Vigílias

 


V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém. Aleluia.

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

 

Hino

O Verbo eterno do Pai,

da luz do Pai emanado,

nascendo eleva a história,

caída pelo pecado.

 

Nos corações, vosso amor

queime, qual fogo candente.

Ao escutar vosso anúncio,

fuja a mentira da mente.

 

As profundezas dos seres,

Juiz, vireis penetrar

e, castigando o culpado,

o Reino ao justo entregar.

 

Enfim, liberto das culpas,

fruto de nossas malícias,

no céu possamos gozar

vossas eternas delícias.

 

Ó Cristo, Rei piedoso,

a vós e ao Pai toda a glória,

com o Espírito Santo,

eterna honra e vitória.

 

Salmodia

Ant. 1 Eis que o Rei glorioso virá,
com poder vem salvar as nações. Aleluia.

 

Salmo 1

Os dois caminhos do homem

Felizes aqueles que, pondo toda a sua esperança na Cruz, desceram até a água do batismo (Autor do séc. II).

1 Feliz é todo aquele que não anda *
conforme os conselhos dos perversos;

– que não entra no caminho dos malvados, *
nem junto aos zombadores vai sentar-se;

2 mas encontra seu prazer na lei de Deus *
e a medita, dia e noite, sem cessar.

3 Eis que ele é semelhante a uma árvore *
que à beira da torrente está plantada;

= ela sempre dá seus frutos a seu tempo, †
e jamais as suas folhas vão murchar. *
Eis que tudo o que ele faz vai prosperar,

=4 mas bem outra é a sorte dos perversos. †
Ao contrário, são iguais à palha seca *
espalhada e dispersada pelo vento.

5 Por isso os ímpios não resistem no juízo *
nem os perversos, na assembléia dos fiéis.

6 Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, *
mas a estrada dos malvados leva à morte.

– Glória ao Pai...

 

Ant. Eis que o Rei glorioso virá,
com poder vem salvar as nações. Aleluia.
 

 

Ant. 2 Exulta de alegria, ó Sião,
Jerusalém, tem confiança e não receies,
está perto o teu Rei e Salvador.

 

Salmo 2

O Messias, rei e vencedor

Uniram-se contra Jesus, teu santo servo, a quem ungiste (At 4,27).

1 Por que os povos agitados se revoltam? *
por que tramam as nações projetos vãos?

=2 Por que os reis de toda a terra se reúnem, †
e conspiram os governos todos juntos *
contra o Deus onipotente e o seu Ungido?

3 “Vamos quebrar suas correntes”, dizem eles, *
“e lançar longe de nós o seu domínio!”

4 Ri-se deles o que mora lá nos céus; *
zomba deles o Senhor onipotente.

5 Ele, então, em sua ira os ameaça, *
e em seu furor os faz tremer, quando lhes diz:

6 “Fui eu mesmo que escolhi este meu Rei, *
e em Sião, meu monte santo, o consagrei!”

=7 O decreto do Senhor promulgarei, †
foi assim que me falou o Senhor Deus: *
“Tu és meu Filho, e eu hoje te gerei!

=8 Podes pedir-me, e em resposta eu te darei †
por tua herança os povos todos e as nações, *
e há de ser a terra inteira o teu domínio.

9 Com cetro férreo haverás de dominá-los, *
e quebrá-los como um vaso de argila!”

10 E agora, poderosos, entendei; *
soberanos, aprendei esta lição:

11 Com temor servi a Deus, rendei-lhe glória *
e prestai-lhe homenagem com respeito!

12 Se o irritais, perecereis pelo caminho, *
pois depressa se acende a sua ira!

– Felizes hão de ser todos aqueles *
que põem sua esperança no Senhor!

– Glória ao Pai ...

 

Ant. Exulta de alegria, ó Sião,
Jerusalém, tem confiança e não receies,
está perto o teu Rei e Salvador.

Ant. 3 Purificado seja o nosso coração,
para irmos ao encontro do Senhor,
o grande Rei, porque Ele vem sem mais tardar.
 

Salmo 3

O Senhor é o meu protetor

Jesus adormeceu e ergueu-se do sono da morte, porque o Senhor era o seu protetor (Sto. Irineu).

2 Quão numerosos, ó Senhor, os que me atacam; *
quanta gente se levanta contra mim!

3 Muitos dizem, comentando a meu respeito: *
“Ele não acha a salvação junto de Deus!”

4 Mas sois vós o meu escudo protetor, *
a minha glória que levanta minha cabeça!

5 Quando eu chamei em alta voz pelo Senhor, *
do Monte santo ele me ouviu e respondeu.

6 Eu me deito e adormeço bem tranqüilo; *
acordo em paz, pois o Senhor é meu sustento.

7 Não terei medo de milhares que me cerquem *
e furiosos se levantem contra mim.

= Levantai-vos, ó Senhor, vinde salvar-me! †
8 Vós que feristes em seu rosto os que me atacam, *
e quebrastes aos malvados os seus dentes.
9 Em vós, Senhor, nós encontramos salvação; *
e repouse a vossa bênção sobre o povo!

– Glória ao Pai...

 

Ant. Purificado seja o nosso coração,
para irmos ao encontro do Senhor,
o grande Rei, porque Ele vem sem mais tardar.

 

V. Levantai vossa cabeça e olhai.

R. Pois a vossa redenção se aproxima.

 

Primeira leitura

Início do Livro do Profeta Isaías             1,1-18

Deus censura o seu povo

1 Visão de Isaías, filho de Amós,

acerca de Judá e Jerusalém

no tempo dos reis de Judá:

Ozias, Joatão, Acaz e Ezequias.

2 Ouvi, ó céus, presta

pois é o Senhor quem falou:

“Criei e fiz crescer meus filhos,

mas eles me desprezaram.

3 O boi reconhece o seu dono

e o burro, a manjedoura

do seu senhor;

mas Israel não me conhece,

meu povo não quer entender”.

4 Ai da nação pecadora,

povo cheio de maldade,

geração de malfeitores, filhos degenerados!

Abandonaram o Senhor,

desprezaram o Santo de Israel,

voltaram para trás.

5 De que valem novos golpes

se continuais prevaricando?

A cabeça toda é uma chaga,

o coração está esgotado;

6 da planta dos pés à cabeça

não há nele nada de intacto:

feridas, contusões e chagas expostas

não são curadas, não são enfaixadas,

nem recebem o remédio do unguento.

7 Vossa terra está deserta,

vossas cidades, incendiadas;

forasteiros saqueiam vosso país à vista de todos,

como se fosse devastado numa operação guerreira.

8 Sião jaz abandonada,

como cabana numa vinha,

como choupana no meio da horta,

como uma cidade sitiada!

9 Se o Senhor dos exércitos

não vos tivesse deixado um resto,

seríamos como Sodoma,

semelhantes a Gomorra.

10 Ouvi a palavra do Senhor,

magistrados de Sodoma,

prestai ouvidos ao ensinamento do nosso Deus,

povo de Gomorra.

11 Que me importa a abundância

– diz o Senhor.

Estou farto de holocaustos de carneiros

e de gordura de animais cevados;

do sangue de touros, de cordeiros

e de bodes, não me agrado.

12 Quando entrais para vos

quem vos pediu para pisardes os meus átrios?

13 Não continueis a trazer

O incenso é para mim uma abominação!

Não suporto lua nova, sábado,

convocação de assembléia:

iniqüidade com reunião solene!

14 Vossas luas novas e vossas

eu as detesto!

Elas são para mim um peso,

estou cansado de suportá-las.

15 Quando estendeis as vossas

escondo de vós os meus olhos.

Ainda que multipliqueis a oração,

eu não ouço:

vossas mãos estão cheias de sangue!

16 Lavai-vos, purificai-vos.

Tirai a maldade de vossas ações

de minha frente.

Deixai de fazer o mal!

17 Aprendei a fazer o bem!

Procurai o direito, corrigi o opressor.

Julgai a causa do órfão, defendei a viúva.

18 Vinde, debatamos – diz

Ainda que vossos pecados sejam como púrpura,

tornar-se-ão brancos como a neve.

Se forem vermelhos como o carmesim,

tornar-se-ão como lã.

 

Responsório             Is 1,16.18.17

R. Lavai-vos, ficai limpos,
tirai do meu olhar as vossas más ações.

* Se forem vossas culpas vermelhas como a púrpura,
elas hão de se tornar tão brancas como a .

V. Cessai de agir mal, aprendei a fazer o bem,
procurai o que é justo.

* Se forem vossas culpas vermelhas como a púrpura,
elas hão de se tornar tão brancas como a .

 

Segunda leitura

Das Catequeses de São Cirilo de Jerusalém, bispo

(Cat. 15,1-3: PG 33,870-874)            (Séc. IV)

 

As duas vindas de Cristo

Anunciamos a vinda de Cristo: não apenas a primeira, mas também a segunda, muito mais gloriosa. Pois a primeira revestiu um aspecto de sofrimento, mas a segunda manifestará a coroa da realeza divina.

Aliás, tudo o que concerne a nosso Senhor Jesus Cristo tem quase sempre uma dupla dimensão. Houve um duplo nascimento: primeiro, ele nasceu de Deus,antes dos séculos; depois, nasceu da Virgem, na plenitude dos tempos. Dupla descida: uma, discreta como a chuva sobre a relva; outra, no esplendor, que se realizará no futuro.

Na primeira vinda, ele foi envolto em faixas e reclinado num presépio; na segunda, será revestido num manto de luz. Na primeira, ele suportou a cruz, sem recusar a sua ignomínia; na segunda, virá cheio de glória, cercado de uma multidão de anjos.

Não nos detemos, portanto, somente na primeira vinda, mas esperamos ainda, ansiosamente, a segunda. E assim como dissemos na primeira: Bendito o que vem em nome do Senhor (Mt 21,9), aclamaremos de novo, no momento de sua segunda vinda, quando formos com os anjos ao seu encontro para adorá-lo: Bendito o que vem em nome do Senhor.

Virá o Salvador, não para ser novamente julgado, mas para chamar a juízo aqueles que se constituíram seus juízes. Ele, que ao ser julgado, guardara silêncio, lembrará as atrocidades dos malfeitores que o levaram ao suplício da cruz, e lhes dirá: Eis o que fizestes e calei-me (Sl 49,21).

Naquele tempo ele veio para realizar um desígnio de amor, ensinando aos homens com persuasão e doçura; mas, no fim dos tempos, queiram ou não, todos se verão obrigados a submeter-se à sua realeza.

O profeta Malaquias fala dessas duas vindas: Logo chegará ao seu templo o Senhor que tentais encontrar (Ml 3,1). Eis uma vinda.

E prossegue, a respeito da outra: E o anjo da aliança, que desejais. Ei-lo que vem, diz o Senhor dos exércitos; e quem poderá fazer-lhe frente, no dia de sua chegada? E quem poderá resistir-lhe, quando ele aparecer? Ele é como o fogo da forja e como a barrela dos lavadeiros; e estará a postos, como para fazer derreter e purificar (Ml 3,1-3).

Paulo também se refere a essas duas vindas quando escreve a Tito: A graça de Deus se manifestou trazendo salvação para todos os homens. Ela nos ensina a abandonar a impiedade e as paixões mundanas e a viver neste mundo com equilíbrio, justiça e piedade, aguardando a feliz esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo (Tt 2,11-13). Vês como ele fala da primeira vinda, pela qual dá graças, e da segunda que esperamos?

Por isso, o símbolo da fé que professamos nos é agora transmitido, convidando-nos a crer naquele que subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos; e o seu reino não terá fim. Nosso Senhor Jesus Cristo virá portanto dos céus, virá glorioso no fim do mundo, no último dia. Dar-se-á a consumação do mundo,e este mundo que foi criado será inteiramente renovado.

 

Responsório             Cf. Sl 48(49),3; 79(80),2; 23(24),7.9

R. Olhando ao longe, eu vejo chegar o poder do Senhor,
como nuvem que cobre a terra inteira.

Saí-lhe ao encontro, dizei, suplicando:

* Sois Aquele, contai-nos,

** Que de reinar sobre o povo de Deus?

V. Habitantes da terra, ó filhos dos homens,
vós, ricos e pobres, vós todos unidos.
Saí-lhe.

V. Ó Pastor de Israel, prestai ouvidos,

vós que a Jo apascentais qual um rebanho.

* Sois Aquele.

V. Ó portas, levantai vossos frontões!
Elevai-vos bem mais alto, antigas portas.
a fim de que o Rei da glória possa entrar!
**
Que .

R. Olhando ao longe, até o V. Habitantes da terra, exclusive.

 

Cânticos

 

Ant. Alegra-te e louva, ó Filha de Sião

Eis que venho a ti, para morar em tua casa,

É o que diz o Senhor!

 

Cântico I                        Is 40,10-17 

O Bom Pastor é o Deus Altíssimo e Sapientíssimo

Eis que venho em breve, trazendo comigo a minha recompensa (Ap 22,12). 


10 Olhai e vede: o nosso Deus vem com poder, * 
dominará todas as coisas com seu braço. 
– Eis que o preço da vitória vem com ele, * 
e o precedem os troféus que conquistou. 

11 Como o pastor, ele apascenta o seu rebanho.* 
Ele toma os cordeirinhos em seus braços, 
– leva ao colo as ovelhas que amamentam, * 
e reúne as dispersas com sua mão.  


12 Quem, no côncavo da mão, mediu o mar? * 
Quem mediu o firmamento com seu palmo? 
= Quem mediu com o alqueire o pó da terra? † 
Quem pesou, pondo ao gancho, as montanhas, * 
e as colinas, colocando-as na balança? 


13 Quem instruíra o espírito do Senhor? * 
Que conselheiro o teria orientado? 
14 Com quem aprendeu ele a bem julgar, * 
e os caminhos da justiça a discernir? 
– Quem as veredas da prudência lhe ensinou * 
ou os caminhos da ciência lhe mostrou? 


15 Eis as nações: qual gota d'água na vasilha, * 
um grão de areia na balança diante dele; 
– e as ilhas pesam menos do que o pó * 
perante ele, o Senhor onipotente. 


16 Não bastaria toda a lenha que há no Líbano * 
para queimar seus animais em holocausto. 
17 As nações todas são um nada diante dele, * 
a seus olhos elas são quais se não fossem. 

 

Cântico II                      Is 42,10-16 

Hino ao Deus vencedor e salvador

Cantavam um cântico novo diante do trono (Ap 14,3).

10 Cantai ao Senhor Deus um canto novo, * 
louvor a ele dos confins de toda a terra! 

– Louve ao Senhor o oceano e o que há nele, * 
louvem as ilhas com os homens que as habitam! 
11 Ergam um canto os desertos e as cidades, * 
e as tendas de Cedar louvem a Deus! 

– Habitantes dos rochedos, aclamai; * 
dos altos montes sobem gritos de alegria! 
12 Todos eles deem glórias ao Senhor, * 
e nas ilhas se proclame o seu louvor! 

13 Eis o Senhor como um herói que vai chegando, * 
como guerreiro com vontade de lutar; 
– solta seu grito de batalha aterrador * 
como um valente que enfrenta os inimigos.  

14 'Por muito tempo me calei, guardei silêncio, * 
fiquei calado e, paciente, me contive; 
– mas grito agora qual mulher que está em parto, * 
ofegante e sem alento em meio às dores. 

15 As montanhas e as colinas destruirei, * 
farei secar toda a verdura que as reveste; 
– mudarei em terra seca os rios todos, * 
farei secar todos os lagos e açudes. 

16 Conduzirei, então, os cegos pela mão * 
e os levarei por um caminho nunca visto; 
– hei de guiá-los por atalhos e veredas * 
até então desconhecidos para eles. 

– Diante deles mudarei em luz as trevas, * 
farei planos os caminhos tortuosos. 
– Tudo isso hei de fazer em seu favor, * 
e jamais eu haverei de abandoná-los!' 

 

Cântico III                     Is 49,7-13 

O Senhor redime o povo por meio do seu servo

Deus enviou seu Filho único ao mundo, para que tenhamos vida por meio dele (I Jo 4,9).

7 Assim fala o Senhor, o Redentor, * 
o santo de Israel,
– ao desprezado, ao rejeitado entre os povos, * 
ao escravo dos tiranos:

 
“Os reis, ao ver-te, haverão de levantar-se * 

e os príncipes, adorar-te,
– pelo Santo de Israel que te escolheu, * 
pelo Senhor, que é fiel”.

 
8 Todos eles deem glórias ao Senhor, * 
“Eu te ouvi no tempo certo, 
 no dia da salvação te ajudei, * 
eu te formei, a fim de seres

 
– mediador da Aliança com o povo * 

e restaurares o país;

 repartires as heranças devastadas * 

e dizeres aos vencidos:

 
9 “Saí!” e aos que jazem entre as trevas: * 
 “Vinde à luz! Aparecei!
– Encontrarão seu alimento no caminho, * 
nas colinas pastos verdes. 

10 Fome e sede nunca mais padecerão, * 
nem o sol os queimará. 
– Pois, quem tem misericórdia, os guiará * 
e às fontes levará. 

11 Converterei todos os monte em estradas, * 
nivelarei os seus caminhos. 
12 Uns vêm de longe, vêm do Norte e do Poente * 
e outros do Oriente.”

 

13 Cantai, ó céus, exulta, ó terra, de alegria * 
rompei em cantos, ó montanhas!

– Pois, o Senhor se compadece do seu povo * 
e tem pena dos aflitos! 

 

Ant. Alegra-te e louva, ó Filha de Sião

Eis que venho a ti, para morar em tua casa,

É o que diz o Senhor!

 

Leitura do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas

24,1-12

Por que estais procurando entre os mortos aquele que está vivo?

1No primeiro dia da semana, bem de madrugada,
as mulheres foram ao túmulo de Jesus,
levando os perfumes que haviam preparado.
2
Elas encontraram a pedra do túmulo removida.
3
Mas ao entrar, não encontraram o corpo do Senhor Jesus
4
e ficaram sem saber o que estava acontecendo.
Nisso, dois homens com roupas brilhantes
pararam perto delas.
5
Tomadas de medo, elas olhavam para o chão,
mas os dois homens disseram:
'Por que estais procurando entre os mortos
aquele que está vivo?
6
Ele não está aqui. Ressuscitou!
Lembrai-vos do que ele vos falou,
quando ainda estava na Galiléia:
7
'O Filho do Homem deve ser entregue
nas mãos dos pecadores, ser crucificado
e ressuscitar ao terceiro dia'.'
8
Então as mulheres se lembraram das palavras de Jesus.
9
Voltaram do túmulo
e anunciaram tudo isso aos Onze e a todos os outros.
10
Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago.
Também as outras mulheres que estavam com elas
contaram essas coisas aos apóstolos.
11
Mas eles acharam que tudo isso era desvairio,
e não acreditaram.
12
Pedro, no entanto, levantou-se e correu ao túmulo.
Olhou para dentro e viu apenas os lençóis.
Então voltou para casa,
admirado com o que havia acontecido.

 

HINO TE DEUM (A VÓS, Ó DEUS, LOUVAMOS)

A vós, ó Deus, louvamos,

a vós, Senhor, cantamos.

A vós, Eterno Pai,

adora toda a terra.

 

A vós cantam os anjos,

os céus e seus poderes:

Sois Santo, Santo, Santo,

Senhor, Deus do universo!

 

Proclamam céus e terra

a vossa imensa glória.

A vós celebra o coro

glorioso dos Apóstolos,

 

Vos louva dos Profetas

a nobre multidão

e o luminoso exército

dos vossos santos Mártires.

 

A vós por toda a terra

proclama a Santa Igreja,

ó Pai onipotente,

de imensa majestade,

 

e adora juntamente

o vosso Filho único,

Deus vivo e verdadeiro,

e ao vosso Santo Espírito.

 

Ó Cristo, Rei da glória,

do Pai eterno Filho,

nascestes duma Virgem,

a fim de nos salvar.

 

Sofrendo vós a morte,

da morte triunfastes,

abrindo aos que têm fé

dos céus o reino eterno.

 

Sentastes à direita

de Deus, do Pai na glória.

Nós cremos que de novo

vireis como juiz.

 

Portanto, vos pedimos:

salvai os vossos servos,

que vós, Senhor, remistes

com sangue precioso.

 

Fazei-nos ser contados,

Senhor, vos suplicamos,

em meio a vossos santos

na vossa eterna glória.

(A parte que se segue pode ser omitida, se for oportuno).

Salvai o vosso povo.

Senhor, abençoai-o.

Regei-nos e guardai-nos

até a vida eterna.

 

Senhor, em cada dia,

fiéis, vos bendizemos,

louvamos vosso nome

agora e pelos séculos.

 

Dignai-vos, neste dia,

guardar-nos do pecado.

Senhor, tende piedade

de nós, que a vós clamamos.

 

Que desça sobre nós,

Senhor, a vossa graça,

porque em vós pusemos

a nossa confiança.

 

Fazei que eu, para sempre,

não seja envergonhado:

Em vós, Senhor, confio,

sois vós minha esperança!

Oração

Ó Deus todo-poderoso, concedei a vossos fiéis o ardente desejo de possuir o reino celeste, para que, acorrendo com as nossas boas obras ao encontro do Cristo que vem, sejamos reunidos à sua direita na comunidade dos justos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.