a caminhar com eles.
16Os discípulos, porém, estavam como que cegos,
e não o reconheceram.
17Então Jesus perguntou:
'O que ides conversando pelo caminho?'
Eles pararam, com o rosto triste,
18e um deles, chamado Cléofas, lhe disse:
'Tu és o único peregrino em Jerusalém
que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias?'
19Ele perguntou: 'O que foi?'
Os discípulos responderam:
'O que aconteceu com Jesus, o Nazareno,
que foi um profeta poderoso em obras e palavras,
diante de Deus e diante de todo o povo.
20Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes
o entregaram para ser condenado à morte e o 
crucificaram.
21Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel,
mas, apesar de tudo isso,
já faz três dias que todas essas coisas aconteceram!
22É verdade que algumas mulheres do nosso grupo
nos deram um susto.
Elas foram de madrugada ao túmulo
23e não encontraram o corpo dele.
Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos
e que estes afirmaram que Jesus está vivo.
24Alguns dos nossos foram ao túmulo
e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito.
A ele, porém, ninguém o viu.'
25Então Jesus lhes disse:
'Como sois sem inteligência e lentos
para crer em tudo o que os profetas falaram!
26Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso
para entrar na sua glória?'
27E, começando por Moisés e passando pelos Profetas,
explicava aos discípulos
todas as passagens da Escritura
que falavam a respeito dele.
28Quando chegaram perto do povoado para onde iam,
Jesus fez de conta que ia mais adiante.
29Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo:
'Fica conosco, pois já é tarde
e a noite vem chegando!'
Jesus entrou para ficar com eles.
30Quando se sentou à mesa com eles,
tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía.
31Nisso os olhos dos discípulos se abriram
e eles reconheceram Jesus.
Jesus, porém, desapareceu da frente deles.
32Então um disse ao outro:
'Não estava ardendo o nosso coração
quando ele nos falava pelo caminho,
e nos explicava as Escrituras?'
33Naquela mesma hora, eles se levantaram
e voltaram para Jerusalém onde encontraram os Onze
reunidos com os outros.
34E estes confirmaram:
'Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!'
35Então os dois contaram
o que tinha acontecido no caminho,
e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

 

HINO TE DEUM (A VÓS, Ó DEUS, LOUVAMOS)

 

A vós, ó Deus, louvamos,

a vós, Senhor, cantamos.

A vós, Eterno Pai,

adora toda a terra.

 

A vós cantam os anjos,

os céus e seus poderes:

Sois Santo, Santo, Santo,

Senhor, Deus do universo!

 

Proclamam céus e terra

a vossa imensa glória.

A vós celebra o coro

glorioso dos Apóstolos,

 

Vos louva dos Profetas

a nobre multidão

e o luminoso exército

dos vossos santos Mártires.

 

A vós por toda a terra

proclama a Santa Igreja,

ó Pai onipotente,

de imensa majestade,

 

e adora juntamente

o vosso Filho único,

Deus vivo e verdadeiro,

e ao vosso Santo Espírito.

 

Ó Cristo, Rei da glória,

do Pai eterno Filho,

nascestes duma Virgem,

a fim de nos salvar.

 

Sofrendo vós a morte,

da morte triunfastes,

abrindo aos que têm fé

dos céus o reino eterno.

 

Sentastes à direita

de Deus, do Pai na glória.

Nós cremos que de novo

vireis como juiz.

 

Portanto, vos pedimos:

salvai os vossos servos,

que vós, Senhor, remistes

com sangue precioso.

 

Fazei-nos ser contados,

Senhor, vos suplicamos,

em meio a vossos santos

na vossa eterna glória.

 

(A parte que se segue pode ser omitida, se for oportuno).

 

Salvai o vosso povo.

Senhor, abençoai-o.

Regei-nos e guardai-nos

até a vida eterna.

 

Senhor, em cada dia,

fiéis, vos bendizemos,

louvamos vosso nome

agora e pelos séculos.

 

Dignai-vos, neste dia,

guardar-nos do pecado.

Senhor, tende piedade

de nós, que a vós clamamos.

 

Que desça sobre nós,

Senhor, a vossa graça,

porque em vós pusemos

a nossa confiança.

 

Fazei que eu, para sempre,

não seja envergonhado:

Em vós, Senhor, confio,

sois vós minha esperança!

 

Oração

Ó Deus todo-poderoso e cheio de misericórdia, nós vos pedimos que nenhuma atividade terrena nos impeça de correr ao encontro do vosso Filho, mas, instruídos pela vossa sabedoria, participemos da plenitude de sua vida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.